Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Favela

Rocinha com UPP terá 100 câmeras para monitorar a comunidade

Equipamento será instalado em pontos estratégicos da favela.
Unidade foi inaugurada oficialmente por volta de 10h desta quinta (20).

Com a instalação da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, oficialmente inaugurada por volta de 10h30 desta quinta-feira (20), cerca de 100 câmeras vão ajudar a monitorar a comunidade em São Conrado, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Segundo o comandante da UPP, o major Edson Santos, a tecnologia e o patrulhamento com motocicletas serão diferenciais no policiamento da área.

“Dividimos a Rocinha em vários setores para facilitar o patrulhamento, pois vamos atuar em uma comunidade com grandes dimensões”, frisou Santos, ressaltando que terá quatro oficiais para ajudá-lo. Santos já comandou equipes quando era integrante do Bope e quando fazia parte do policiamento na Barreira Fiscal do Estado.


Do contêinter, os PMs conseguem monitorar pontos estratégicos da comunidade (Foto: Janaína Carvalho / G1)

Com 12 anos na Polícia Militar, o comandante da UPP da Rocinha considera a proximidade com a população um dos maiores desafios a serem vencidos na pacificação da maior favela do país. “Nosso principal objetivo é permitir que o morador da Rocinha tenha a certeza que ele agora é o dono da comunidade”, afirmou Santos, destacando que o trabalho de proximidade já tem sido realizado e que a população tem colaborado muito com o trabalho da polícia. “A população nos apoia. A prova disso é que foi através da colaboração deles que chegamos à autoria de crimes ocorridos aqui nesse período”, disse o major.

Na cerimônia de inauguração da UPP, o governador Sergio Cabral também falou sobre essa mudança. “Não temos nenhum tipo de ilusão, essa é uma comunidade onde a marginalidade vai continuar tentando entrar, mas antigamente a polícia que era a invasora. Nesse episódio recente, onde perdemos um policial, foi o contrário, o bandido é que era o invasor”, afirmou Cabral. “A gente não tem a ilusão que um processo que começou em novembro de 2008 que hoje não haveria mais a marginalidade. É um processo, um processo permanente”.

O governador também lembrou da época em que o país convivia com uma inflação galopante ao falar da nova realidade do Rio com as UPPs. “Da mesma maneira que a inflação alta acabou não faz mais parte da realidade do brasileiro, espero que, no futuro, essas crianças que estão aqui não tenham em sua memória nenhum tipo de conflito e atuação do poder paralelo”, disse Cabral, fazendo uma comparação com o seu filho caçula, que não tem em sua memória a época em que havia inflação no país.

Na Rocinha, o patrulhamento feito por motoclicleta será fundamental para garantir a eficácia do trabalho dos policiais. Segundo o coronel Rogério Seabra, comandante das UPPs, 92,25% da Rocinha não é patrulhável por veículos de 4 rodas. “Tivemos que redimensionar o nosso policiamento, inclusive coma presença de mais policiais para fazer o patrulhamento a pé. É assim que deve ser feito, dada a topografia da comunidade”, afirmou Seabra.

De acordo com o tenente Guarani, que vai ser responsável pela operação das câmeras, os aparelhos serão instalados em pontos estratégicos da comunidade. Além do sistema de monitoramento visual, a tecnologia aparece como diferencial em outros aspectos dentro da UPP.

No interior dos contêineres onde fica a base provisória da unidade, os policiais têm acesso a todo o bando de dados do Disque-Denúncia e sabem quais os criminosos estão sendo procurados pela polícia. Os PMs também têm acesso a um mapa com toda a geografia da comunidade e conseguem visualizar, por meio dos rádios instalados nas carros da PM com GPS, onde cada policial está, em tempo real.


Detalhe do monitor usado pela polícia para monitorar a comunidade (Foto: Janaína Carvalho / G1)

Na semana passada, Rafael dos Santos, de 18 anos, entregue à polícia pelos pais, confessou ter matado o soldado Diego Henriques. Outro suspeito, Ronaldo Cunha, de 24, continua foragido.

