Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Estudantes

Sala de instituto que teve obras roubadas não tinha câmeras

Monitoramento só existia no saguão; polícia já está com as imagens.
Foram levadas 15 obras raras do Instituto de Botânica de São Paulo.

G1 SP

A sala do Instituto de Botânica, na Zona Sul de São Paulo, de onde foram roubadas obras raras nesta quinta-feira (2) não tinha câmeras de monitoramento. A polícia já está com a imagem das câmeras do saguão do instituto, que podem ter registrado os criminosos. Os dois ladrões se apresentaram como estudantes para ter acesso ao espaço onde fica o acervo do instituto, que reúne cerca de 80 mil obras, a maioria sobre botânica.

Para entrar, é preciso se identificar, e a segurança é controlada. Mas isso não intimidou os assaltantes. Eles passaram pela porta principal antes de render vigias e funcionários.

Um dos ladrões começou a conversar com um estagiário do instituto, segundo o bibliotecário Alan Freire de Lima, de 32 anos. “Ele perguntou de um livro sobre como plantar orquídeas, um livro comum. Levantei e fui ajudar a fazer o atendimento”, contou Lima.

Ao retornar para a sala onde fica o acervo, o bibliotecário foi surpreendido. “Um segundo homem, armado, veio atrás de mim e disse: ‘É um crime de encomenda internacional. Me leva para a sala de obras raras agora’. Em seguida, me amarraram. Antes de irem embora, levaram o meu celular”, disse.

Os criminosos levaram 15 volumes de três obras raras, escritas em latim, dos séculos 19 e 20. Os nomes dos livros estavam anotados em um papel, segundo os funcionários. São livros específicos sobre palmeiras e bambus. De acordo com a diretora do instituto, só poderiam interessar a um especialista ou colecionador.

“São livros que não têm nem valor, porque são muito antigos, não têm outra edição, não têm mercado. Nós não imaginaríamos que pudesse interessar bandido comum”, afirmou Vera Bononi.

A diretora disse que, no ano passado, teve acesso a um documento que seria da Polícia Federal. O ofício revela que conversas em um presídio do Rio de Janeiro foram interceptadas e que falavam sobre obras do Instituto de Botânica. A Polícia Civil vai investigar agora se o documento é verdadeiro e tem relação com o roubo desta quinta.

“Já temos alguns informes, os policiais já estão no encalço, já estão em diligências. E tenho certeza que num futuro próximo estaremos já com os autores na mão”, afirmou o delegado Vanderlei da Costa Jr.

Congresso Internacional de Segurança reúne mais de 100 participantes das cinco regiões brasileiras

Tema do congresso foca a evolução do vídeo monitoramento

A Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança – ABESE, atenta aos desafios e oportunidades do setor, promoveu a sétima edição do Congresso Internacional de Segurança-VII CIS, em 24 e 25 de novembro, em São Paulo. O evento reuniu participantes dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Pará, Rio Grande do Norte, Piauí, Paraíba, Alagoas Pernambuco, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Distrito Federal.

Com o tema “A evolução do vídeo monitoramento além da segurança”, o VII CIS – Congresso Internacional de Segurança atraiu cerca de 120 participantes entre empresários, estudantes, associados e parceiros da ABESE.

A abertura do CIS reuniu o presidente da ABESE, Carlos Progianti; o vice-presidente da ABESE, Augustus Von Sperling, a presidente da FENABESE, Selma Migliori; o vice-presidente da ABSEG, Ricardo Tadeu; o Secretário Adjunto da Secretaria Municipal de Segurança Urbana, Ailton Araujo Brandão, e o Deputado Federal Arnaldo Faria de Sá.

O tem escolhido para a sétima edição do Congresso está relacionado a uma significativa parcela do mercado: o setor de sistema de circuito fechado de TV, que representa 40% do mercado de Sistemas Eletrônicos de Segurança, e reflete o momento aquecido pelo qual esse mercado vem passando, além de destacar os desafios, tendências e oportunidades do setor.

No segundo dia do evento os participantes também tiveram a oportunidade de debater os temas de interesse junto aos palestrantes e com a participação do ex-presidente do Banco Central e presidente do Comitê Público Olímpico, Henrique Meirelles.

