Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Cofres

Governo quer nova lei para vigilância privada

O Ministério da Justiça está prestes a finalizar a proposta de um novo Estatuto da Segurança Privada, para regular a atividade em bancos, shoppings e estádios, no transporte de valores e na escolta armada, incluindo a regulamentação da segurança eletrônica. O número de vigilantes privados no Brasil já é maior que o de policiais. São 600 mil atuando legalmente, enquanto o contingente somado das polícias federal, civil e militar é de 500 mil no país inteiro.

As 2 mil empresas de segurança que atuam hoje no Brasil movimentam cerca de R$ 32 bilhões ao ano, segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de Vigilância (Abrevis). Paralelamente, há o segmento de segurança eletrônica, que fornece serviços como câmeras, alarmes e controles de acesso – que movimentou sozinho R$ 3,6 bilhões no ano passado. A segurança privada tende a crescer ainda mais com a participação em grandes eventos, como a Copa do Mundo, outro ponto que o novo estatuto deve abordar.

Apesar do tamanho do setor, a legislação sobre segurança privada (Lei 7.102) em vigor atualmente, de 1983, é considerada ultrapassada. “Existe um número muito grande de pessoas trabalhando com segurança privada, mas o perfil da área mudou muito”, diz o secretário de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça, Marivaldo Pereira.

O Ministério da Justiça entrou na fase final de discussões com os setores envolvidos e pretende encaminhar ao governo, em breve, uma minuta de projeto de lei sobre a segurança privada. O texto passará por debates internos e, depois, a Presidência da República encaminhará uma proposta final ao Congresso. Segundo Pereira, as carreiras relacionadas à área e requisitos mínimos de segurança ainda precisam ser definidos.

Uma das inovações esperadas é a regulação das empresas de sistemas eletrônicos de segurança – mais especificamente, o segmento responsável pelo monitoramento desses sistemas, como o acompanhamento de sinais de alarmes e imagens a distância, que hoje não está sujeito a nenhum tipo de fiscalização. “São centrais de inteligência que detêm informações confidenciais do cliente”, explica a presidente da Federação Interestadual de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Fenabese), Selma Migliori.

O segmento, que reúne cerca de 18 mil empresas, também passaria a ser controlado pela Polícia Federal, como já ocorre com o setor de segurança privada em geral. Se não estiverem acompanhados do monitoramento de informações, a venda e instalação de equipamentos eletrônicos de segurança ficariam de fora.

Outra novidade prevista no estatuto é a criminalização da exploração de serviços de vigilância clandestina – o responsável seria o dono da empresa que atuar ilegalmente, e não o vigilante. O presidente da Confederação Nacional dos Vigilantes, José Boaventura Santos, dá a dimensão do problema: ele estima que mais de 2 milhões de vigilantes atuem no país de forma irregular, sem controle da PF.

“É um exército clandestino de pessoas armadas”, diz Santos, apontando que em muitos casos esse tipo de serviço é feito por policiais. “Em alguns lugares, chega ao extremo de virar milícias.”

O novo estatuto incluirá também requisitos mínimos de segurança para as instituições financeiras, como o número de trabalhadores exigido em cada agência bancária. Associações representativas de trabalhadores defendem a obrigatoriedade de equipamentos como portas de segurança com detector de metais.

O critério de formação dos vigilantes nos cursos autorizados pela PF também passará por alterações, com previsão de aumento na carga horária. Os vigilantes formados e cadastrados na PF já são mais de 2 milhões, embora o número de profissionais em atividade regular seja de 600 mil.

Também está em debate o aumento do capital mínimo para a constituição de empresas de segurança, atualmente em cerca de R$ 100 mil. “Hoje, qualquer um pode montar uma empresa de segurança. Com o aumento de capital, haveria um fundo para ser usado em caso de necessidade, aumentando as garantias trabalhistas”, sugere José Jacobson Neto, presidente da Abrevis.

A entidade reúne 200 associadas e contratou para atuar como diretor-executivo o ex-diretor geral da Polícia Federal e da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) Paulo Lacerda. A Abrevis defende a criação de um Sistema Nacional de Segurança Privada, com a participação do poder público e de entidades patronais, laborais e tomadores de serviços de segurança privada, além de um Conselho Consultivo para formular políticas na área.