Atualmente, um milhão de pessoas vive em comunidades no Rio e 40% delas passarão a ser atendidas por UPPs com mais esta unidade na Rocinha.

Fonte: G1

Paraisópolis ganha ‘UPP à paulista’

Após investir em operações repressoras para combater crimes no Morumbi, na zona sul, a Polícia Militar agora aposta no policiamento comunitário dentro de Paraisópolis. No último sábado (dia 17), duas novas bases móveis passaram a funcionar nas ruas da favela. Os equipamentos foram utilizados como exemplo para a polícia carioca na criação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs).

Outra base já existente, na entrada da comunidade, continuará aberta para melhorar a sensação de segurança do bairro. O Morumbi enfrenta uma onda de violência desde o ano passado, quando PMs de outros bairros foram chamados para a região. No último final de semana, pelo menos sete pessoas foram presas por roubar pedestres e tentar atacar residências. Nos primeiros três meses de 2011, 62 casas foram invadidas. Este ano, segundo o tenente coronel Ulisses Puosso, do 16° Batalhão, o número não passa de 20. Os arrastões a restaurantes também preocupam: desde janeiro foram quatro ocorrências assim.

O coronel explica que as bases são inéditas no local e terão seis policiais que não serão trocados. O objetivo é que eles criem um vínculo com a população e até sejam chamados pelo nome. “Queremos dar uma referência para as pessoas e ouvi-las, para criar um elo de confiança.

Fazer o policial ser um mediador de conflitos”, explica o oficial. Além dessas missões, o PM poderá registrar boletins de ocorrência de furtos e receber denúncias.

Nos anos de 2005, 2009 e 2011, Paraisópolis foi palco de três operações Saturação – quando a Tropa de Choque da PM ocupa as ruas e faz um ‘pente-fino’ entre moradores. No ano passado, outra tática foi adotada: a Operação Colina Verde – montada para reduzir os roubos.

Para Puosso, a saturação não é suficiente. “Isso só não resolve, é uma solução imediatista. Estamos num momento à frente. O ideal é utilizar o policiamento comunitário”, acredita.

Julia Titz, presidente do Conselho de Segurança (Conseg) do Morumbi, afirma que a operação Colina Verde foi fundamental para reduzir crimes. “O clima de segurança ficou muito melhor e houve um estreitamento entre a polícia e os moradores”, conta. Já o presidente do Conseg Portal do Morumbi, Celso Cavallini, diz que a chegada das bases móveis vai “irradiar segurança” em Paraisópolis.

O coronel Puosso acrescenta que os índices de violência no Morumbi apresentam queda. Entre 1º de janeiro e 10 de março, foram registrados 20 roubos a residência, ante 62 no ano passado. “Ainda é muito, concordo, mas houve redução significativa.”

Segundo o capitão Sergio Marques, porta voz da PM, o uso de bases móveis é uma tendência na capital. Atualmente, são 93 em operação e outras 47 fixas. O oficial explica que, para trabalhar nesses locais, todos os PMs passaram por um treinamento que varia de uma semana a um mês na Diretoria de Polícia Comunitária e Direitos Humanos (DPCDH).

“A PM de outros Estados vem fazer curso com a gente. Os oficias das UPPs do Rio aprenderam aqui, mas nessa ação, primeiro eles pacificam a área com o Exército e Bope. Isso em São Paulo não acontece. A PM entra em qualquer favela”, lembra.

Camilla Haddad / Gio Mendes – JT

Preso integrante de quadrilha que assaltava casas na zona sul de SP

Rapaz confessou assaltos; na casa dele foram encontrados objetos roubados

Pedro da Rocha

SÃO PAULO – Um dos integrantes de uma quadrilha que pratica assaltos à residências na região do Morumbi, na zona sul da capital, foi preso, por volta das 22h de segunda-feira, quando desmontava um carro roubado. A atitude levantou suspeitas de moradores da favela Paraisópolis, na Vila Andrade.