“Essa edição do CIS reuniu um público de visão e iniciativa interessado na oportunidade de adquirir conhecimento, trocar experiências, tirar dúvidas e gerar negócios, atitudes fundamentais para a evolução do mercado brasileiro de sistemas eletrônicos de segurança”, afirma Carlos Progianti, presidente da ABESE.

Setenta alunos da USP são detidos e serão indiciados por dano ao patrimônio

Fonte: G1

Relação conflituosa entre alunos da USP e polícia existe desde a ditadura

Raiz da desconfiança universitária remonta à década de 1960.
Prisão de estudantes foi estopim para invasão de prédio da universidade.

Paulo Toledo Piza
Do G1 SP

Faixas pedem saída da PM da USP (Foto: Paulo Toledo Piza/G1)

Nos últimos dias, quem passa pelo prédio da administração da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, na Zona Oeste de São Paulo, se depara com faixas e pichações pedindo a saída da PM do campus e o fim da “repressão aos lutadores”. Na porta do edifício, que foi invadido na quinta-feira (27), após confronto com a PM, jovens com os rostos cobertos respondem com desconfiança – e algumas vezes com agressividade – as perguntas feitas por jornalistas.

O clima de temor que paira na Cidade Universitária evidencia uma chaga antiga: a relação conflituosa entre parte do mundo acadêmico e a corporação. Os primeiros grandes atritos ocorreram no período da Ditadura Militar (1964-1985).

À época, a polícia tinha um papel fundamental na manutenção do regime e atuava de forma enérgica contra movimentos “subversivos”. E o ambiente acadêmico, segundo os governantes fardados, era um “celeiro de subversão”. Para conter os movimentos pró-democracia, o governo baixava decretos que davam mais força e poder aos integrantes das forças policiais.

Em fevereiro de 1969, por exemplo, o governo criou o “Decreto-Lei nº 477, elaborado pelo Conselho de Segurança Nacional especialmente para silenciar estudantes, professores e funcionários das instituições de ensino”, segundo a pesquisadora Flávia de Angelis Santana, em sua tese de mestrado intitulada “Atuação política do movimento estudantil no Brasil: 1964 a 1984”.

O decreto proibia qualquer manifestação, passeata ou comício no interior de escolas e universidades públicas e particulares, sob pena de desligamento da faculdade no caso dos estudantes e demissão para professores e funcionários.

Outro fato muito criticado pelo meio acadêmico foi a criação da Assessoria Especial de Segurança e Informações (Aesi). Implantada na USP e em outras instituições de ensino em 1973, essa assessoria tinha como objetivo selecionar os funcionários, colher dados sobre atividades subversivas, levantar informações sobre alunos, entre outros. Ela foi extinta apenas em 1982. Medidas como essas ampliaram o poder das polícias. Invasões de salas de aulas e prisões de professores e alunos, que já eram comuns no período, ganharam força com as medidas.

Desde então, a PM passou a ser vista no campus por parte da comunidade acadêmica como uma entidade repressora, que estava lá para acuar, não para proteger. Com a reabertura política, na década de 1980, a perseguição, assim como a presença da corporação no campus, começou a diminuir. A desconfiança, porém, permaneceu.

A Guarda Universitária passou a atuar de forma mais incisiva na parte ostensiva, combatendo delitos e repassando casos de crimes para a Polícia Civil. A PM voltou a ser vista no campus em junho de 2009. Na época, uma greve de professores e funcionários fez com que o governo enviasse 150 policiais militares à Cidade Universitária. O objetivo dos PMs era cumprir uma reintegração de posse dos prédios que estavam cercados pelos grevistas.

Em 9 de junho daquele ano, uma manifestação contra a PM e a favor de melhorias trabalhistas, que contou com cerca de 800 pessoas, terminou em confronto. Policiais usaram balas de borracha, bombas de efeito moral e gás de pimenta. Um estudante chegou a ser preso por ter jogado pedras nos policiais.

Outro fator decisivo para a polícia voltar ao campus foi o aumento de casos de roubos, furtos, estupros e até mortes. Em 18 de maio último, o estudante Felipe Ramos de Paiva, de 24 anos, foi baleado quando se aproximava de seu carro em um estacionamento da Faculdade de Economia e Administração (FEA). Dois homens presos pelo crime foram indiciados por latrocínio.

