Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Archive for the ‘ Informação ’ Category

Registro de ocorrências fica fora do ar na manhã de domingo dia 17

O sistema RDO (Registro Digital de Ocorrências), usado pela Polícia Civil para registrar boletins de ocorrência, vai ficar fora do ar na manhã deste domingo (17), das 6h às 12h, para que a Prodesp (Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo) execute melhorias técnicas. A suspensão do serviço afetará todas as delegacias de polícia e unidades especializadas do Estado.

A população terá duas alternativas para registrar ocorrências no período: a Delegacia Eletrônica (www.ssp.sp.gov.br/bo) e as unidades da Polícia Militar que já ofereçam este serviço. Nem a PM nem a Delegacia Eletrônica serão afetadas pela paralisação do RDO. Aqueles que forem às delegacias de polícia, só poderão registrar ocorrências antes das 6 horas ou depois das 12 horas.

Leia abaixo a nota divulgada pela Prodesp.

No próximo domingo, dia 17 de julho de 2011, o sistema RDO – Registro Digital de Ocorrências sofrerá uma parada programada, no período das 6 às 12 horas.

A parada, estabelecida de comum acordo entre a Prodesp e a Polícia Civil do Estado de São Paulo, destina-se à manutenção e atualização do sistema, conforme programa de melhoria que vem sendo implementado no RDO.

A parada programada do RDO não afetará a Delegacia Eletrônica, que permite o registro de determinadas ocorrências via Internet, no site da Secretaria da Segurança Pública (www.ssp.sp.gov.br).

Assessoria de Imprensa da Secretaria da Segurança Pública

Entenda a nova Lei das Cautelares

TV Estadão

Há uma semana entrou em vigor a lei que permite ao juiz aplicar mais nove medidas antes de decretar a prisão a suspeitos de crimes.
O jurista Luiz Flávio Gomes faz um balanço dos últimos dias.

Mais duas centrais de flagrante serão instaladas na capital paulista até agosto

Medida deve agilizar atendimento nas delegacias tanto à populaçao como à Polícia Militar

Ricardo Valota, do estadão.com.br

SÃO PAULO – Com o objetivo de atender à população em no máximo 30 minutos e liberar, para o retorno ao patrulhamento, o mais rápido possível, policiais militares que registram prisão em flagrante, quatro delegacias da capital paulista, da Vila Carrão (31ºDP), São Mateus (49ºDP), Vila Jacuí (63ºDP), na zona leste, e Água Fria (20ºDP), na zona norte, já contam com as chamadas Centrais de Flagrante.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) promete, até agosto, entregar mais duas: no Morumbi (89ºDP), região sudoeste, e na Vila Leopoldina (91ºDP), zona oeste. A intenção é centralizar o deslocamento das viaturas da PM, com presos em flagrante, para apenas uma delegacia, dependendo da região.

Por exemplo: Policiais militares que detiverem criminosos em regiões como Jaguaré, Rio Pequeno, Cidade Universitária, Ceagesp, Butantã, e bairros ao redor, na zona oeste, encaminham o flagrante para o 91º Distrito Policial (Vila Leopoldina). Com isso, a população terá um atendimento mais rápido nas demais delegacias da região e, caso queira registrar boletim no distrito policial onde há a Central de Flagrante, nele terá um atendimento separado, sem ter de esperar na fila de casos de flagrante levados pela PM.

O diretor do Decap, Carlos José Paschoal de Toledo, destacou que, além disso, a Central de Flagrante tem uma característica estratégica.

Por ser um ambiente com estrutura carcerária, evita o deslocamento desnecessário de presos. “O preso chega à Central de Flagrante e é custodiado naquela dependência carcerária até a transferência para unidades prisionais Secretaria da Administração Penitenciária”.

SAC

Outra facilidade que já existe nas delegacias da capital é Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC), da Polícia Civil, em funcionamento desde a última segunda-feira , 4, responsável por receber elogios, sugestões e reclamações 24 horas. O serviço permite que a diretoria do Departamento Judiciário de Polícia Civil da Capital (Decap) possa intervir, diretamente, no atendimento à população. “Se a pessoa for mal atendida ou houver algum desgaste, o coordenador desse serviço intervirá nesse atendimento”, acrescentou Toledo.

