Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Archive for the ‘ Notícias ’ Category

Delegados pedem PF forte e alertam: ‘Não há política de segurança pública’

Em carta ao ministro da Justiça, sindicato da corporação aponta ‘falta de recursos e quadros reduzidos’ e sugere que Polícia Federal opere aos moldes de FBI americano, com requisição de outras forças policiais e parceria direta com a Abin

Original por – Fausto Macedo – O Estado de S.Paulo

Em carta ao ministro José Eduardo Martins Cardozo (Justiça), delegados da Polícia Federal expõem ansiedades e aflições da classe e colocam à mesa uma pauta de metas e ações que reputam vitais para o futuro da corporação. O documento “PF e a segurança pública” foi produzido pelo Sindicato dos Delegados da PF em São Paulo, Estado onde a corporação detém maior contingente de homens.


Beto Novaes – Novembro/2002

Missão. Policiais da Operação Cobra em pista clandestina na Amazônia: abandono da ação cria “situação caótica”, diz documento

São cinco páginas nas quais os delegados pontuam medidas para o combate ao crime organizado. A carta não guarda um gênero hostil, nem de cobranças. Adota uma linha de sugestões, distribuídas em nove capítulos.

Alguns aspectos são abordados com maior preocupação e intensidade – falta de recursos, quadros reduzidos, as fronteiras extensas e desprotegidas e necessidade de valorização da área de inteligência para ampliar o cerco a fraudadores do Tesouro, narcotraficantes e o mercado negro de armas.

“Não existe no Brasil uma política de segurança pública, o que enfraquece e desvirtua a atuação do Estado no combate ao crime organizado”, assinala o texto, formalmente subscrito pelo delegado Amaury Portugal, presidente do sindicato e diretor regional da Associação Nacional dos Delegados da PF.

Embora não preparado pela administração geral da PF, o documento expressa pensamentos e pleitos da maioria dos delegados, mesmo daqueles que não são ligados ao sindicato. Os federais ressaltam que sua pretensão é alertar o governo para pontos vulneráveis da instituição que tem a missão constitucional de combater a corrupção e desvios de recursos públicos.

“O ideal seria que a PF tivesse poder de requisição de contingentes de outras forças policiais e militares para execução de operações, como ocorre com o FBI (a polícia federal dos EUA) que, inclusive, pode avocar qualquer procedimento policial em todo o território americano”, propõem.

“A troca de informações e inteligência entre as várias forças, inclusive a Agência Brasileira de Inteligência, deveria ser centralizada na PF que atuaria como base estratégica para operações conjuntas em todo o País”, recomendam. “Sem medidas contundentes, enérgicas e bem coordenadas envolvendo todas as forças, logo poderemos conviver com Estados paralelos, dominados pelo crime organizado.”

Ação conjunta das polícias para ocupação do Complexo do Alemão, no Rio, é citada. “Somente a integração e o planejamento operacional de várias forças, inclusive Exército, Marinha e Aeronáutica, possibilitou a tomada dos morros cariocas. Sem uma base única doutrinária e de planejamento nunca manteremos essa escalada contra o crime.”

Abandono. Falam do “abandono” dos federais de fronteiras – em novembro, dois agentes em uma lancha sem blindagem da PF foram fuzilados por traficantes peruanos em um afluente do Amazonas. “Os policiais que trabalham nessas regiões estão completamente abandonados, sem cobertura de contingentes das forças militares que deveriam estar sob requisição da PF. Situação é caótica.”

Os federais mencionam a Operação Cobra, desencadeada em 2000 para o combate permanente na Amazônia contra o tráfico e a guerrilha colombiana. “A PF contou com o apoio do governo americano, com ajuda financeira de US$ 12 milhões e a compra de avião e helicóptero. Até 2007, atuavam na Cobra 120 policiais federais, hoje 20 agentes estão nessa operação.”


Balanço

Número de operações da Polícia Federal e de prisões cresceram durante o governo do ex-presidente Lula (2003-2010)

1.273
foi o total de operações realizadas pela PF durante os oito anos do governo Lula

270 operações foram deflagradas em 2010 e resultaram em 2.734 prisões
58
operações foram deflagradas em 2003/2004, com 926 prisões

15.754 prisões, no total, foram feitas entre 2003 e 2010

1.882 servidores públicos e 99 policiais federais estavam entre os presos nas operações da PF no mesmo período

Três oficiais da reserva da PM tomam posse hoje; contando todas as regionais e secretarias, já são 78 policiais na administração municipal

Paulo Saldaña – O Estado de S.Paulo

A presença da Polícia Militar continua em expansão na Prefeitura de São Paulo. Mais três subprefeituras da cidade – Casa Verde, na zona norte, Pirituba-Jaraguá, zona oeste, e Guaianases, na zona leste – vão passar para o comando de coronéis da PM partir de hoje. Das 31 administrações regionais, atualmente 16 titulares são da reserva da PM.