Esse crime motivou a formalização, em 8 de setembro, de um convênio entre representantes da universidade e do comando da Polícia Militar. O documento, assinado por Antonio Ferreira Pinto, secretário estadual da Segurança Pública, pelo coronel Álvaro Batista Camilo, comandante do policiamento do estado, e pelo professor João Grandino Rodas, reitor da USP, prevê que em cinco anos a corporação aumente a segurança no campus.

A liderança do movimento afirma que a PM não soluciona o problema de segurança na USP. “Pessoas continuam sendo assaltadas e assediadas pelo campus mesmo com a presença da polícia. Isso demonstra que sua função na universidade é outra. Não é a toa que só o que aumentou foi o número de blitze e os enquadros a estudantes, funcionários e moradores dos arredores da USP”, diz nota dos alunos.

Apesar de o regime democrático perdurar há mais de 20 anos, a presença policial no ambiente acadêmico ainda incomoda estudantes da maior universidade do país.

Barricada instalada em via que leva ao prédio invadido (Foto: Paulo Toledo Piza/G1)

Grupo de meninas faz arrastões na zona sul

PM diz tê-las detido em flagrante 15 vezes; como afirmam ser menores de 12 anos, vão para abrigos, fogem e voltam a agir.

Luísa Alcalde / JORNAL DA TARDE – O Estado de S.Paulo

Um bando formado por pelo menos 15 crianças e adolescentes, a maioria meninas, promove arrastões a pedestres e estudantes e aterroriza o comércio da Vila Mariana, na zona sul da capital paulista.

JF Diorio/AE Av. Domingos de Morais. Abordagens ocorrem mais à tarde e garotas simulam portar armas

JF Diorio/AE Av. Domingos de Morais. Abordagens ocorrem mais à tarde e garotas simulam portar armas

Elas se reúnem na parte externa da Estação Ana Rosa da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), de onde saem em grupo, atacando lojas, além de roubar e ameaçar pedestres na altura do número 700 da Avenida Domingos de Morais, onde há grande concentração de estabelecimentos comerciais.

Na reunião mais recente do Conselho de Segurança (Conseg) da Vila Mariana, ocorrida há uma semana, o capitão Flávio Baptista, comandante da 2.ª Companhia do 12.º Batalhão da Polícia Militar de São Paulo, disse que o grupo já foi detido em flagrante pelo menos 15 vezes. De acordo com Douglas Melhem Junior, presidente do Conseg, essas detenções ocorreram desde outubro. “Só na semana passada, elas foram detidas três vezes.”

Armas
De acordo com o capitão, as meninas simulam portar armas embaixo das roupas, embora nenhum armamento tenha sido encontrado até agora. “Estamos fazendo o que é legal, mas como elas têm 11, no máximo 12 anos, são encaminhadas ao Conselho Tutelar, onde é facultada a vontade ou não de permanecerem nos abrigos. Dali a meia hora, estão nas ruas aprontando novamente.”

Procurado pela reportagem, o Comando de Policiamento Metropolitano não respondeu nem e-mail nem telefonemas. O delegado assistente do 36.º Distrito Policial (Paraíso), Sugui Kendi, afirmou que a delegacia só pode encaminhar para a Fundação Casa adolescentes que tenham cometido ato infracional com 12 anos completos. “Abaixo dessa idade é criança e será encaminhada para o Conselho Tutelar.”

Casos
“De um mês para cá piorou muito. Elas voltaram com tudo. Têm ocorrido de 15 a 20 arrastões por semana”, afirma Michel da Cosa Massi, segurança da Galeria Paraíso, que abriga dezenas de estabelecimentos comerciais. No sábado, o gerente da loja de roupas Simple Store, Luiz Eduardo Ferreira, localizada no número 725 da Domingos de Morais, viu sete das meninas entrarem no local. “Elas iam saindo com uma calça quando uma funcionária puxou a roupa da mão de uma delas”, conta Ferreira.

O Hotel Moraes foi obrigado a fechar uma das entradas porque as meninas invadiam o local e saíam levando roupas, lençóis, travesseiros, tudo o que encontravam pela frente, segundo a recepcionista Lucila Santos Bezerra. As garotas são descritas pelos comerciantes como extremamente agressivas e desafiadoras. “Em uma das prisões, elas arranharam um policial e ameaçaram tirar a roupa na delegacia para simular constrangimento”, conta o presidente do Conseg local, Douglas Melhem Junior.

