Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Archive for the ‘ Notícias regionais ’ Category

Lippi classifica ação de inusitada e diz que vai estudar segurança

Giuliano Bonamim – Jornal Cruzeiro do Sul
O prefeito Vitor Lippi lamentou o furto de peças e material pertencentes ao acervo histórico da cidade e classificou de inusitada a situação. Segundo ele, apesar da importância desses objetos na preservação de memória sorocabana, trata-se de produtos que não possuem valor de mercado e, portanto, não seriam visados.

Para Lippi, o local é seguro e seu grau de vulnerabilidade é o mesmo de outros pontos da cidade. “No prédio há aparato necessário de vigilância, que é feito por um funcionário do Saae”, diz o prefeito, em nota divulgada pela assessoria de comunicação do Paço. O Saae, por sua vez, diz que o local fica sem vigilância à noite.

Após o furto, Lippi vai determinar que sejam realizadas aferições das potencialidades de risco de outros locais onde existam acervos históricos. O objetivo é de reforçar a vigilância dessas áreas para garantir mais eficiência na segurança, inclusive, por meio eletrônico.

O líder do Executivo de Sorocaba acredita que o furto é resultado de uma ação orquestrada por grupo ou pessoas que estudaram o local. “Já que o furto de peças sem valor comercial tem características muito distintas de outros furtos e roubos cuja intenção é o ganho financeiro”, comenta Lippi.

Como o fato é muito recente, Lippi disse que aguardará um posicionamento oficial acerca das consequências da situação. A Secretaria de Cultura e Lazer iniciou um levantamento para saber o volume de material levado pelos bandidos.

Porta foi arrombada e ficou retorcida - Por: Aldo V. Silva


Os bandidos levaram pelo menos metade das importantes peças que estavam depositadas no antigo matadouro municipal - Por: Aldo V. Silva

Sistema de vídeo-monitoramento opera em novo local em Sorocaba, SP

Nova sede fica na Vila Angélica, zona norte da cidade.
Secretaria de Segurança também funcionará no prédio.

A central que abriga o sistema de vídeo-monitoramento de Sorocaba, no interior de São Paulo, começa a funcionar em março, em um novo endereço. Além dele, o prédio abrigará a Secretaria de Segurança Comunitária (Sesco), a Guarda Civil Municipal, a Defesa Civil, a Diretoria de Fiscalização e Centro de Operação Integrado (COI).

O prédio, localizado na rua Castanho Taques, na Vila Angélica, zona norte da cidade, conta com 1.600 m² de área construída e foi totalmente reformado e adaptado para receber a estrutura da Sesco, em uma região considerada estratégica em termos de segurança.

“A sede está num ponto que nos permitirá rápida mobilidade, seja para atender ocorrências na zona norte como no centro”, afirma o titular da pasta, Roberto Montgomery Soares. Ele destaca ainda a proximidade do novo endereço com as avenidas Santos Dumont e Ipanema, que integram o Programa Sorocaba Total, em fase de execução.

A mobilidade citada por Montgomery prevê o aumento de demanda nas ocorrências da Guarda Civil, por conta do início do funcionamento do COI. Segundo ele, as primeiras 41 câmeras, já instaladas em vários locais de Sorocaba, permitirão a realização de operações de combate à criminalidade de forma mais rápida e objetiva, garantindo a intervenção permanente da corporação em situações de delito.

Em fase final de testes, as câmeras do vídeo-monitoramento estão operando em parques municipais, escolas, terminais de ônibus, unidades de pronto atendimento e no centro. “O equipamento será fundamental para a segurança da população, garantindo também um crescimento nas ações integradas com as polícias Civil e Militar”, ressalta o secretário.

Com a mudança para a nova sede, a Sesco manterá uma base da Guarda Civil no prédio atual, no Alto da Boa Vista, por orientação do próprio prefeito Vitor Lippi. De acordo com Montgomery, a base terá como função atender a região leste de Sorocaba e o chamado centro administrativo, formado pelo Palácio dos Tropeiros (sede da Prefeitura), Câmara Municipal, além do Fórum e outras instituições públicas que funcionam nas imediações. “A médio prazo, devem ser criadas novas bases da GCM para o atendimento específico de outras regiões de Sorocaba, conforme determinação do prefeito”, lembra.

