Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Felipe Ramos de Paiva

‘Fiz por necessidade’, diz jovem que confessou morte de aluno da USP

Ele se apresentou à polícia e irá responder em liberdade pelo latrocínio.
Felipe Ramos de Paiva, de 24 anos, foi morto em 18 de maio no campus.

Carolina Iskandarian
Do G1 SP

Jovem que confessou nesta quinta-feira morte de estudante da USP (Foto: Carolina Iskandarian/G1)

Jovem que confessou nesta quinta-feira morte de estudante da USP (Foto: Carolina Iskandarian/G1)

O jovem Irlan Graciano Santiago, de 22 anos, confessou durante uma coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira (9) na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) que matou o estudante Felipe Ramos de Paiva, de 24 anos, em 18 de maio dentro do campus da Universidade de São Paulo (USP). “Fiz por necessidade. Meu filho estava com falta de leite, de fralda. Eu me arrependo”, afirmou. Na presença do advogado e de policiais, Santiago contou que ele e um “parceiro” participaram do assalto e que o estudante foi baleado porque reagiu.

O aluno foi atingido por um tiro na cabeça em um estacionamento da Faculdade de Economia e Administração (FEA), quando chegava em seu carro, que era blindado. “Se ele pegasse nossa arma, ia atirar em nós”, afirmou o rapaz, acrescentando que quem atirou foi o outro suspeito. Segundo o delegado Maurício Guimarães Soares, divisionário do DHPP, Santiago não revelou o nome do homem que estava com ele. O delegado contou ainda que, antes de atacar o universitário, a dupla tinha feito refém uma mulher dentro do campus.

O advogado do jovem, Jeferson Badan, confirmou que os dois circularam com a vítima dentro de um carro. “Eles circularam por uma hora com ela. A mulher os acalmou e pediu que não fizessem nada porque era deficiente”, disse. “A gente sentiu dó dela”, completou Santiago. Como precisavam fugir, os dois assaltantes escolheram outra pessoa para roubar o veículo. Santiago foi indiciado por latrocínio e, como se apresentou espontaneamente à polícia, responderá em liberdade. Ao final do inquérito, a polícia pedirá a prisão preventiva dele.

‘Bandido tem ética’

Questionado sobre o que levou Santiago a se entregar, o advogado disse: “mostrei a ele que a melhor coisa que faria era se apresentar”. Os jornalistas perguntaram por que o assaltante não entregou o outro suspeito e Badan alegou que “no crime, você não entrega parceiro”. Em seguida, perguntado, dessa vez, se havia ética no crime, não hesitou: “todo bandido tem ética”. Apesar de dizer que o rapaz estava passando por dificuldades financeiras, o defensor afirmou que isso não era justificativa para se cometer um crime.

Denúncias

Os policiais localizaram Santiago depois de “várias denúncias”, como disse o delegado. A polícia chegou a ir até a casa do rapaz, na Favela São Remo, vizinha à USP, a fim de tentar convencer os pais do criminoso a entregá-lo. Soares disse que o assaltante não tinha antecedentes criminais e que os quatro irmãos dele não têm passagem pela polícia.

De acordo com o delegado, o universitário foi escolhido “aleatoriamente”. O advogado do assaltante confirmou a informação, dizendo que “o Felipe foi o alvo fácil” e que a dupla escolheu a USP para cometer o crime porque lá é “grande e tem pouca segurança”.

Diante da imprensa, o delegado fez um apelo para que a mulher que foi vítima dos dois criminosos se apresente e ajude a dar pistas sobre o suspeito foragido.

Outros assaltos

Em entrevista na ocasião do crime, o pai do estudante, Ocimar Paiva, disse que o jovem já havia sido assaltado outras duas vezes dentro do ônibus e, por isso, havia comprado o carro blindado. “Eu falava para ele tomar cuidado, havia muito assalto pela região. Mas ele dizia que ‘não, não tem problema’”, contou o pai.

“Meu filho era um menino muito bom, gostava muito de estudar e trabalhar. Era um filho carinhoso em casa, tranquilo, não gostava de ir para a balada. O negócio dele era trabalhar, estudar e curtir a namorada”, disse a mãe de Felipe, Zélia Ramos. Segundo a família do rapaz, ele pretendia se casar após terminar a faculdade. Felipe tinha acabado de tirar passaporte internacional, e planejava viajar a lazer em breve, de acordo com a mãe do jovem.

Uma semana depois da morte, o estudante recebeu uma homenagem de amigos, professores e familiares. Cerca de cem pessoas se reuniram na Praça do Relógio, que fica próxima à reitoria da universidade. Os pais e a irmã de Paiva acompanharam a celebração.

‘Do jeito que está, campus é terra de ninguém’, diz reitor da USP

20/05/2011 09h21 – Atualizado em 20/05/2011 10h19
Rodas defende maior presença da PM dentro da universidade.
Insegurança é problema que USP enfrenta há anos, diz reitor.

Letícia Macedo
Do G1 SP

O reitor da Universidade de São Paulo (USP), João Grandino Rodas, afirmou na manhã desta sexta-feira (20) que espera que, depois do assassinato de um aluno da Faculdade de Economia e Administração (FEA), o Conselho Gestor, que se reúne nesta manhã, proponha medidas que possam ser tomadas imediatamente para coibir a violência no campus. Rodas é favorável à intensificação das rondas da Polícia Militar no campus. Felipe Ramos de Paiva, de 24 anos foi assassinado no estacionamento da FEA na noite de quarta-feira (18).

“Quando tomei posse há 15 meses, eu disse em uma entrevista e muitos acharam absurdo e eu repito: do jeito que está o campus da Universidade de São Paulo é terra de ninguém. Essa morte, que é algo extremamente lamentável, é algo que não era imprevisível”, declarou. Segundo Rodas, criminosos aproveitam para agir dentro do campus porque sabem que a Polícia Militar não entra na universidade.

“A universidade se compromete até por escrito que não apóia, obviamente, a repressão a colocações, movimentos e à explanação do pensamento, quer individual ou coletivo, de estudantes, professores ou de funcionários. Entretanto, há que se permitir que haja, em um local tão grande e tão perigoso, a possibilidade de uma visita várias vezes ao dia e à noite da Polícia Militar”, disse Rodas.

O reitor afirmou que uma minoria “muito ativa e muito barulhenta” é contrária à entrada de policiais militares no campus, mas que ele espera que mudem sua opinião depois do assassinato do estudante. “Espero que sim, mas acho que nós precisamos de um trabalho grande da imprensa e da opinião pública porque aquilo não é um ente separado, não é um estado à parte”, declarou.

Rodas disse que a insegurança é um problema que a universidade enfrenta há muitos anos. “A questão da insegurança no campus aumentou ultimamente, mas é algo recorrente há muitos anos. Faz parte da problemática de todas as grandes cidades”, afirmou.

Atualmente, a segurança do campus que tem aproximadamente 400 quadras é feita por 130 seguranças patrimoniais, que não dispõem de armamento. Durante o dia, o controle de entradas de pessoas e veículos é livre.

Assista a entrevista: http://g1.globo.com/videos/bom-dia-brasil/v/reitor-da-usp-fala-sobre-o-primeiro-latrocinio-da-usp/1514052/#/Edições/20110520/page/2