O telefone de contato, 3815-5446, o fax, 3031-5446, e o endereço eletrônico do serviço (sac-decap@policiacivil.sp.gov.br) constam em todas as delegacias da Capital. Alguns casos terão resposta imediata, como reclamações sobre o tempo de espera nas delegacias.

Saiba como evitar fraudes na internet

Saiba como as fraudes pela internet são feitas. Ótimas dicas para você se prevenir de fraudes nos seus pagamentos pela internet preparadas pelo Banco Itaú:

O Itaú preparou para você um guia de orientação para te ajudar na prevenção a fraudes eletrônicas. Evite problemas, fique por dentro da ação dos fraudadores.

Esse é o primeiro passo e o mais importante para garantir a sua segurança. Aproveite e divulgue para os outros. Quanto mais pessoas souberem, teremos menos fraudadores atuando.

Para acessar as senhas e dados do seu computador,os fraudadores utilizam o seguinte método:

1- “Infecção” do Computador

  • Para acessar a conta de um cliente pela Internet, o fraudador precisa primeiro obter as informações do cliente. Para isso, o fraudador primeiro faz a “infecção” do computador do cliente. A infecção ocorre quando o usuário desatento ou desavisado recebe um e-mail ou mensagem de pessoas desconhecidas ou com anexos não confiáveis, além de propagandas – também conhecidas como spam – que contenham vírus ou trojan.
  • Outra forma de infecção é quando o usuário recebe um e-mail falso, clica em links duvidosos, abre arquivos anexos ou executa programas anexados. Os programas costumam ser do tipo “.exe”, “.scr” e “.zip”. Muitas vezes o usuário está baixando um tipo de arquivo (como um jogo ou um cartão virtual) e nem percebe que o programa malicioso está sendo baixado ao mesmo tempo.
  • Ao executar programas ou clicar em links estranhos, o computador do usuário pode ser infectado com vírus, trojans e outros programas de monitoração. Desta forma o fraudador consegue fazer um primeiro contato com o usuário.
  • Por esses motivos, é muito importante manter o antivírus sempre atualizado e não abrir e-mails de remetentes desconhecidos ou com arquivos suspeitos. Se uma pessoa conhecida lhe enviou um anexo, confirme com essa pessoa se ela realmente enviou o e-mail antes de abri-lo.

2- Obtenção da informação

Depois de infectado, o computador do usuário passa a ser monitorado pelo fraudador sem que o usuário saiba. Dessa forma, o fraudador pode obter dados sigilosos do usuário de duas formas:

  • O usuário tenta acessar o site do banco, mas o fraudador encaminha o usuário para um site falso, porém parecido com o do banco – conhecido como trojan ou “cavalo de tróia”. Neste site falso, são pedidos dados pessoais do usuário, como CPF e senhas do banco. Se o usuário inserir estas informações, o trojan as envia para o fraudador.
  • Uma outra forma de atuação do fraudador é quando o usuário acessa o site verdadeiro do banco e digita sua conta e senha, um trojan salva as teclas digitadas pelo usuário e envia esses dados para o fraudador. Desta forma, o fraudador poderá obter os dados pessoais do usuário.

3- Ocorrência da Fraude

  • Com os dados do usuário em mãos, o fraudador pode realizar transações bancárias no nome do usuário sem que o usuário fique sabendo. Conseqüentemente, o usuário poderá ter o seu dinheiro tirado de sua conta.
  • Quando um trojan é detectado no seu computador, deve-se contatar um técnico de confiança para fazer a retirada do arquivo e manutenção do computador. Ou então o próprio usuário pode efetuar os procedimentos de remoção deste programa, se estiver familiarizado com a utilização do computador.
  • Se você recebeu e-mails duvidosos ou de pessoas que não conhece, apague-os sem os abrir. Caso você tenha recebido um email ou tenha acessado o site do seu banco e tenha dúvidas sobre a veracidade do site ou e-mail, não continue o acesso.

Outras informações acesse o site do Banco Itaú ou a Cartilha de Segurança do Registro.br http://cartilha.cert.br/dicas/

Segurança é questão importante em condomínios

Moradores devem colaborar e seguir as regras do prédio.

Morar em condomínio já foi sinônimo de segurança, mas hoje não é bem assim.

Para diminuir os riscos, o jeito é redobrar a atenção. Todos precisam cuidar para que os condomínios sejam lugares seguros, pois a responsabilidade não é só do porteiro.