Após receberem denúncia, segundo a qual um homem retirava as rodas de um Vectra na Rua Jeremy Bentham, dentro da favela, policiais militares da 5ª Companhia do 16º Batalhão foram verificar. Quando chegaram, encontraram Jonatan Laube Reis, de 23 anos, trabalhando no carro, que estava com a placa de um Astra. “Após entrevista, ele acabou confessando que pertencia a um grupo especializado em roubos à residência, e indicou que guardava os produtos do crime em sua casa”, contou o tenente da PM Everton Vilela.

Na moradia de Reis, em frente ao local onde desmontava o carro, foram encontradas televisões, equipamentos de videogames, e outros objetos. Na delegacia, os policiais contactaram vítimas de roubos à residência na região. Moradores de uma casa na Rua Senador Otávio Mangabeira reconheceram três objetos roubados no dia 6 de julho: uma televisão, um tripé e um controle de videogame. Um médico que teve a casa assaltada na manhã do mesmo dia afirmou à polícia que Reis possui as características físicas de um dos ladrões.

Ambos os crimes tiveram características parecidas. “Os dois assaltantes pularam o muro da frente e me renderam quando chegava de carro. Apesar de armados, os dois não foram violentos”, contou o engenheiro Ademar Rudge, de 59 anos, roubado em julho. Já o médico, de 65 anos, contou que os dois bandidos tinham a chave de sua residência. Eles também estavam armados, encapuzados, e calmos durante o crime. “Eles levaram minha coleção de relógios e fugiram com meu carro”, disse o médico.

O caso foi encaminhado ao 49º Distrito Policial. Reis disse aos policiais que agia com mais três comparsas. As investigações vão continuar para identificar os outros criminosos e tentar recuperar o restante dos objetos roubados.

Via do Morumbi tem um assalto a cada dois dias

Polícia registrou 93 ataques em 6 meses contra motoristas no ‘ladeirão’.
Via dá acesso a favela da Zona Sul de SP.

Da Agência Estado

Os assaltos no Morumbi, na Zona Sul de São Paulo, têm endereço e horário certos desde 2009. Só nos primeiros seis meses deste ano foram 93 ataques contra motoristas na Rua Doutor Francisco Thomaz de Carvalho, via que liga o bairro à Marginal do Pinheiros, mais conhecida como “ladeirão”.

É nessa descida de mão dupla, perto do cruzamento de uma das ruas que dá acesso à Favela de Paraisópolis, que motoristas são atacados por grupos de menores de idade armados com pedras e velas de carros. É mais que um assalto a cada dois dias no mesmo local.

Nem a Operação Saturação, montada em maio pela Polícia Militar nas imediações de Paraisópolis e das favelas do Jardim Colombo e do Real Parque, ajudou a reduzir os ataques. No primeiro semestre de 2010 foram 106 assaltos ou tentativas de furto no “ladeirão”. A Polícia Civil já estima que 80% dos assaltos registrados contra motoristas no Morumbi ocorrem nessa via.

André Takahashi, chefe dos investigadores do 89º Distrito Policial, onde são registrados os boletins de ocorrências dos ataques, diz que a ação dos marginais é tão rápida que as vítimas nunca conseguem reconhecer os autores. “São muitos menores de idade que atacam ao mesmo tempo, não dá para distinguir muito quem é quem. E mesmo quando o menor é preso, ele acaba saindo depois de três meses e volta a assaltar”, conta.

Os assaltos têm ocorrido no início da manhã, entre 6h e 7h, ou no fim da tarde, entre 18h e 19h. Mas também há registros de ataques durante a madrugada e no horário de almoço. “Percebemos que eles aproveitam a troca de turno dos PMs que trabalham na região pela manhã”, aponta o chefe dos investigadores do 89º DP.