Fiscalização e Defesa Civil
As 24 salas do prédio são suficientes para abrigar todos os setores subordinados à Sesco, entre os quais se incluem a diretoria de Área da Fiscalização e a coordenadoria da Defesa Civil. Conforme explica Montgomery, os cargos de chefia da Fiscalização serão transferidos para a nova sede, enquanto o atendimento ao público e os fiscais municipais permanecerão no prédio da Unidade Seminário da Prefeitura de Sorocaba, na rua Pernambuco, n° 100, no Centro.

Montgomery destaca, ainda, que as novas dependências da Sesco também vão oferecer espaço para as polícias Civil e Militar poderem fazer uso do sistema de vídeo-monitoramento, assim como uma das salas deverá ser utilizada para as ações do Gabinete de Gestão Integrada (GGI). Este tem como função discutir e implantar políticas de segurança no município com a participação de representantes da Guarda Civil, das polícias Civil e Militar e integrantes dos Conselhos de Segurança (Consegs).

Fonte: G1

Infrator custa R$ 5.600 por mês


O Estado gasta uma média de R$ 5.600 por mês com cada interno da Fundação Casa. No Vale, o custo com 320 internos é de R$ 1,79 milhão

São seis refeições diárias, cursos profissionalizantes, educação e reeducação social, esporte e outras atividades. Cada menor infrator internado em uma das 142 unidades da Fundação Casa (a antiga Febem) do Estado custa R$ 5.600 por mês aos cofres públicos. No Vale do Paraíba, o governo tem unidades em São José, Taubaté, Jacareí, Caraguatatuba e Lorena, com o total de 320 vagas.

Em entrevista ao BOM DIA, a presidente da Fundação Casa, Berenice Giannella, disse que o valor não é gasto e sim investido na recuperação de crianças e de adolescentes, com bom ‘custo-benefício’ para a sociedade.

“Independente da infração cometida na rua, o menor é muito bem atendido. Igualmente, não há diferenças de casos ou situações. A nossa preocupação hoje não é com o valor, porque avalio que ele seja suficiente, mas sim com o processo que possamos realizar dentro das unidades para que ele não volte mais, que saia preparado para voltar ao convívio social”, disse a presidente.

Custo
O valor mensal de R$ 5.600, de acordo com ela, é a média do Estado. Há unidades que os valores e gastos são menores. Para o promotor de justiça da Vara da Infância e Juventude de São José, João Marcos Costa de Paiva, é preciso cautela ao analisar esse custo.

“Falar da renda per capita é traiçoeiro, afinal, não sabemos ao certo quanto eles recebem de investimento. O adolescente é muito bem tratado e recebe todo amparo para ter uma nova chance, qualquer valor que se invista é válido”, disse.

Ex-Febem
Para ele, a modificação de Febem para Fundação Casa vai muito além do nome.

A presidente assumiu o cargo em 2006. De lá pra cá, o número de rebeliões caiu (em 2003, o Estado registrou 80 e 1 em 2011) e a reincidência também apresentou queda (de 29 para 13%). As unidades foram descentralizadas, para que o infrator pudesse ficar perto da família. E as unidades, antes mais parecidas com presídios, foram mudando para um perfil mais ‘escolar’.

A dúvida, que o Estado se negou a responder ao BOM DIA, é: se o governo investe aproximadamente R$ 5.600 por mês na recuperação de menores infratores, quanto é que ele gasta na prevenção ao problema?

MP atesta mudança nas unidades do Vale
Para o promotor da Vara da Infância e Juventude de Taubaté, Antônio Carlos Ozório Nunes, o atual trabalho desenvolvido nas unidades da Fundação Casa não pode ser avaliado com base no valor investido pelo Estado. “É só fazer um balanço de quantas coisas mudaram e dos casos que eram apresentados. Estamos falando de ressocialização de menores, algo que exige empenho de profissionais altamente capacitados e não de valores”, completou.

Michelle Mendes – Bom Dia São José e Taubaté

Porto de Santos começa a receber visita de cães farejadores no embarque para cruzeiros

Lança-perfume e ecstasy estavam no embarque para cruzeiros.
Donos das malas prestaram depoimento e foram liberados.


Malas com drogas foram apreendidas nesta quinta-feira (9) no Porto de Santos, na Baixada Santista, no setor de embarque para cruzeiros. As drogas foram encontradas durante vistoria feita com cães farejadores.

