Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Destino

Grupo furta bagagens no aeroporto de Cumbica

Fabiano Nunes – JT
A Polícia Civil do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, na região metropolitana, montou uma operação para investigar o furto de bagagens na chegada dos voos ao aeroporto. É apurada a participação de funcionários de companhias aéreas e de empresas terceirizadas que prestam serviço de transporte de malas entre a pista e o setor de desembarque.

Só no ano passado foram registrados 1.249 furtos em Cumbica. Uma média de 113 casos por mês, que inclui todos os crimes dessa natureza ocorridos no terminal. A polícia não forneceu os números específicos dos furtos no desembarque. Em julho de 2011 quatro funcionários de empresas terceirizadas foram presos acusados de participar do esquema. Na casa deles, segundo a polícia, foram localizadas mercadorias furtadas. Mas a “Operação Bagagem” investiga outros funcionários.

Em dezembro, a delegacia do aeroporto registrou, em só um voo, vindo da Espanha, 25 boletins de ocorrência de malas violadas. “Nossa maior dificuldade é saber onde ocorreu o crime: no embarque ou durante o desembarque”, explicou a delegada Larissa Caldara Prado de Andrade.

Segundo ela, em Cumbica, os grupos agem em pontos onde não há monitoramento por câmeras. “Eles aproveitam para furtar dentro do carrinho que leva a mala da aeronave para o terminal. Mas também agem dentro do porão do avião, onde não há monitoramento.”

O ataque é rápido e conhecido como “cesariana”. O funcionário usa uma caneta para abrir o zíper da mala. “Com essa técnica, eles não deixam vestígios de arrombamento, pois conseguem depois fechar a mala como se nada tivesse acontecido”, detalha a delegada. Um vídeo no site You Tube mostra como o ataque é feito. “O melhor é verificar seus objetos após retirar a bagagem na esteira”, recomenda a delegada. “Mas o passageiro deve fazer de tudo para dificultar a violação. Usar cadeado, lacre da empresa aérea e mesmo envolver a bagagem com um plástico protetor, pode fazer com que o criminoso evite atacar. Pois ele não demora muito para furtar.”

O técnico de alimentos Eder Azevedo, de 28 anos, que trabalha para uma construtora em Angola, decidiu “envelopar” suas bagagens com um plástico, antes de embarcar em Cumbica, para evitar furtos. “Anteontem, quando cheguei de Caracas (Venezuela), recebi minha mala sem o cadeado e uma parte dela danificada. Não tive tempo de abrir. Só vou descobrir se algo foi furtado quando chegar em Angola. Mas nesta mala só tem roupas”, relatou.

Segundo a Polícia Civil, os voos mais visados são os vindos de Miami, nos Estados Unidos, e Buenos Aires, na Argentina. “Os voos com conexão também são bastante atacados. No momento em que os funcionários transferem a bagagem de um avião para outro. E o pior é que o passageiro só vai saber que foi furtado quando chega em seu destino” disse a delegada.

O presidente do sindicato dos aeroviários de São Paulo, Reginaldo Alves de Souza, disse que já houve casos também no Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital. Até novembro foram registrados 299 furtos no local, 27 por mês. “Pedimos para que as empresas façam uma triagem dos antecedentes criminais dos funcionários”, disse o sindicalista. Segundo ele, cerca de 8 mil funcionários trabalham nas pistas dos aeroportos de Cumbica e Congonhas. “O ideal é que as empresas sejam mais rigorosas na saída do funcionário do aeroporto”, pediu Souza.

A Polícia Civil disse que o próximo passo será identificar como os produtos furtados saem do aeroporto. “Os funcionários que trabalham na pista passam por um raio X quando saem do turno. Ainda não temos ideia de como tiram os objetos do aeroporto”, disse a delegada. “Uma possibilidade é que utilizem carros autorizados a entrar na pista para sair do aeroporto com os objetos”, diz.

Passageiro deve verificar malas
A TAM disse que em caso de violação, danos ou extravio com a bagagem, o passageiro deve procurar um de seus funcionários antes de deixar a sala de desembarque. De acordo com a empresa, dessa maneira fica caracterizado que o problema ocorreu dentro do aeroporto.

Segundo o procedimento da companhia, o funcionário deve registrar a ocorrência através de um relatório de irregularidade de bagagem (RIB). A TAM diz que caso a mala ou objeto não sejam encontrados num prazo de 24 horas após a abertura do relatório, a companhia oferece o auxílio emergencial.

O prazo para indenização é de 30 dias, conforme o Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA), para os casos de irregularidades. Para os casos de bagagem extraviada, a companhia tem 30 dias para realizar as buscas e a partir do 31.º dia deve enviar a proposta de indenização para o passageiro.