A comerciante Adriana Augusta Fidalgo Santos, dona da loja de roupas infantis Sapo Perereca, confirma os ataques. “Na segunda-feira da semana passada, saí correndo atrás de uma delas que havia pegado um pijama da minha prateleira. Ela tentou me morder várias vezes e me chutava”, conta.

Na região não há comércio que não tenha sido invadido e sofrido arrastão. Relatos de furtos e roubos são frequentes. A gerente da Raclaudia Modas disse que os lojistas avisam uns aos outros da presença do bando. “Não pode deixar entrar na loja, senão elas barbarizam. Cada uma vai para um lado e pegam o que podem guardar dentro da roupa. São rápidas e xingam a gente, nos ameaçam.”

Impunidade
Os menores de idade que têm praticado atos infracionais ficam impunes sobretudo porque tanto as Polícias Militar e Civil quanto o Conselho Tutelar não sabem, de forma documentada, a idade dos que estão aterrorizando o bairro. Entre as 15 garotas, as conselheiras acreditam que quatro já tenham mais de 12 anos. “São pequenas apenas de estatura porque não têm desenvolvimento normal”, explica uma conselheira, que pediu para não ser identificada.

“Não temos como fazer esse tipo de averiguação. Quem tem de fazer isso é o Conselho Tutelar”, afirma o delegado Kendi. Já as conselheiras dizem não ter como atuar em casos de ato infracional e ressaltam que identificar as crianças e localizar os responsáveis é dever da autoridade policial – quando elas são detidas em flagrante e levadas ao distrito.

DUAS PERGUNTAS PARA…
Thales Cézar de Oliveira, promotor da Infância e Juventude

1. O que a polícia deve fazer quando não há como provar a idade dos infratores que estão atuando principalmente na zona sul?
O correto é a polícia realizar o auto de prisão em flagrante na delegacia e encaminhar os menores para o Fórum da Infância e Juventude (o Conselho Tutelar é a autoridade para atender e aplicar medidas de proteção ao menor de idade autor de ato infracional).

2. E em casos excepcionais, quando não há documentos que permitam definir a idade?
Pode ser exigido laudo para identificar a idade aproximada por meio de raio X do pulso.

Dante: alunos são vítimas de roubo de celulares

Desde o começo do ano, ladrões têm abordado estudantes em áreas próximas do colégio; 9 de Julho é a rota de fuga

27 de junho de 2011
Luísa Alcalde – O Estado de S.Paulo

Alunos do Colégio Dante Alighieri, nos Jardins, zona sul de São Paulo, têm sido vítimas de ladrões de celulares que agem nas proximidades da escola. Por causa dos ataques, muitos estudantes passaram a andar em grupo.

Um dos suspeitos dos crimes costuma seguir os adolescentes nas Alamedas Lorena, Casa Branca, Franca, Itu, Jaú e na Rua Oscar Freire. Até agora não foi relatado uso de arma. Os criminosos abordam os garotos e exigem que entreguem o celular. Há casos em que eles revistam os bolsos dos estudantes. A maioria foge pela Avenida 9 de Julho.

O publicitário Emílio Iacavini, de 42 anos, viu, da varanda de seu apartamento, o filho de 15 anos ser atacado por um adolescente há dois meses. “Ele falava com a mãe quando um rapaz se aproximou, arrancou o telefone da mão dele e saiu em direção à 9 de Julho”, afirma. Ele ligou para a escola. “Falaram que não tinham o que fazer porque o crime aconteceu na rua”, conta.

Os filhos da engenheira Cláudia Tuma, de 13 e 14 anos, também foram abordados por um jovem nas proximidades do Dante. O primeiro caso ocorreu no fim de 2010. O ataque mais recente, no último dia 18. “Ele estava indo para a escola participar de um jogo esportivo, por volta das 18h. Um rapaz o empurrou contra o muro de um prédio e o mandou passar o celular, mas ele só tinha papel dobrado no bolso.” O garoto foi, então, ameaçado.

Polícia

A PM informou que a segurança nos Jardins é feita com viaturas, policiamento comunitário, Força Tática, entre outros grupamentos. A Secretaria da Segurança Pública informou que não há ocorrências relacionadas aos alunos do Dante no 78.º DP, a delegacia da área. O colégio disse que o seu entorno é monitorado por câmeras e seguranças e as imagens são cedidas para a polícia sempre que requisitadas.