Fracos de lança-perfume e comprimidos de ecstasy foram encontrados nas malas de um grupo que iria embarcar. Como a quantidade de droga não era grande, o grupo prestou depoimento e foi liberado. Eles vão responder em liberdade.

Esta foi a primeira inspeção feita com cães no porto. Até 18 de maio, quando termina a temporada de cruzeiros, a Receita Federal promete levar mais vezes os cachorros da Polícia Federal para o raio X.

G1

Polícia Federal fecha empresa de segurança clandestina em SP

Moradores de bairro formaram grupo de vigilantes em Ubatuba.
Associação foi notificada a encerrar serviços sem autorização.
Do G1 SP

Uma empresa de segurança privada clandestina foi fechada pela Polícia Federal nesta quarta-feira (25) em Ubatuba, no Litoral Norte de São Paulo. Os agentes chegaram ao local através de denúncias de abusos por parte de seguranças contratados por uma sociedade de moradores de um bairro. Materiais usados pelos vigilantes foram apreendidos.

De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Federal, após as denúncias, uma equipe foi ao local nesta quarta e constatou que amigos do bairro formaram um grupo de vigilantes para realizar rondas e abordar pessoas em área pública. Eles usavam cassetete, rádios sem licença da Anatel e faziam rondas e abordagens na região.

A associação foi notificada a encerrar os serviços de segurança privada sem autorização.

Casos anteriores
Em 2011, a Polícia Federal fechou outros dois grupos de vigilantes que atuavam sob comando de associações de bairro sem a devida autorização da Polícia Federal na região de São Sebastião.

De acordo com assessoria de imprensa da PF, as reclamações chegam à polícia quando moradores que optam por não se associarem às entidades de bairro sentem-se coagidos e ameaçados pelas associações.

PM cadastra famílias para conter violência


Uapc é esperança da corporação para frear crimes na zona sul; mais de 2.300 famílias são visitadas
Filipe Rodrigues
São José dos Campos

Implantadas em novembro de 2010, as Uapcs (Unidade Avançada de Polícia Comunitária) são a principal esperança da Polícia Militar para reduzir os elevados índices de criminalidade na zona sul de São José em 2012.

A região teve 21 homicídios em 2011, além de puxar o crescimento de 26% que a cidade teve em roubos de carro com relação a 2010.
A Uapc visa estreitar laços entre moradores e PM. Para conhecer a população de um bairro, é feito um cadastramento com os moradores da casa.

Só na zona sul, já são 2.347 famílias de cinco bairros (Campo dos Alemães, Pinheirinho, Colonial, Interlagos e Residencial União) cadastradas pelos policiais.

Em bairros carentes, policiais fazem parcerias com escolas para dar aulas de futebol, judô, entre outras atividades para as crianças.

As visitas no sexto bairro começaram na semana passada. Comerciantes do Jardim Morumbi conheceram o trabalho e receberam dicas de segurança dos policiais.

“Ter a PM por perto é sempre bom. Às vezes, a gente relaxa com segurança com o tempo. Receber dicas e saber que eles estão aqui, nos faz sentir melhor”, diz o comerciante Marcos Antonio Pereira, 31 anos.

Mudança
A PM aposta que as unidades implantem na sociedade, uma nova cultura de polícia.

“Nossa função continua prevenir crimes, mas com uma mentalidade diferente: ir à sociedade sem ser acionado”, diz o capitão Ricardo Ivo Gobbo, responsável pelo trabalho das Uapcs da zona sul.

O aumento da convivência visa conhecer a realidade de uma região que enfrenta problemas de segurança.
“No Jardim Morumbi, por exemplo, estamos dando dicas de segurança à população para evitar que estas pessoas sejam assaltadas enquanto chegam em casa, por exemplo”, diz.

O bairro foi o líder de roubos em São José em 2011 e, por isso, foi escolhido para receber a ação, que não tem prazo para terminar.

“A ideia é conversar com as pessoas. Uma casa pode durar tanto 10 minutos quanto uma hora”, afirma o capitão.

Durante as visitas, uma base comunitária fica no bairro. Os policiais também recebem a orientação de revisitar as casas para não perder contato.

Tráfico
A aproximação visa conquistar a confiança da população para algo considerado fundamental na luta contra o crime –a denúncia.

Quando o projeto foi criado no Campo dos Alemães, essa foi a principal intenção. “Sabemos que o tráfico ainda existe no Campo dos Alemães, mas agora, recebemos informação dos locais e a partir daí, traçamos um plano de ação.”