Na Vila Matilde, Zona Leste da capital, os 120 moradores têm uma preocupação em comum – a segurança. “O importante é segurança.

Temos que ter uma segurança porque em todo lugar está preocupante”, diz o aposentado Paulo Pressalto.

Para tentar inibir os assaltos, o condomínio conta com equipamentos de segurança como cerca elétrica, câmeras, sensores de movimento e grades. “Isso dá mais segurança para o morador. Nós pensamos que isso pode inibir a ação de algum ladrão ou algo assim”, completa o consultor de negócios Fernando Suzuki.

Os equipamentos são muitos, mas o morador também precisa colaborar.

Por uma questão de custo, durante o dia não fica ninguém na guarita.

Na entrada de pedestre funciona um porteiro eletrônico onde só entra quem tem a chave ou com autorização de quem está dentro do prédio.

Já para entrar na garagem cada morador recebe um controle remoto.

Multa para portão aberto
Esquecer o portão aberto custa caro. “Pode chegar a custar em torno de R$ 2 mil se esquecer um portão aberto. Já aconteceu duas vezes.

Dois moradores acabaram esquecendo”, relata o síndico Erick Viterbo. A multa foi aprovada em assembléia para evitar que o descuido de uma pessoa deixe vulnerável todo o sistema de segurança do prédio.

O morador que comete imprudências que podem provocar sérios acidentes também é punido, com a mesma multa salgada. Afinal, pensar em segurança não é só se preocupar com criminosos. “A pessoa colocar vaso numa área de varanda, onde pode cair e machucar alguém; jogar uma bituca de cigarro que pode botar fogo no apartamento debaixo”, explica Viterbo.

Em outro condomínio no Jardim Alzira, região de Interlagos, Zona Su, são duas torres, 200 apartamentos e quase 700 moradores. Uma empresa de segurança foi contratada para fazer o controle na guarita e garagem, por isso tem sempre alguém de olho nas imagens registradas pelas 16 câmeras do prédio. Quando o morador chega em casa aciona o controle remoto do portão e um sistema eletrônico avisa o porteiro quem está chegando.

Com um fluxo tão grande de pessoas e de veículos, cada detalhe faz a diferença para manter a segurança de quem vive e trabalha no prédio.

Estranhos não entram, a não ser que a isso esteja bem avisado e documentado. “Pra prestação de serviço existe uma ficha que o morador tem que preencher e entregar na portaria alguns dias antes. No dia que o prestador chegar o porteiro vai identificar direitinho a empresa”, conta a sub-síndica Patrícia Pestana.

Para o especialista em segurança em condomínios, Hamilton Saraiva, a proteção do condomínio está baseada em três pontos. Mão de obra especializada e treinada, equipamentos e o condômino. Esses são os três pilares que devem trabalhar num sincronismo perfeito.

Caso qualquer um desses tenha falha, você está gerando risco na segurança. O morador deve seguir as regras e colaborar com a segurança do condomínio.”

Fonte: G1

Central de Flagrante agiliza atendimento já no primeiro dia

Vinte minutos. Esse foi o tempo levado em média para o registro de ocorrências na Central de Flagrante da 7ª Delegacia Seccional (Itaquera), na zona leste. O modelo, que começou a funcionar nesta segunda-feira (04), faz parte de um pacote de mudanças do novo sistema de gestão da Polícia Civil nas delegacias da Capital. Para o diretor do Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap), Carlos José Paschoal de Toledo, o balanço do primeiro dia é positivo. “Os novos serviços funcionaram bem e foram poucos problemas diante da magnitude das mudanças”.

A Central de Flagrante passa a ser responsável pelo registro das ocorrências em estado de flagrante delito (prisões ou termos circunstanciados), inclusive o registro de captura de procurados da Justiça e atos infracionais. Todos os agentes operacionais – policiais civis, policiais militares, guardas civis e demais – encaminharão as informações, documentos, indícios, provas e pessoas detidas até a sede da Central de Flagrante, onde, após análise técnico-jurídica exclusiva do delegado de polícia, será determinado o registro.

“Trata-se de uma instância para onde são levadas as ocorrências de flagrantes para que os policiais militares sejam liberados mais rápido. E também para que as delegacias de polícia possam ter um tempo maior para esclarecer os crimes e aprimorar o seu poder investigativo”, disse a delegada titular da 5ª Seccional (Leste), Elisabete Ferreira Sato Lei.

