Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Botão de Pânico

Restaurante tem até botão de pânico contra arrastão

Vigias disfarçados, câmeras que captam imagens no escuro e até botão do pânico. O esquema de segurança não é de nenhum banco ou joalheria. São os donos de restaurantes da cidade de São Paulo se preparando para enfrentar a onda de arrastões. Hoje, Dia dos Namorados, a atenção vai ser redobrada nos estabelecimentos.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) – que hoje deve receber representantes de grupos de bares e restaurantes para discutir o problema – determinou que a PM reforce a segurança na área de bares e restaurantes hoje (leia mais abaixo). Desde o início do ano, houve 16 assaltos a bares e restaurantes na capital, segundo levantamento feito pelo JT.

Para evitar se tornar parte da lista, várias casas reforçaram a segurança. Caso um ladrão entre no restaurante My Temaki, no Itaim-Bibi, zona sul, funcionários podem avisar por um alarme, diretamente ligado a uma central de monitoramento.

“Hoje a tecnologia permite que se use um botão do pânico móvel, que parece um chaveiro de carro e aciona a central”, diz um dos sócios do restaurante, Guilherme Defillipi. Inaugurado neste ano, o restaurante Lupercio, nos Jardins, nasceu equipado.

“A gente já estava nessa onda de arrastão”, diz o sócio Carlos Martignago. O local tem 16 câmeras, algumas com zoom. “Assim, é possível focar o rosto das pessoas”, afirma. Além disso, o restaurante tem dois tipos de segurança, um deles a paisana.

No restaurante Salvattore, no Itaim-Bibi, é possível flagrar os criminosos mesmo em um eventual apagão. É que, entre as câmeras do estabelecimento, algumas são de visão noturna. “Nós achamos que isso é um problema de segurança pública. Mas o restaurante tem tomado algumas medidas, diz o gerente Claudio Nogueira.

Prejuízo
Donos de estabelecimentos afirmam que o movimento caiu cerca de 15 % neste ano, mas o frio também pode ter influenciado. E o faturamento de hoje, geralmente 30% maior do que em um dia normal, também pode ser afetado, avaliam. Com medo dos roubos, o restaurante Casa Cardoso, em Perdizes, zona oeste, nem vai abrir para a data.

No restaurante Le Vin, no Itaim-Bibi, zona sul, até ontem à noite o número de reservas estava abaixo do ano passado: 60% das mesas, contra 100% em 2011, disse o maître Alcemir Lima, de 32 anos. Já no restaurante Mercearia do Francês, o maître Cledson Guimarães diz que os clientes, desde o início da onda de arrastões, estão fechando a conta uma hora mais cedo, por volta das 22h.

Essa situação fez com que vários estabelecimentos já tenham procurado a PM para pedir aumento no patrulhamento mesmo antes do governador anunciar o reforço no policiamento para o Dia dos Namorados. O Mercearia do Francês foi um deles. “Há um mês os policiais aumentaram as rondas e começaram a entrar no restaurante para ver se está tudo bem”, disse Guimarães

Alvos estudados
Para o consultor de segurança José Vicente da Silva, ex-secretário nacional de Segurança Pública, os criminosos que atacam restaurantes costumam estudar os alvos com antecedência. “Eles procuram fazer uma ação rápida para conseguir um benefício minimamente adequado e com o menor risco possível.”

Artur Rodrigues, Felipe Tau, Gio Mendes, Tatiana Gerasimenko, Tiago Dantas e Valéria França

Ladrões levam dez horas para roubar banco na Avenida Paulista

Quadrilha revirou e roubou 170 cofres de clientes.
Ladrões levaram dinheiro, joias e relógios de clientes.

Do G1 SP, com informações do Jornal da Globo

Uma quadrilha roubou dinheiro e joias de uma agência do banco Itaú, na Avenida Paulista, em São Paulo, em um roubo que começou no sábado (27) e terminou na manhã do domingo (28). A ação demorou dez horas. Só oito dias depois o caso veio à tona.

Para invadir a agência, eles quebraram uma porta de vidro. Dois homens entraram primeiro e dominaram um segurança. Outros dez assaltantes desceram até o subsolo do prédio.

A polícia já sabe que o alarme estava desligado e que os ladrões desligaram o botão de pânico, que poderia ser usado pelo vigilante para alertar a segurança.

Durante dez horas a quadrilha estourou os cofres. Segundo a polícia,170 cofres foram abertos e revirados. Dentro das gavetas havia dinheiro e objetos de valor. Uma caixa vermelha com joias foi deixada no chão.

Nem o banco e nem os clientes que alugavam os cofres informaram, em detalhes, o que foi roubado. A informação que chegou à policia é de que o prejuízo foi milionário.

O boletim de ocorrência consta que a ação começou dia 27 de agosto, um sábado, às 23h50, e só terminou domingo de manhã. A direção do banco não quis falar sobre o roubo.

Nesta segunda-feira (5), três clientes que alugavam cofres procuraram a polícia. Um homem, que não quer ser identificado, é cliente antigo do banco. Ele mantinha objetos de grande valor em um cofre. “Eu tinha joias de família, coleção de relógios, pedras de negociação que tinham há muitos anos”, disse.

Assista a matéria: http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2011/09/quadrilha-rouba-milhoes-em-dinheiro-e-joias-de-banco-em-sao-paulo.html