Atuação social ajuda na aproximação
São José dos Campos
Nos bairros por onde passou, a Unidade Avançada de Polícia Comunitária deixou projetos sociais para afastar jovens da criminalidade.

No Campo dos Alemães, por exemplo, crianças e adolescentes receberam aulas de judô e futebol de policiais que têm experiência na área.

Por meio de parcerias, a corporação também conseguiu cursos de qualificação como computação e inglês para pessoas que querem aperfeiçoar o currículo.

“Em regiões carentes, é preciso dar uma oportunidade a esses jovens para que eles não sejam seduzidos para cometer crimes. O policial por perto serve como um bom exemplo”, diz o capitão Gobbo.

Também são realizados eventos abertos à população em datas comemorativas. Destes eventos, a PM contabiliza a participação de 15 mil pessoas desde 2010.

Atuação
Ações semelhantes foram adotadas no Parque Interlagos. “Tínhamos problemas com pequenos furtos e consumo de entorpecentes por jovens. Já tínhamos um programa e pedimos que a PM nos desse suporte”, diz Mario Sérgio de Oliveira, 46 anos, líder comunitário.

Videomonitoramento opera parcialmente no centro da cidade

Ana Paula Yabiku Gonçalves – Jornal Cruzeiro do Sul (Sorocaba)

Anunciado em fevereiro de 2011 com previsão de cinco meses para entrar em operação, o novo sistema de videomonitoramento de Sorocaba ainda está em fase de instalação. Os procedimentos administrativos para a realização de Pregões Eletrônicos – uma exigência do Governo Federal – para a contratação das empresas que fariam a implantação do sistema só foram concluídos em julho. Portanto, esclarece a Secretaria de Segurança Comunitária (Sesco), o projeto só recebeu a Ordem de Serviço para iniciar os trabalhos no dia 16 de agosto. Devido ao atraso, o projeto deve ser concluído somente no início deste ano, segundo previsões da Sesco.

Até o momento, foram instaladas oito câmeras do sistema de videomonitoramento. Todas estão localizadas na região central da cidade, em fase de teste para homologação dos equipamentos. Até o final do processo, serão instaladas 11 câmeras em bulevares, praças, imediações do terminal de ônibus e nas principais vias do Centro. Ao todo, 41 câmeras serão implementadas em locais mapeados pela Sesco, em conjunto com as polícias Civil e Militar. Serão contempladas 21 escolas estaduais com aulas noturnas e que apresentam altos índices de violência e insegurança, parques municipais e os principais corredores comerciais do município. Entre os bairros que receberão o sistema, estão o Júlio de Mesquita Filho, Vila Haro, Vila Angélica, Ana Paula Eleutério, Vila Angélica, Nova Esperança, Lopes de Oliveira, Laranjeiras e Brigadeiro Tobias.

O sistema funcionará com uma central de videomonitoramento, denominada Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGIM), operada por Guardas Civis Municipais durante 24 horas por dia. Contará com o controle da Guarda Municipal e da Defesa Civil, além de acesso a todos os sistemas operacionais de segurança entre polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). A central funcionará na futura sede da Sesco, onde também se instalará a Guarda Civil Municipal, na Vila Angélica.


Uma parte do sistema de vídeo funcionará por frequência de rádio e por fibra ótica, com cada câmera operando em ângulo de cobertura de 360 graus, permitindo que as imagens captem rostos de pessoas e placas de veículos. O custo do projeto será de R$ 1.239.896 para os equipamentos, mobiliários, cabos, computadores, entre outros. Cerca de R$ 800 mil serão provenientes do Governo Federal, por meio do convênio com o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci) e o restante virá da própria Prefeitura.

O Largo do Rosário foi o primeiro ponto da cidade a contar com o novo sistema de videomonitoramento. O equipamento vem sendo testado há mais de quatro meses e apresentando resultados considerados positivos em termos de segurança, cobrindo uma ampla região ao redor de toda a praça, inclusive, nas imediações da Praça “Arthur Fajardo”, o Largo do Canhão. Ainda em fase de implementação, a Sesco informou que houve inibição das ações criminosas na região central da cidade durante as compras de fim de ano. (Edileine Ferreira Guimarães, supervisora)

Polícia Civil prioriza o combate ao tráfico em 2012

Reengenharia dos prédios e equipes é principal aposta para reduzir burocracia e ampliar resultados

Filipe Rodrigues – O Vale
A guerra contra o tráfico de drogas será a prioridade da Polícia Civil para 2012 no Vale do Paraíba.
Segundo Edilzo Correia de Lima, coordenador do Deinter-1 (Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo Interior), vencer o tráfico é a principal forma para conter crimes como homicídios, roubos e furtos.