Segundo a delegada, os benefícios são extensos e serão usufruídos por todas as partes, principalmente pela comunidade. “Se uma eventual vítima precisa registrar um boletim de ocorrência e um flagrante já tiver sido iniciado, ela teria que aguardar. Com todos os flagrantes sendo concentrados em um mesmo lugar, a população será a principal beneficiada, já que as delegacias ficarão exclusivamente para o atendimento ao público”, informa a titular.

Além disso, as unidades policiais com centrais de flagrantes terão entradas separadas para a população e para as autoridades que estejam apresentando flagrantes. As pessoas que forem detidas pela polícia serão levadas diretamente para centrais de flagrantes, onde permanecerão até a transferência para unidades da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP).

O procedimento evita o deslocamento desnecessário dos presos, além de permitir economia de combustível, viaturas e ofícios, além de reduzir a demanda por exames de corpo de delito, necessário quando os presos são transferidos de unidade.

As Centrais de Flagrante possibilitam também que o policial militar volte mais rápido para a rua para trabalhar no policiamento ostensivo preventivo. “As Centrais permitem ouvir primeiro o policial e expedir um recibo de que o preso foi apresentado. Dessa forma, ele pode retornar mais rápido para as ruas. Todos saem ganhando”, complementa Sato.

Agilidade e eficiência – O policial militar Luciano de Oliveira, da 2ª Cia do 51º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (BPM/M), foi o primeiro oficial a apresentar uma ocorrência na Central de Flagrante da 5ª Delegacia Seccional (Leste). No início da tarde, o PM flagrou o desempregado G.P.S., de 22 anos, vendendo drogas na rua São Caetano de Campos, no Parque São Jorge, na zona leste da Capital. Foram apreendidos 70 frascos de cocaína e 12 papelotes de maconha.

A ocorrência foi registrada rapidamente na Central de Flagrante. “Em nove anos que eu tenho de Polícia Militar, nunca tive um atendimento tão rápido e eficaz como o de hoje. Eu apresentei o preso e o material apreendido, então, o delegado autorizou que eu voltasse para o patrulhamento”, disse.

Para o policial, o novo modelo de gestão vai descongestionar os distritos policiais e agilizar os o registro de flagrantes. “As pessoas que precisarem registrar alguma ocorrência nas delegacias não vão mais precisar esperar o registro de flagrantes que levam tempo para serem apresentados”.

Elson Natário – SSP

Segurança: o prevenido colabora consigo e com a polícia

Com a chegada do inverno, a Polícia Militar preparou uma operação especial que será realizada 01 e 31 de julho, nos principais destinos turísticos do estado, nessa época de inverno. Serão 1.100 policiais distribuídos entre as cidades de Campos do Jordão, São Bento do Sapucaí e Santo Antonio do Pinhal.

Mesmo com o reforço do policiamento, a Polícia Militar recomenda a participação de todos para que se previnam de situações consideradas de risco. Vamos conhecê-las?

Dicas de segurança:

- Evitar estacionar veículos em locais ermos ou pouco iluminados;

- Evitar deixar objetos de valor no interior dos veículos, principalmente em locais visíveis;

- Prestar atenção à presença de guardadores de veículos, pois nem todos os municípios possuem esse serviço de forma cadastrada;

- Respeitar as regras de trânsito e sinalização viária;

- Estimular e praticar o respeito no trânsito, para evitar acidentes e confusões e tornar a prática de dirigir algo prazeiroso;

- Ao sair de casa, verificar se está trancada e se não foram deixados objetos de valor à mostra;

- Ao retornar, verificar se as condições externas em que foram deixadas a residência são as mesmas;

- Desenvolver com vizinhos de confiança o hábito de se ajudarem mutuamente na segurança de seus imóveis, informando horários de retorno e números de telefones para contato em caso de alguma irregularidade;

- Evitar deixar objetos de valor à mostra;

- Ao efetuar saques, preferir caixas eletrônicos que ficam no interior de estabelecimentos comerciais;

- Evitar sacar grandes quantias em dinheiro;

Além de seguir essas orientações, é importante que a população não hesite em chamar a polícia militar pelo telefone 190 ou até mesmo se valer do número 181, do Disque Denúncia, para informar algo errado.