A expansão dos policiais militares não se restringe aos principais cargos das subprefeituras. Outros três oficiais assumem no mesmo dia como chefes de gabinetes dessas regionais. Com a movimentação desse começo de ano, já são 20 oficiais na chefia de gabinete e 23 em posições de segundo escalão, como coordenadorias de planejamento e desenvolvimento urbano ou de projetos e obras.

Dos novos três coronéis subprefeitos, apenas Robert Eder Neto, que será o titular em Guaianases, integra pela primeira vez a administração municipal. Neto, de 51 anos, foi diretor de Logística da PM, comandou o policiamento de Osasco e região, na Grande São Paulo e teve uma longa atuação na Corregedoria até entrar para a reserva no ano passado. “Tenho conhecimento do serviço público em virtude de 36 anos na polícia”, disse ele, que visitou duas vezes a subprefeitura de Guaianases nesta semana para “tomar pé da situação”.

Indicação. O coronel assume a gestão de um local pobre, onde estão bairros como o Jardim Romano, que no ano passado sofreu com inundações, em alguns casos, em áreas invadidas. “A região é carente, faz parte da nossa atividade coibir novas invasões.” De acordo com Neto, o convite para o cargo deve ter partido da indicação dos próprios oficiais que já atuam na Prefeitura – uma vez que ele afirma não ter ligação direta com o secretariado ou com o prefeito Gilberto Kassab (DEM).

O novo subprefeito de Pirituba-Jaraguá, o tenente-coronel Sérgio Carlos Filho, era chefe de gabinete da Subprefeitura Jaçanã-Tremembé desde maio. Ingressou na administração municipal em 2009 na coordenadoria de administração e finanças da Subprefeitura de Perus. Já o coronel Airton Nobre de Mello era chefe de gabinete da Casa Verde e assume agora como seu titular. Ambos preferiram não falar antes de assumir.

Fardados. As mudanças envolvendo oficiais da PM incluem a transferência do coronel Fernando de Souza Brito da chefia de gabinete da Subprefeitura de Guaianases para a de Pirituba-Jaraguá. Ao todo, 57 oficiais aposentados trabalham nas subprefeituras. Contando as vagas em outras secretarias da administração municipal, os policiais já chegam a 78. Já há mais oficiais da reserva trabalhando na administração municipal que coronéis na ativa – são 61 atualmente na Polícia Militar em todo o Estado. Eles só assumem a vaga depois que passam para a reserva.

Em um ano, o total de oficiais da reserva exercendo a função de subprefeito se multiplicou por cinco e o número de policiais na máquina municipal dobrou. A Prefeitura argumenta que o critério de escolha dos policiais militares é exclusivamente sua capacidade gerencial.

O emprego dos coronéis nas subprefeituras ocorre paralelamente à mudança de papel das subprefeituras realizada pela atual gestão. Kassab voltou a centralizar a administração, diminuindo o orçamento e tarefas das regionais. Cabe às subprefeituras atualmente cumprir tarefas de zeladoria, serviços de tapa-buraco e cortes de vegetação.

PARA ENTENDER -Estratégia surgiu após escândalo

A estratégia de usar quadros da PM na Prefeitura teve início em julho de 2008, com a indicação do coronel Rubens Casado para a Subprefeitura da Mooca. Casado foi para a administração um dia depois do escândalo de propinas envolvendo fiscais e camelôs.
Para tentar diminuir a sensação de desordem e melhorar a eficiência dos serviços de zeladoria, a presença da PM se disseminou rapidamente. A parceria se intensificou quando, em 2009, a gestão criou a Operação Delegada (conhecida como “bico oficial”).

Fuga milionária

SÃO PAULO – A polícia da Argentina pediu ajuda para a Polícia Federal do Rio Grande do Sul para auxiliar nas investigações de um assalto a uma agência do banco argentino Província, em Buenos Aires, durante o feriado do Ano Novo, informou o órgão brasileiro nesta quinta-feira, 6.

Fuga milionária

Os argentinos e a Interpol entraram em contato com a Polícia Federal após analisar que o roubo – estimado em US$ 6,8 milhões – foi feito de forma semelhante ao do grupo que tentou roubar agências do Banrisul, em 2006. Há a suspeitas de que integrantes da quadrilha que tentou roubar o banco brasileiro tenham participado do crime na Argentina.