A atuação das empresas de segurança privada no Brasil é controlada pela Polícia Federal. Elas precisam de alvará específico para funcionar, renovado anualmente. Os vigilantes são formados em cursos autorizados pela PF e passam por uma reciclagem a cada dois anos. Entre as exigências está a ausência de antecedentes criminais.

A segurança privada em geral se limita à atuação “intramuros”, ou seja, da calçada para dentro de um imóvel. A função de vigiar as ruas é exclusiva da polícia. Os vigilantes podem atuar nas vias públicas em casos específicos, como na escolta de cargas e no transporte de valores.

Eles também fazem cursos específicos para usar armas. Mas em lugares com grande número de pessoas, como em grandes eventos, se recomenda que estejam desarmados. Os vigilantes não detêm o porte das armas, que é da empresa de segurança. Depois do expediente, os equipamentos têm que ser guardados nas empresas, dentro de cofres.

Por Maíra Magro – Valor Econômico

Bandidos furtam equipamentos de luz da Ponte Estaiada

Prejuízo aos cofres públicos é de R$ 1 milhão.
Canhões de luz foram roubados no dia 9 deste mês.


Equipamentos de luz da ponte estaiada, no Brooklin, na Zona Sul de São Paulo, foram furtados. O prejuízo aos cofres públicos é de R$ 1 milhão. O crime aconteceu no dia 9 deste mês, mas só foi informado pela polícia nesta quinta-feira (19).

O roubo dos canhões de luz aconteceu quando a ponte estava preparada para as comemorações do Ano Novo Chinês, comemorado no dia 7. A iluminação que deixava a estrutura vermelha estava programada para ficar ligada durante uma semana.

Foram levados 94 projetores modernos com lâmpadas de led. Os técnicos registaram boletim de ocorrência e a polícia que está investigando o caso.

A Prefeitura da capital paulista informou ainda que os equipamentos furtados ficavam embaixo de uma coluna de sustentação da ponte, dentro de uma caixa com grade de ferro, que foi arrombada.

Fonte: G1

Dupla gastou 14 minutos em assalto a casa de câmbio de Congonhas

Ladrões levaram R$ 250 mil na noite desta terça-feira.
Polícia Civil analisa imagens de câmeras do aeroporto da Zona Sul de SP.

Renato Jakitas
Do G1 SP

A Polícia Civil analisa nesta quarta-feira (4) as imagens do assalto a uma casa de câmbio Cotação que opera dentro do Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo, na noite desta terça (3). A tentativa é identificar os dois criminosos que entraram armados, fizeram três funcionários reféns, e levaram cerca de R$ 250 mil dos cofres.

Os assaltantes levaram 14 minutos para chegar e sair do aeroporto. Segundo a polícia, chama a atenção a facilidade que tiveram, principalmente na forma como acessaram o interior da casa de câmbio, que dispõe de um sistema de “clausura” – duas portas até o interior, sendo que uma delas só se abre quando a outra é fechada. No momento do assalto, o sistema não operava adequadamente.

“O que chama a atenção foi a relativa facilidade que tiveram acesso à casa de câmbio. A casa tem todo um aparato de segurança. Os funcionários são orientados a seguirem essas linhas de segurança, mas, curiosamente, ontem [terça-feira], esse aparato foi quebrado”, disse o delegado Marcelo Palhares, titular da delegacia do Aeroporto de Congonhas.

As imagens gravadas pelas câmeras de segurança do aeroporto mostram dois criminosos vestidos de terno, perucas e portando cada um deles uma mala. Eles chegam ao aeroporto em um automóvel Honda Fit dourado às 21h57. Às 21h59 entram na casa de câmbio e às 22h07 passam pela mesma porta que entraram em Congonhas.

Tudo aconteceu a cerca de 20 metros de um posto da Polícia Militar, que estava vazio no momento do assalto. Os dois PMs que ficam de plantão até as 23h, quando o aeroporto encerra suas atividades, faziam uma ronda do lado externo, segundo o capitão da 1ª Companhia do 12º Batalhão da PM, Ednilson Staff, responsável pelo policiamento em Congonhas.