Estudo comprova elo entre abandono escolar e criminalidade

Por Sandra O. Monteiro – Agência USP de Notícias

O abandono da escola aumenta a violência, bem como a violência na escola gera baixa no rendimento escolar. Estas conexões foram confirmadas pelo economista Evandro Camargos Teixeira em sua tese de doutorado apresentada no Departamento de Economia, Administração e Sociologia da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba. O estudo foi realizado por meio de modelos econométricos, um conjunto de ferramentas e dados estatísticos que possibilitou analisar o vínculo entre educação e criminalidade.

O objetivo da pesquisa foi analisar a relação intrínseca entre criminalidade e educação de duas formas distintas: o impacto da educação defasada ou o abandono escolar sobre a criminalidade do ano posterior ao abandono, em todos os Estados brasileiros, no período 2001 a 2005; e também o efeito da violência sobre o desempenho escolar dos alunos do Estado de São Paulo em 2007.

A relação de todos os dados foi estabelecida em um banco de dados. A conclusão após o cálculo matemático no modelo econométrico foi de que a criminalidade aumentou em 51% em todos os Estados brasileiros, conjuntamente analisados, no período de 2001 a 2005, devido à evasão escolar.

“Não se pode afirmar que todos os alunos se tranformem em bandidos. Aliás, este não foi o foco do estudo”, afirma Teixeira. Segundo o pesquisador, quem deixa a escola tem tanto a possibilidade de virar membro de uma gangue, quanto de simplesmente estar excluído do mercado de trabalho formal. “O modelo apenas associou e assinalou a proporção direta de crescimento entre abandono defasado ou evasão escolar e taxas de homicídio, quando a evasão aumenta, os homicídios também crescem”.

Precisão estatística
Para o estudo, foram captados dados sobre a taxa de evasão escolar no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP).

Estatísticas referentes às taxas de homicídios foram obtidas junto ao Banco de Dados do Sistema Único de Saúde (DATASUS) para a análise da criminalidade. Já as informações socioeconômicas sobre desemprego na faixa etária de 15 a 24 anos, taxa de mortalidade infantil e desigualdade de renda vieram do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).E os gastos com segurança pública foram obtidos no Tesouro Nacional.

O pesquisador explica que “a escolha pelas taxas de homicídio ocorreu devido à maior precisão estatística, pois informações sobre outros crimes, em geral, são subnotificadas devido a ausência de registro de boletins de ocorrência pelas vítimas.”

Sobre o efeito da criminalidade no desempenho escolar, o economista se concentrou nas disciplinas de Matemática e Português ministradas a alunos dos 5º, 7º e 9º anos do ensino fundamental, e do 3º ano do ensino médio. Esses dados foram obtidos junto ao Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (SARESP).

Entre os fatores utilizados para o cálculo, havia informações fornecidas pelo próprio aluno sobre renda, sexo, cor, emprego. Já pela escola, além do desempenho escolar nas discilpinas de Matemática e Língua Portuguesa que classifica as notas em abaixo do básico, básico e avançado, havia dados relativos à porcentagem de professores efetivos, participação da comunidade, violência, equipamentos e conservação da infraestrutura.

Teixeira relata que “para estabelecer a renda do aluno foi necessário criar uma variável que agregasse as respostas do questionário sócioeconômico que trazia informações como a quantidade de geladeiras, micro-ondas, televisões, entre outros bens que pudessem existir na casa do estudante.”

Após a inserção das estatísticas no modelo econométrico, foi possível constatar que a criminalidade na escola realmente influencia o desempenho escolar. Segundo a pesquisa, para alunos do 3º ano do ensino médio, a probabilidade de o desempenho na disciplina Matemática ser considerado satisfatório diminuiu em 0,54% em relação a desempenhos anteriores e melhores, quando não há violência na escola. A maior sensibilidade, entretanto, acontece entre os alunos do 9º ano, cujo rendimento decai em 0,89%. Ambos os dados, inferem que a violência diminuiu a probabilidade de o aluno ir bem nas provas.

A tese dos ensaios acerca da relação entre criminalidade e educação defendida, em 2011, foi orientada pela professora Ana Lucia Kassouf.