Em 2011, a região teve crescimento nos índices de homicídios. Em 10 meses, os assassinatos de 2011 (329) já superaram o total de 2010.
“O tráfico é a raiz de todos os males. Um usuário sem dinheiro para pagar traficante ou para pagar droga, ele vai praticar pequenos furtos. Quando o vício aumento, ele precisa de mais dinheiro”, diz o delegado Lima.

Segundo Lima, apesar do aumento nos homicídios, as autoridades de segurança pública prenderam mais criminosos e apreenderam mais drogas em 2011.

Neste ano, de janeiro a novembro, foram apreendidas 1,7 tonelada de entorpecente contra 944 quilos no mesmo período de 2010.
O número de armas (959) apreendidas também cresceu 22,5% e as prisões em flagrante (6.129), aumentaram 8,4%. Os dados incluem ocorrências atendidas pela Polícia Militar.

Medidas
Em 2012, a Polícia Civil passará por uma reestruturação, que visa aumentar a produtividade e o poder de investigação.

A ideia original é reduzir o número de distritos para diminuir a burocracia. Com isto, haverá mais policiais para atender a população e investigar crimes.

Um exemplo desta medida, que está em fase de implantação em São José, é juntar a DIG (Delegacia de Investigações Gerais) e a Dise (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes).

“Precisamos de um prédio maior para aperfeiçoar essa união. Mas em tese, os investigadores destas unidades já estão atuando em conjunto”, diz ele.

Casos
A mudança não deverá acontecer apenas na DIG e na Dise. Em São José, são cinco delegacias que devem sofrer alterações. No Vale, atualmente são 74 delegacias. Com as mudanças, o número pode cair para 59.

Em tese, o reagrupamento significa aumentar a área de atuação de um distrito. Com isso, algumas delegacias seriam fechadas e os policiais seriam redistribuídos.

Um projeto piloto foi adotado na cidade de Pirassununga e segundo a Secretaria de Segurança Pública, o índice de esclarecimento de crimes triplicou na cidade.

“A reengenharia vai acontecer, mas é preciso cuidado. Não basta agrupar policiais de duas unidades em um prédio. Tem que pensar no conforto da população e ter prédios que suportem o movimento. Além disso, há a localização. Não podemos fazer uma pessoa andar 20 quilômetros para registrar a ocorrência”, diz Lima.

Policiais
Até março, a Polícia Civil espera receber mais agentes, investigadores e delegados para ampliar o atendimento à população. De acordo com o delegado, foram finalizados concursos e os aprovados já estão em treinamento.

“O atendimento à população é uma prioridade. É uma fonte de informação para o nosso trabalho.”

PM reforça patrulhas em áreas comerciais e distribui cartilha


Foto: Aaron Kawai
Efetivo nas ruas aumentou em 30% com o objetivo de coibir crimes; policiais também orientam população a se prevenir
Filipe Rodrigues O Vale – São José dos Campos

A Polícia Militar aumentou em 30% o efetivo nas principais regiões comerciais de São José dos Campos devido ao aumento da movimentação com a chegada do Natal.

Além do reforço policial, a corporação também está distribuindo cartilhas à população com dicas de como evitar ser vítima de roubos e furtos.

Inicialmente, foram impressas três mil cópias do panfleto ‘Educação para a Segurança’, que possui seis páginas, é ilustrada e impressa em cores.

“Como há muita movimentação, o ladrão procura a oportunidade. Ele vai agir contra a pessoa que estiver distraída. Essas dicas visam orientar quem vai fazer compras”, diz o tenente Alan Kalzuk.

Durante a tarde de ontem, a PM evitou um roubo a uma loja de motocicletas, na avenida Juscelino Kubitschek, na Vila Industrial, zona leste.

Luis Fernando Nazaré da Silva, 18 anos, foi preso em flagrante e o adolescente G.H.S, 17 anos, detido. Com eles, a PM apreendeu ainda um revólver calibre 38.