Polícia identifica 11 envolvidos em roubo a agência bancária na Paulista

Investigações apontaram que a ação foi planejada por cerca de um ano e contou com a colaboração do vigia do banco
SÃO PAULO – Onze pessoas envolvidas no roubo aos cofres da agência do Banco Itaú, na Avenida Paulista, na zona sul de São Paulo, em agosto passado, foram identificados pela polícia, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP). Outros dois suspeitos, funcionários de empresas prestadoras de serviço à instituição financeira, estão presos.

As investigações apontaram que a ação foi planejada por cerca de um ano e contou com a colaboração do vigia do banco. Os envolvidos montaram um esquema com conhecimento das instalações, no trabalho de demolição e na destinação dos objetos levados.

De acordo com a SSP, um funcionário do banco conseguiu mudar um dos códigos e desligou o sistema de segurança, permitindo a invasão das dependências dos cofres e o arrombamento de pouco mais de 160 unidades. Tudo com a colaboração do vigia da noite, que facilitou a entrada do grupo no banco.

Fonte: Estadão

Preso bando que torturava vítimas

Por Camilla Haddad – Jornal da Tarde

Com requintes de crueldade, uma quadrilha assaltava casas em áreas nobres da zona sul, jogava álcool no corpo das vítimas e ameaçava atear fogo caso elas não indicassem a localização dos cofres. Segundo a polícia, desde abril, pelo menos dez residências foram atacadas dessa forma. Três homens estão presos acusados de cometer os crimes e outros quatro estão foragidos. O caso foi apresentado ontem pelo Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic).

A estimativa dos investigadores é que os assaltantes praticavam até quatro roubos por semana. Quando saíam dos residências, os ladrões seguiam para a casa, na Favela Alba, na zona sul, e vendiam todos objetos de valor para a comunidade, entre eles televisores, DVDs, joias, roupas de grife e notebooks a preços bem menores do que realmente valiam. O comércio era feito de porta em porta, segundo contaram os policiais civis.

O bando agia nos bairros do Campo Belo, Jabaquara, Moema e Jardim Aeroporto. Preferiam horários em que os donos das casas saíam para trabalhar, entre 6h e 7h. Existem relatos de abordagens no retorno do trabalho, às 19h. A escolha de cada vítima era feita após um dos integrantes do bando fazer observações da rotina dos moradores – qual carro tinha e horário que entrava na casa.

Na lista de vítimas, está um casal de alemães moradores do Campo Belo. Depois de entrarem na casa às 6h, cinco assaltantes renderam uma mulher de 77 anos e o marido, de 88. Para intimidar, apagaram todas as luzes e usavam uma lanterna para identificar os bens da família. Na mesma região, uma aposentada de 93 anos foi ameaçada de morte caso o genro dela, de 63 anos, não entregasse joias e dinheiro.

O delegado Francisco Solano de Santana, da Delegacia de Repressão a Roubos e Extorsões, explica que o suspeito mais perigoso e violento, tido como o líder do bando, está entre os detidos. Gerson Roberto dos Santos, o Coelho, tem 26 anos, foi capturado em 11 de agosto, após trocar tiros com a Polícia Militar em um roubo.

Ele já chegou a ser reconhecido por duas vítimas porque tinha um detalhe diferente dos comparsas: usava aparelho nos dentes. Além dele, também estão presos Rodrigo Bispo da Silva, de 29, e Ricardo Araujo Correia, de 39. Os dois foram pegos em 14 de setembro após um crime em um imóvel no Campo Belo.

Dos dez boletins de ocorrência registrados no 35º DP (Jabaquara) e 27º DP (Campo Belo), duas vítimas reconheceram o grupo. Segundo o delegado, a ação dos assaltantes é tão violenta que as vítimas têm medo de fazer o reconhecimento por causa do trauma. Normalmente os ameaçados eram os idosos e crianças. “Fazemos um apelo para que as vítimas nos procurem”, disse Solano.

