Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

‘Do jeito que está, campus é terra de ninguém’, diz reitor da USP

20/05/2011 09h21 – Atualizado em 20/05/2011 10h19
Rodas defende maior presença da PM dentro da universidade.
Insegurança é problema que USP enfrenta há anos, diz reitor.

Letícia Macedo
Do G1 SP

O reitor da Universidade de São Paulo (USP), João Grandino Rodas, afirmou na manhã desta sexta-feira (20) que espera que, depois do assassinato de um aluno da Faculdade de Economia e Administração (FEA), o Conselho Gestor, que se reúne nesta manhã, proponha medidas que possam ser tomadas imediatamente para coibir a violência no campus. Rodas é favorável à intensificação das rondas da Polícia Militar no campus. Felipe Ramos de Paiva, de 24 anos foi assassinado no estacionamento da FEA na noite de quarta-feira (18).

“Quando tomei posse há 15 meses, eu disse em uma entrevista e muitos acharam absurdo e eu repito: do jeito que está o campus da Universidade de São Paulo é terra de ninguém. Essa morte, que é algo extremamente lamentável, é algo que não era imprevisível”, declarou. Segundo Rodas, criminosos aproveitam para agir dentro do campus porque sabem que a Polícia Militar não entra na universidade.

“A universidade se compromete até por escrito que não apóia, obviamente, a repressão a colocações, movimentos e à explanação do pensamento, quer individual ou coletivo, de estudantes, professores ou de funcionários. Entretanto, há que se permitir que haja, em um local tão grande e tão perigoso, a possibilidade de uma visita várias vezes ao dia e à noite da Polícia Militar”, disse Rodas.

O reitor afirmou que uma minoria “muito ativa e muito barulhenta” é contrária à entrada de policiais militares no campus, mas que ele espera que mudem sua opinião depois do assassinato do estudante. “Espero que sim, mas acho que nós precisamos de um trabalho grande da imprensa e da opinião pública porque aquilo não é um ente separado, não é um estado à parte”, declarou.

Rodas disse que a insegurança é um problema que a universidade enfrenta há muitos anos. “A questão da insegurança no campus aumentou ultimamente, mas é algo recorrente há muitos anos. Faz parte da problemática de todas as grandes cidades”, afirmou.

Atualmente, a segurança do campus que tem aproximadamente 400 quadras é feita por 130 seguranças patrimoniais, que não dispõem de armamento. Durante o dia, o controle de entradas de pessoas e veículos é livre.

Assista a entrevista: http://g1.globo.com/videos/bom-dia-brasil/v/reitor-da-usp-fala-sobre-o-primeiro-latrocinio-da-usp/1514052/#/Edições/20110520/page/2

  1. Nenhum comentario ainda

  1. Nenhum trackback ainda.