Além de ter reforçado o trabalho na delegacias na fronteira com a Argentina, a Polícia Federal disse que encaminhou material sobre as investigações da época da tentativa de roubo do Banrisul aos órgãos estrangeiros.

Na época, dos presos na operação, 11 foram removidos para penitenciárias de outros estados, cinco estão em liberdade, sete estão foragidos, três continuam presos no Rio Grande do Sul e dois foram mortos.

Na Argentina, o bando alugou uma casa em julho de 2010, de onde começou a cavar o túnel que levou os criminosos até os cofres do banco. Uma pizzaria vizinha à agência filmou o momento da fuga da quadrilha.

As autoridades argentinas investigam se houve negligência policial no caso. Os alarmes da agência roubada dispararam nos dias 23, 29, 30 de dezembro e outras duas vezes na madrugada do dia 2. Apesar das advertências, os policiais só fizeram inspeções externas, enquanto os ladrões saqueavam 136 cofres de argentinos com alto poder aquisitivo.

“A polícia não respondeu aos alarmes. Claramente, houve um erro”, declarou o presidente da instituição, Guillermo Francos. Segundo ele, os agentes enviados para o local pensaram que vibrações do metrô podiam ter ativado sensores antissísmicos e também jogaram a culpa nas reformas que a pizzaria vizinha está realizando.

Os policiais e a empresa de segurança particular contratada pelo banco estão na mira do promotor responsável pelo caso, Martín Niklison.

Estadão de hoje . Bme lgal

Durante assalto, arma falha e suspeito é preso por PM

Fonte G1

Borracheiro tentou disparar três vezes na direção de policial.

Trio que estava com o homem escapou levando R$ 200 de padaria.

Um policial militar prendeu na noite de segunda-feira (3) um borracheiro suspeito de assaltar uma padaria na Avenida Papa Pio XII, em Guarulhos, na Grande São Paulo. Segundo a Secretaria da Segurança Pública, antes de ser preso o borracheiro tentou atirar no PM, mas a arma falhou.

O policial havia acabado de sair do trabalho e resolveu entrar na padaria. Ainda fardado, ele chamou a atenção de quatro homens armados que haviam anunciado o assalto. Ainda de acordo com a SSP, o PM percebeu o que se passava e da porta do estabelecimento, pediu para que o grupo se entregasse.

Segundo o relato do policial, o borracheiro mirou em sua direção e puxou o gatilho de um revólver calibre 38 três vezes. A arma, porém, não funcionou e o homem acabou sendo preso. Foram apreendidos, além da arma, R$ 60 que estavam com o suspeito. Seus três comparsas conseguiram fugir levando R$ 200. Eles são procurados pela polícia.

Quadrilha é presa em flagrante após invadir casas de alto padrão no Ibirapuera

Notícia original A Tribuna

Três rapazes foram presos em flagrante na manhã deste domingo após invadirem duas casas de alto padrão no Jardim Luzitânia, na região do Ibirapuera. Os moradores das residências tinham viajado.

De acordo com a Polícia Militar, o furto tinha sido planejado com antecedência. Na sexta-feira  e no sábado, os rapazes foram até as casas para ver se os moradores estavam em casa.

A polícia foi acionada por um vizinho que observou o momento em que os três entraram em uma residência e estacionaram o carro dentro da garagem. Eles invadiram também uma casa vizinha. Ao lado do carro, foram encontradas joias e um cofre.

Quando a polícia chegou, eles fugiram pulando o muro de casas vizinhas. O caso foi encaminhado ao 36º Distrito Policial.

Estupradas demoram para buscar médico, é comum engravidarem e não poderem abortar.

Simone, 27, foi estuprada a caminho do trabalho. Carmem, 28, indo para a casa de uma amiga. Mara, 42, quando voltava de um posto de saúde. Taís, 18, estava em um parque. Karina, 29, em casa.

Mulheres contam sobre dificuldade em pedir ajuda após estupro. Em comum, essas mulheres também compartilham o fato de terem engravidado por falta de um atendimento médico imediato após o estupro. A anticoncepção de emergência, se usada até 72 horas após a relação sexual, pode evitar a gravidez.

Um estudo inédito do Hospital Pérola Byington mostra que essa é a realidade de 88,9% das grávidas vítimas de estupro atendidas em um projeto da instituição Bem-Me-Quer, que oferece ajuda médica e psicológica, informa reportagem de Cláudia Collucci, publicada na edição desta segunda-feira, da Folha. (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL).