Polícia recupera parte de joias levadas do Itaú na Paulista e prende um

Segundo o Deic, ainda foram achadas libras esterlinas e pedras preciosas.
Assaltantes ficaram cerca de dez horas em agência e abriram 170 cofres.
Do G1 SP

Libras foram encontradas na casa da namorada do preso (Foto: Divulgação/Deic)

Parte das joias roubadas durante o assalto aos cofres da agência do Banco Itaú na Avenida Paulista foi localizada na noite desta quinta-feira (15) por policias do Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic) da Polícia Civil de São Paulo. Além das joias, 10.840 libras esterlinas, pedras preciosas, uma ferramenta para cortar metais e um carro, uma Montana, também foram apreendidos pelos policiais.

Segundo a polícia, as joias estavam com um pedreiro, de 29 anos. O irmão dele, um cabeleireiro de 45 anos, é suspeito de participação no roubo e está foragido. As joias e o dinheiro encontrados estavam na casa da namorada do pedreiro em Embu da Artes, na Grande São Paulo. Ele foi detido na Zona Norte da capital. Segundo a polícia, o pedreiro afirmou que as joais foram roubadas dos cofres da agência do Itaú na Avenida Paulista.

Delegado afastado
Na quinta-feira (15), o secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, e o delegado-geral de Polícia, Marcos Carneiro Lima, afastaram o titular do 69º Distrito Policial de São Paulo, Ruy Ferraz Fontes. Fontes abriu um inquérito na delegacia, que fica na Zona Leste da capital, distante da Avenida Paulista, para investigações relacionadas ao roubo do Itaú.

A Corregedoria da Polícia Civil vai apurar a forma de atuação do delegado, segundo a secretaria, “em relação aos crimes noticiados pelo Banco Itaú em áreas de outros distritos policiais”. O delegado ficará à disposição da Delegacia-Geral de Polícia. Além disso, a Corregedoria também apura “os desencontros” ocorridos entre o 78º Distrito Policial, que fica na região onde ocorreu o roubo, e o Departamento de Investigação sobre o Crime Organizado (Deic), “que retardaram o início das investigações”, segundo nota da secretaria.

Ladrões levam dez horas para roubar banco na Avenida Paulista

Quadrilha revirou e roubou 170 cofres de clientes.
Ladrões levaram dinheiro, joias e relógios de clientes.

Do G1 SP, com informações do Jornal da Globo

Uma quadrilha roubou dinheiro e joias de uma agência do banco Itaú, na Avenida Paulista, em São Paulo, em um roubo que começou no sábado (27) e terminou na manhã do domingo (28). A ação demorou dez horas. Só oito dias depois o caso veio à tona.

Para invadir a agência, eles quebraram uma porta de vidro. Dois homens entraram primeiro e dominaram um segurança. Outros dez assaltantes desceram até o subsolo do prédio.

A polícia já sabe que o alarme estava desligado e que os ladrões desligaram o botão de pânico, que poderia ser usado pelo vigilante para alertar a segurança.

Durante dez horas a quadrilha estourou os cofres. Segundo a polícia,170 cofres foram abertos e revirados. Dentro das gavetas havia dinheiro e objetos de valor. Uma caixa vermelha com joias foi deixada no chão.

Nem o banco e nem os clientes que alugavam os cofres informaram, em detalhes, o que foi roubado. A informação que chegou à policia é de que o prejuízo foi milionário.

O boletim de ocorrência consta que a ação começou dia 27 de agosto, um sábado, às 23h50, e só terminou domingo de manhã. A direção do banco não quis falar sobre o roubo.

Nesta segunda-feira (5), três clientes que alugavam cofres procuraram a polícia. Um homem, que não quer ser identificado, é cliente antigo do banco. Ele mantinha objetos de grande valor em um cofre. “Eu tinha joias de família, coleção de relógios, pedras de negociação que tinham há muitos anos”, disse.