Os bandidos chegaram a render pessoas na loja e dispararam duas vezes. Mas com a chegada da PM, eles tentaram fugir e foram cercados.

Segurança
O principal reforço é feito no policiamento a pé e com bicicletas. Os policiais percorrem áreas mais movimentadas e mantêm um contato maior com a população.

“As viaturas têm dificuldade para transitar nas áreas movimentadas, por isso, optamos por bicicletas e motos para fazer o deslocamento”, diz o tenente Euler Guimarães.

Com menos utilidade na área comercial, as viaturas atuam, principalmente, nas vias de acesso às regiões mais movimentadas e em outras áreas da cidade.

“Se reforçarmos só a área comercial, as outras ficam desguarnecidas. Por isso, há viaturas em horário estendido para garantir também a tranquilidade para quem fez as compras e vai voltar para casa”, afirma.

Dicas
Para a corporação, as pessoas podem evitar ser vítimas, tomando algumas medidas simples de segurança, como evitar fazer compras sozinho e não deixar bolsa e carteira em locais de fácil acesso.

A auxiliar administrativa Maria de Jesus Gomes, 44 anos, sabe do risco e diz que faz as compras de natal aos poucos para evitar andar com muitos presentes.

“Tem que ficar atento sempre. Se bobear, mesmo com polícia, eles pegam o que precisam e saem correndo. Alguns cuidados, a gente que tem que tomar”, diz Maria.

Operação
A Operação Natal teve início no dia 25 de novembro. Desde então, já há um reforço nas principais regiões comerciais. O número foi intensificado nesta última semana, quando são esperadas 15 mil pessoas por dia no Centro de São José dos Campos.

Durante a semana, o reforço no policiamento será estendido até às 23h, horário previsto para que os consumidores voltem para suas casas.

Ladrões roubam 16 pessoas em arrastão em loja de São José

Assalto ocorreu na zona sul da cidade no início da manhã; vítimas dizem que bandidos não cobriram o rosto e estavam calmos

Victor Moriyama

Filipe Rodrigues
São José dos Campos

Quatro homens armados fizeram um arrastão ontem de manhã na Voli Autopeças, que fica na esquina da avenida Andrômeda, na zona sul de São José dos Campos.

Segundo vítimas, os bandidos entraram na loja se passando por consumidores, por volta das 9h. Aos poucos, eles renderam todos os funcionários e clientes, que estavam no local. No total, 16 pessoas ficaram sob o poder dos ladrões.

A ação durou pouco menos de 30 minutos. Os bandidos fugiram do local com aproximadamente R$ 6 mil em dinheiro, 12 aparelhos de DVD para carros, além de itens pessoais dos clientes.

Após o roubo, eles fugiram em um carro prata, segundo testemunhas. Até o final da tarde de ontem, ninguém havia sido preso.

A Polícia Militar afirma que a Avenida Andrômeda é a área com maior policiamento na zona sul e irá analisar o crime para alterar a dinâmica de policiamento.

Ação
Os quatro bandidos entraram na loja e se espalharam. Eles fingiam ter interesse em algumas das mercadorias do estabelecimento.

“É uma loja grande, eles se espalharam e foram rendendo os funcionários e todos os clientes que entravam. Eles nos ameaçavam de morte e continuaram calmos o tempo todo”, diz uma das vítimas.

Os ladrões estavam de cara limpa e, de acordo com o Boletim de Ocorrência, mostraram saber a rotina dos funcionários do comércio.

A loja fica na esquina da avenida Andrômeda com a rua Pedro Tursi, no Jardim Satélite. Mesmo sendo uma região movimentada, a ação dos ladrões não despertou a suspeita dos comércios vizinhos.

“Estranhamos ao ver um carro sair com tudo. Depois disso, vimos várias pessoas saindo nervosas”, diz o funcionário de um posto de gasolina, que fica em frente à loja.

Investigação
A Polícia Civil tenta recuperar imagens de câmeras de segurança do posto de gasolina e do COI (Centro de Operações Integradas), na intenção de reconstituir a movimentação dos bandidos.

O fato de os ladrões não estarem com o rosto coberto durante a ação também poderá ajudar a Polícia Civil a esclarecer o assalto.

“Vamos pedir às vítimas que venham à delegacia olhar o álbum de pessoas que já têm passagem. Pode ajudar na identificação”, diz o delegado Fernando César de Oliveira, do 7º Distrito Policial.