A indenização da mala ou do objeto do cliente é baseada em legislações vigentes, de acordo com a viagem realizada: nas domésticas, o código vigente é o CBA; nas internacionais, o que vale é a Convenção de Montreal. De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a convenção restringe a responsabilidade da empresa aérea em US$ 20 (cerca de R$ 36) por quilo de bagagem extraviada.

A TAM ressaltou que qualquer tipo de queixa deve ser feita no ato do desembarque. A empresa não se responsabiliza por reclamações posteriores. A companhia recomenda ao passageiro levar dinheiros, joias, objetos frágeis e artigos eletrônicos como bagagem de mão. A TAM informou ainda que trabalha com as autoridades para minimizar os casos de violação de bagagens.

A Gol também recomendou a verificação da bagagem no desembarque. Segundo a empresa, a não manifestação de irregularidades neste momento pressupõe que a bagagem está em perfeitas condições. A companhia destacou que em caso de indenizações também segue a legislação. As empresas não comentaram casos específicos de furtos.

A Rota dos explosivos

Como agem os grupos criminosos que explodem e assaltam caixas eletrônicos pelo País.

Caixas eletrônicos se tornaram a menina dos olhos da bandidagem brasileira. Um furto bem-sucedido pode render em torno de R$ 200 mil reais por cofre violado. Se o dinheiro é fácil, os meios para consegui-lo são ainda mais.

A falta de controle do mercado de produtos explosivos permite que grupos criminosos levem aos ares terminais de auto-atendimento de Norte a Sul do País e revela uma deficiência grave na estrutura de segurança nacional.

Três caixas eletrônicos são violados por dia no Estado de São Paulo. Em um terço dessas ocasiões, os ladrões utilizam explosivos, técnica capaz de neutralizar os dispositivos antifurto que queimam e mancham as notas.

Nos primeiros nove meses de 2011, foram informados 727 ataques pela Secretaria de Segurança Pública paulista e a incidência é cada vez maior em cidades do interior.

Na madrugada de quinta-feira 24, em Atibaia, por exemplo, seis homens armados explodiram um caixa eletrônico em um posto de gasolina.

Na capital paulista, as ocorrências diminuíram após a prisão de 13 policiais militares que davam cobertura para os furtos.

“Prendemos somente na capital outros 48 criminosos que formavam várias quadrilhas”, diz Rodolfo Chiarelli, delegado de repressão a roubo de bancos do Departamento de Investigação do Crime Organizado de São Paulo.

Mas o problema está longe de se restringir ao Estado mais rico do Brasil, já que no mesmo período a polícia registrou diversas ocorrências no Paraná, em Mato Grosso, em Santa Catarina e na Bahia.

“Quando surgiram os primeiros casos aqui no Nordeste nós aumentamos a qualidade do nosso sistema de segurança, mas não depende apenas da gente”, afirma Carlos Avellar, diretor da fábrica de explosivos Elephant, com sede em Pernambuco.

O mercado de explosivos tem regulamentação do Exército, que autoriza a fabricação, o armazenamento e a compra do material no País. As empresas são registradas na Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados, subordinada ao Comando de Logística do Exército. Mas a falha de controle sobre o destino dos explosivos comercializados legalmente facilita a ação dos criminosos. Nem as polícias civis de cada Estado nem o Exército contam com estruturas adequadas para fiscalizar o uso desses materiais.

A consequência direta é a de que boa parte do material usado nos furtos tem origem em depósitos de fabricantes, pedreiras, construtoras e empresas de demolição. O material chega aos bandidos por meio de assaltos e por desvios realizados por funcionários desses locais, a chamada lavagem de explosivos.

“Um sujeito pode comprar 100 quilos e desviar parte desse material, sem a menor dificuldade para revender a criminosos a um preço muito baixo”, informa o especialista em segurança Ricardo Chilelli, presidente da RCI First.

Na semana passada, policiais de Santa Catarina finalizaram a Operação Rastro, que prendeu 19 pessoas acusadas de realizar furtos a caixas eletrônicos em cidades litorâneas do Estado. Duas delas são empregados de pedreiras acusados de desviar explosivos para as quadrilhas.

“A raiz do problema é a liberdade excessiva nesse setor. A fiscalização tem que aumentar”, diz o delegado Daniel Régis, de Caçador (SC), que comandou a operação.

Outros mananciais dos criminosos são as estradas. “Entre 2009 e 2010, a quantidade de explosivos roubados subiu de 390 quilos para duas toneladas por ano”, informa o pesquisador criminal Jorge Lordello.

Relatório do Exército informa que 1,06 tonelada de emulsão de nitrato de amônia e TNT em gel foi subtraída de pedreiras e de obras em execução nas estradas durante o ano de 2010, volume 170% superior a 2009, além de 11,7 quilômetros de cordel detonante e 568 espoletas.