Sala de Imprensa da PMESP (com adaptações)

Férias de Julho: Em Sorocaba programa permite que viajantes avisem policiais militares sobre temporada longe de casa

Esta é uma tentativa de combater a criminalidade no mês de julho. Além de avisar aos vizinhos, é importante não esquecer de apagar as luzes. Segundo a Polícia Militar, deixar as luzes acesas acaba chamando a atenção dos bandidos.

Fonte: Bom Dia São Paulo (30/06/2011)

Sistema de registro de ocorrências em delegacias de SP é restabelecido

Interrupção programada no sistema aconteceu na manhã desta quarta.
Acesso à delegacia eletrônica não foi prejudicado.

Do G1 SP

O sistema de registro de ocorrências em delegacias do estado de São Paulo foi restabelecido na manhã desta quarta-feira (29) após ficar fora do ar para manutenção, de acordo com a Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo (Prodesp).

A parada do sistema estava prevista para ocorrer entre 5h e 7h. A empresa aguardava, por volta das 8h30, um relatório técnico para precisar o horário exato em que o sistema voltou a funcionar.

A interrupção, desta vez, foi programada, diferente do que aconteceu no início de junho, quando uma instabilidade derrubou o sistema entre a noite do dia 7 e a manhã do dia 8.

A interrupção não prejudicou o acesso à delegacia eletrônica, no site da Secretaria da Segurança Pública. Durante o período de manutenção, quem precisou registrar um boletim de ocorrência teve que procurar uma unidade da Polícia Militar.

População está registrando mais ocorrências, diz polícia

Uma sociedade mais próxima da polícia, o aumento do número de notificações e o trabalho contínuo das polícias Civil e Militar foram alguns dos pontos destacados pelo comandante geral da Polícia Militar, coronel Álvaro Batista Camilo e pelo delegado geral da Polícia Civil, Marcos Carneiro Lima, sobre os dados estatísticos mensais de criminalidade divulgados nesta segunda-feira (27), pela Secretaria da Segurança Pública.

Em maio, o número de homicídios dolosos voltou a cair no estado: foram registradas 337 mortes intencionais, 29 a menos que em maio de 2010. De janeiro a maio, a quantidade de crimes contra a vida caiu 14,63%, de 1.982 casos, nos primeiros cinco meses de 2010, para 1.692 este ano – 290 casos a menos. Alguns fatores importantes para a diminuição do índice de homicídios, de acordo com o comandante geral da PM, foram “o aumento da fiscalização e combate às drogas, ao álcool e a apreensão de armas”.

Pelo quinto mês seguido, o número de mortes intencionais ficou abaixo de 10 por grupo de 10 mil habitantes/ano, índice considerado não epidêmico pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A taxa de homicídios dos primeiros cinco meses no estado é de 9,73/100 mil.

Aumento de notificações

O delegado geral de Polícia Civil e o comandante da Polícia Militar acreditam que a sociedade está mais consciente da importância do registro da ocorrência para que, assim, as polícias preparem ações de combate à criminalidade.

Somente na Delegacia Eletrônica, o número de ocorrências saltou de 11.860 ocorrências em janeiro deste ano, para 15.858 em maio. Também a partir deste ano, as unidades da Polícia Militar passaram a registrar boletins de ocorrência de furto de veículo, desaparecimento ou encontro de pessoas, furto e extravio de documentos, furto e perda de celular e furto ou perda de placa de veículos.

Segundo Marcos Carneiro, o aumento do número de notificações pode ser atribuído ao acréscimo de 10,05% dos casos de furtos. “A população não comunicava todos os furtos à polícia. Com a melhora da notificação, a tendência é que esse número cresça e isso será benéfico porque, a partir dos dados, a polícia vai fazer um trabalho mais eficiente de combate a esses crimes”, explicou.

Quanto mais as pessoas registram um crime, mais dados as polícias têm para planejar estratégias de segurança pública. O coronel Álvaro Camilo revelou que a Polícia Militar já está mapeando os locais onde existiram maior incidência de furtos e roubos de veículos para realizar operações de prevenção.

As estatísticas são utilizadas no planejamento operacional das policiais e para tomada de decisões do Governo na área de segurança. Os dados ajudam, por exemplo, na distribuição de recursos humanos, tecnológicos e materiais.

Elson Natário e Vivian Goltl – SSP