Para o ginecologista Thomaz Gollop, coordenador do Grupo de Estudos sobre Aborto, as mulheres ainda não têm noção de seus direitos e temem procurar ajuda.

‘Há também uma questão vinculada à vergonha que impede a mulher de revelar a violência praticada contra ela. Quando engravidam, escondem a gravidez e só procuram assistência quando ela é claramente evidente.’

Foram avaliadas 936 mulheres ao longo de 15 anos do projeto: 65% optaram pelo aborto. O restante (326) não fez o procedimento porque não houve aprovação para o aborto (60,7%) ou porque a gestante desistiu de interromper a gravidez.

Segundo a psicóloga Daniela Pedroso, a maioria dos casos de não aprovação (39%) do aborto ocorreu em razão de a idade gestacional estar acima da prevista pelo serviço de saúde –após a 22ª semana de gravidez ou com o feto pesando mais do que 400 gramas.

Fonte: Folha de São Paulo

Quadrilha invade casa e faz idosos reféns na zona sul de SP

Fonte – Estadão

SÃO PAULO – Quatro ladrões armados invadiram uma residência e renderam um casal de idosos e seu filho em Indianópolis, zona sul da capital, por volta das 22 horas de segunda-feira, 13. Após fazer uma devassa em todos os cômodos da casa, a quadrilha fugiu no Citröen C4 Pallas das vítimas levando computadores, televisores, joias, bebidas, roupas e outros pertences. Os moradores, além de um vigilante de rua e uma empregada também rendidos, foram imobilizados com lacres plásticos nos pulsos.

A dentista aposentada Luísa, 70 anos, que preferiu não revelar o sobrenome, estava na cama vendo televisão quando um homem mascarado invadiu o quarto e apontou a arma para sua cabeça. O marido, de 75 anos e também aposentado, escovava os dentes no banheiro do casal e, ao gritar por socorro, foi agredido. “Eles levaram tudo: roupas, perfumes, faqueiro, bebidas, celulares. Diziam que eram profissionais”, contou Luísa.

Segundo ela, os ladrões usaram uma chave mixa para abrir o portão da garagem e entraram pela cozinha da residência, na Alameda dos Anapurus, nº 180. A porta que dá acesso ao segundo andar, onde ficam os quartos, foi arrombada. “Durante a ação eles se comunicavam por rádio com alguém que estava do lado de fora”, contou. É a segunda vez em dois anos que a residência da família é assaltada – na primeira, criminosos aproveitaram a chegada do filho para invadir o local. “Quero me mudar daqui”, disse Luísa. Aos moradores, o vigilante afirmou que viu os ladrões tentando abrir o portão e, quando se aproximou, foi rendido.

Luísa disse que a Polícia Militar demorou 40 minutos para chegar à residência após ser acionada e, até a madrugada de terça-feira, 14, a perícia ainda não havia aparecido. “Este lugar está cheio de impressões digitais dos bandidos”, disse. “A Constituição diz que segurança é um dever do Estado. Só se for estado de coma”, criticou.

A Polícia Militar, por meio de sua assessoria, informou que chegou ao local 6 minutos após ser acionada e que em casos de roubo consumado cabe às vítimas ir à delegacia registrar a ocorrência. Os moradores disseram que estavam emocionalmente abalados e que só iriam à delegacia na manhã desta terça-feira.

Quadrilhas organizadas miram residências

Levantamento da Secretaria de Segurança Pública mostra aumento de roubos elaborados a residências e prédios.

Matéria original no Estadao.com.br

Roubos sofisticados por região
Entre 1º de janeiro de 2008 e 30 de junho de 2009, foram registrados 223 roubos classificados como sofisticados, diz a Secretaria de Segurança pública. O ‘roubo sofisticado’ é aquele em que a invasão da casa ou prédio conta com 2 ou mais assaltantes usando armas, disfarces ou outros métodos que indiquem um mínimo de organização. A região sul é a que registra mais casos.

Horário dos roubos
Os bandidos mais organizados agem mais de manhã, enquanto os semiamadores atacam mais à noite.

Disfarces mais usados
O disfarce de carteiro é o preferido entre os bandidos (19 casos registrados). Uma dica de segurança para evitar a abordagem é confirmar a origem da encomenda com o remetente ou com a prestadora de serviço.

Arrastões em condomínios
O crescimento no número de casos de arrastão em condomínios em relação ao ano passado levou à decisão da Secretaria de Segurança Pública de criar uma delegacia especializada em apurar esses delitos.