Assista a matéria: http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2011/09/quadrilha-rouba-milhoes-em-dinheiro-e-joias-de-banco-em-sao-paulo.html

Principal vitrine latino-americana do setor de segurança privada Exposec acontece entre 24 e 26 de maio

Após a solenidade de abertura no dia 24.04, às 13h00, serão divulgados números atualizados do setor de segurança eletrônica no Brasil no ano de 2010.
De acordo com levantamentos da organização a edição de 2010 movimentou aproximadamente R$ 125 milhões em negócios, e em 2011 a expectativa é que o setor vai crescer 14 %.

Realizada pela Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (ABESE) e organizada pelo Grupo Cipa, a 14ª edição da Exposec (Feira Internacional de Segurança) será realizada entre os dias 24 e 26 de maio de 2011 no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo.
Com entrada franca, o evento tem como objetivo apresentar novidades, antecipar tendências, gerar negócios e, principalmente, difundir conhecimentos e atualização para quem atua neste mercado.

“A cada ano, a Exposec consegue superar as expectativas atuando como o ponto de encontro e de fortalecimento do mercado. Este é um segmento que reserva grandes oportunidades de negócios e muitas possibilidades de crescimento e nesta ocasião, o setor consegue reafirmar ainda mais seu potencial, principalmente por conta dos eventos esportivos inéditos que serão realizados no Brasil e demandarão um olhar muito mais atento à questão da segurança preventiva, por meio de dispositivos eletrônicos e monitoramento urbano inteligente”, afirma Carlos Alberto Progianti, presidente nacional da ABESE. Já em 2010 observamos um incremento de 10% no setor, principalmente pela necessidade cada vez maior de apoiar estrategicamente o combate da criminalidade e auxílio na identificação de crimes e suspeitos, tanto privado, em eventos públicos de grandes dimensões, ligados também à infraestrutura geral como em aeroportos, rodoviárias e vias públicas, complementa.

Na feira deste ano, estarão presentes mais de 600 empresas de mais de 15 países que serão visitadas por mais de 34 mil pessoas durante os três dias. A expectativa é superar o número de visitantes e também os negócios gerados em 2010, que foram de cerca de R$ 125 milhões. A edição 2011 será a maior de todas, ressalta José Roberto Sevieri, presidente do Grupo CIPA.

Com mais de 600 expositores, a feira espera movimentar aproximadamente R$ 135 milhões em negócios. Segundo o presidente do Grupo CIPA, José Roberto Sevieri, o evento reafirmou a importância de reunir em um único local empresas especializadas dos mais variados países. Essa edição comprova que o mercado está aquecido e mostra também que o público está interessado em inovações. Para a edição 2011 certamente esperamos resultados ainda melhores, conclui.

Os números da Exposec acompanham o aquecido mercado de Sistemas Eletrônicos de Segurança. Nos últimos dez anos, o mercado vem crescendo com taxas médias de 13% anualmente, embora o potencial seja ainda maior. De um total de 6,18 milhões de imóveis com possibilidade de receber sistemas de alarmes monitorados, apenas pouco mais de 11% desse total ou 710 mil imóveis são monitorados no país, número distribuído entre as grandes e pequenas empresas de monitoramento do mercado que vem registrando significativo crescimento nos últimos três anos.

Abrangente e completa, a 14ª Exposec reunirá em seu espaço empresas que atuam com diversos gêneros da segurança eletrônica, como: centrais de monitoramento, centrais perimétricas, circuitos fechados, controle de acessos, detecção de incêndio, fechaduras de segurança, portas de segurança, dentre outras. Além disso, a feira também contemplará entidades e companhias que atuam com segurança pessoal e patrimonial, cofres, transporte de valores e veículos blindados.

SERVIÇO
Exposec – XVI Feira Internacional de Segurança Eletrônica
Local:
Centro de Exposições Imigrantes – Rodovia dos Imigrantes Km 1,5 – São Paulo (SP)
Dias: 24 a 26 de maio
Horário: das 13h às 20h
OBS: Também será oferecido diariamente transporte gratuito (ida e volta), saindo da Estação Jabaquara do Metrô (Rua Nelson Fernandes, 400 – ao lado do terminal de ônibus)

* Mais informações pelo telefone: (11) 3294-8033 e (11) 5585-4355 ou pelo site:  www.exposec.tmp.br