Os criminosos utilizam a chamada emulsão, TNT em gel, de maior estabilidade e mais fácil armazenamento que a dinamite. A banana do explosivo se assemelha uma salsicha branca e é usada em 70% desses furtos.

Diante do volume de casos que aumenta a cada dia no País, um grupo de trabalho foi criado em São Paulo, com participação de representantes dos organismos de segurança pública e dos bancos, que deve contar também com o Exército, para elaborar um plano que tenha como objetivo diminuir a fragilidade do setor de explosivos no País.

“Todos os elementos, como novas tecnologias, gerenciamento de riscos, policiamento adequado e punições severas para os criminosos, estão diretamente relacionados”, afirma Bruno Morgado, presidente da South American Surveyors, empresa que presta consultoria na área de gerenciamento de risco. Ou, então, os bandidos continuarão a usar bombas como senhas nos caixas eletrônicos.

Fonte: Revista Istoé SP – Novembro/11, pgs 70/71

Cumbica: 20 malas por dia têm objetos furtados no aeroporto

Como as falhas na segurança e o descaso das companhias aéreas transformaram o aeroporto no alvo perfeito para ladrões de bagagem
Segurança, Vida Urbana – Eduardo Duarte Zanelato – Revista Época

Logo que desembarcou no Aeroporto Internacional de Guarulhos, na tarde de 13 de outubro, a estudante Amanda Nadal, de 21 anos, prostrou-se diante da esteira de bagagens para pegar as quatro malas que trazia de uma viagem aos Estados Unidos. Ela e a mãe, Silvia, voltavam da Disney após dez dias de diversão e compras. Traziam roupas novas, souvenirs – e encomendas.

Levaram dinheiro de amigos para comprar um iPad, seis perfumes, dois pares de tênis e dois relógios. Quando chegaram em casa, abriram a mala que trazia os produtos novos e não notaram qualquer avaria no zíper ou no cadeado. Ficaram surpresas ao não encontrar o iPad, os perfumes, os tênis e os relógios que haviam colocado ali. Alguém abrira a mala com cuidado, sem danificá-la, e furtara os objetos.

O crime aconteceu enquanto a bagagem estava sob tutela da companhia aérea, a TAM, e dentro de uma área de acesso restrito do aeroporto, controlada por câmeras e policiais federais. Ninguém viu nada, tampouco as câmeras registraram o furto. Amanda e a mãe tiveram um prejuízo de US$ 1,9 mil. Constrangidas, tiraram dinheiro do bolso para ressarcir os amigos que haviam feito encomendas. Agora, cobram a TAM na Justiça.


Casos assim acontecem ao menos quatro vezes por dia. Essa é a média de boletins de ocorrência registrados na delegacia da Polícia Civil no aeroporto. Uma estimativa não oficial de quem acompanha a questão de perto, porém, prevê que ao menos 20 furtos de bagagem sejam cometidos diariamente dentro de Cumbica. A suspeita de autoria dos crimes recai sobre quem trabalha nas áreas restritas. Época SÃO PAULO ouviu quatro funcionários de empresas que prestam serviço de pista no aeroporto. Todos confirmaram, em diferentes graus de detalhamento, a ocorrência de “crimes da mala” em Cumbica. “Esse negócio de furto de bagagem aqui no aeroporto é uma doença”, afirma um dos funcionários.

“Isso aqui, patrão, é uma caixa de Pandora”, diz outro.
Depois de um período de queda nos últimos três anos, a onda de furtos em Cumbica voltou a crescer nos últimos meses. No final de setembro, o músico Chico Pinheiro, de 35 anos, voltava de Miami num voo da American Airlines. Estava feliz por ter se apresentado e gravado parcerias com colegas dos EUA. Pretendia usar as imagens no DVD que lançará em 2012. Com sua melhor guitarra como bagagem de mão, ele se viu obrigado a despachar a câmera numa mala em que carregava outros equipamentos. A câmera foi furtada junto com alguns deles.

Além do prejuízo estimado em US$ 2 mil, Pinheiro ficou sem as imagens dos shows, armazenadas no mesmo cartão de memória com tudo o que ele havia filmado nos últimos quatro meses. Desestimulado por familiares e advogados, Chico deixou por isso mesmo. Procurada, a American Airlines não quis comentar o caso.

Os voos com maior incidência de furto vêm de Buenos Aires e Miami, o destino favorito de compras de brasileiros. As companhias aéreas que mais aparecem nos boletins de ocorrência são TAM e American Airlines – as duas que mais voam para essas cidades. Até agosto, 861 vítimas haviam registrado queixa na polícia em Cumbica. Segundo o delegado Ricardo Guanaes Domingues, mais da metade disso representa furtos à bagagem. O número já está próximo das 979 ocorrências de janeiro a dezembro de 2010.