Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Fifa

Grandes eventos esportivos devem estimular setor

A segurança privada deve crescer no Brasil nos próximos anos com a participação em grandes eventos, como os jogos da Copa do Mundo. A segurança interna dos estádios será feita principalmente por vigilantes desarmados, e não por policiais de cassetetes nas mãos.

Esses vigilantes, conhecidos como “stewards”, fazem parte de um modelo da Fifa adotado em diversos países e que agora será replicado no Brasil. Antes de ser adotado no mundial, deverá ser testado na Copa das Confederações, em 2013.

A ideia é que policiais militares concentrem sua atuação nas vias públicas ao redor dos estádios, enquanto os vigilantes tomem conta dos jogos, que são eventos privados. A previsão está na Lei Geral da Copa. Mais de 25 mil “stewards” devem ser formados para atuar na competição. As empresas de segurança serão contratadas pela Fifa.

Nesse modelo, a polícia também estará presente nos estádios, só que de forma mais reservada, dentro de “salas de controle”, e será acionada em casos de conflito. “A segurança privada e pública irão trabalhar no evento, transmitindo informações para seus superiores dentro dos centros de comando e controle, para eventuais problemas a serem resolvidos”, explica o secretário extraordinário de Segurança para Grandes Eventos, o delegado da Polícia Federal Valdinho Jacinto Caetano. “Dentro desses centros, o órgão que tiver atribuição de gerenciar o problema acionará sua corporação”, afirma.

Para trabalhar na Copa de 2014 como “stewards”, vigilantes registrados na Polícia Federal passarão por um curso específico de formação, com critérios estipulados pela PF. Eles atuarão como organizadores dentro dos estádios e serão orientados a tratar os torcedores como clientes.

Além da contratação de pessoal, a segurança da Copa envolve a compra de tecnologias de segurança. Segundo Caetano, o governo federal está definindo os critérios para compra dos equipamentos a serem usados nos centros integrados de controle. “Estamos trabalhando item por item. Poderá ser uma solução integradora para unir as 12 sedes”, afirma. De acordo com ele, a previsão é que as compras comecem a ser feitas em cerca de dois meses.

Representantes do governo visitaram vários países – entre eles, Estados Unidos, México e Israel – para conhecer o funcionamento dos centros de controle existentes.

O orçamento do governo com a segurança da Copa é de cerca de R$ 1,8 bilhão. Além das forças policiais, o Exército será mobilizado para fazer a proteção da chamada infraestrutura crítica – como usinas e o sistema de comunicação. Segundo o Ministério da Justiça, cerca de 50 mil agentes de segurança – entre policiais, bombeiros e guardas civis – trabalharão durante o evento.

Jornal Valor Econômico

Segurança para Copa de 2014 terá câmeras como prioridade

Copa sem a ostentação de armas e com milhares de câmeras de segurança espalhadas pelas 12 cidades-sedes. Esse será o modelo adotado pelo secretário Extraordinário de Segurança para Grandes Eventos, Valdinio Jacinto Caetano, para o Mundial. Parte do projeto terá que ser exibido já no próximo ano durante a Copa das Confederações, de 15 a 30 de junho, evento que servirá de teste para que a Fifa avalie como está a organização para o Mundial de 2014.

Com um orçamento de R$ 1,1 bilhão, a secretaria comandada por Caetano vai privilegiar a compra, a partir deste ano, de armas não letais e câmeras de monitoramento. As câmeras serão instaladas nos arredores dos estádios, nas principais avenidas das cidades e também nas regiões turísticas. “Estaremos presentes em todos os lugares, mas, quanto menos exibirmos armas, melhor. Só as usaremos em caso extremo. O princípio básico é que a Copa é uma festa. Ninguém se sente a vontade numa celebração, com um policial apontando uma metralhadora para os convidados”, afirmou o delegado da Polícia Federal, que está no cargo há cerca de dois meses.

Caetano será o responsável por coordenar todo o esquema de segurança nas cidades, com cerca de 40 mil homens, entre policiais militares, civis e federais. Agentes da Força Nacional e da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) também estão incluídos no planejamento elaborado.

Para “trabalhar” com as milhares de imagens captadas pelas câmeras, o governo federal vai montar 14 centros de comando de controle, que reunirão os chefes das polícias de cada Estado e os responsáveis pela defesa civil, pelos bombeiros e pela saúde de cada região. A partir das imagens, exibidas em um imenso telão, haverá a distribuição do policiamento. O comando de controle contará também com policiais dos outros 31 países envolvidos na Copa. “O Brasil está evoluindo. Na Europa, já não se vê mais armas em eventos. É o que vamos fazer aqui”, contou Caetano, que comandou a segurança da Cimeira América Latina, Caribe e União Europeia.

O evento realizado em 1999 reuniu no Rio de Janeiro chefes de Estado ou de governo de cerca de 40 países. “Outra novidade para a Copa será colocar homens treinados por empresas privadas para tomar conta dos torcedores nos estádios. A polícia vai estar lá, mas só aparecerá se for solicitada”, acrescentou Caetano.

Ele não teme a violência dos hooligans argentinos ou europeus na Copa. A Polícia Federal já trabalha desde o ano passado com autoridades estrangeiras para identificar os torcedores violentos. Ex-superintendente da Polícia Federal no Rio, Caetano considera a capital fluminense “uma área de conforto” durante o Mundial por causa da pacificação realizada nas favelas próximas às áreas turísticas e ao Maracanã. “O Rio está acostumado a receber grandes eventos. A Copa não vai mudar muito com a rotina da cidade”, declarou o delegado.

Fonte: Folha de São Paulo

Modelo de segurança para a Copa 2014 é apresentado ao setor de segurança privada

Representantes de entidades de classe e de sindicatos de empresas de segurança privada, das 12 cidades sedes, fizeram a 1ª reunião com a Gerência Geral de Segurança do Comitê Organizador da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014, no Rio de Janeiro.

“Foi um primeiro encontro nacional com o segmento para discutir o modelo de segurança a ser implantado na Copa das Confederações 2013 e Copa 2014; alinhar as exigências do modelo com o setor; e esclarecer como se dará a contratação das empresas”, explica o presidente do Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de São Paulo (Sesvesp), José Adir Loiola, que esteve presente na reunião.

Na ocasião, foi apresentada a proposta do Curso de Extensão para Grandes Eventos. A intenção é fazer com que vigilantes de empresas privadas só atuem nos estádios de futebol se estiverem desarmados e se tiverem concluído o Curso de Extensão para Grandes Eventos nas escolas de formação de vigilantes.

O curso foi formatado pela Coordenadoria-Geral de Controle de Segurança Privada da Polícia Federal, que utilizou como base conhecimentos de especialistas em segurança, materiais nacionais e internacionais, assim como o regulamento de segurança da FIFA, além de ter analisado as sugestões e propostas das entidades de classe.

Estiveram presentes no evento, representantes da Secretaria Nacional de Segurança para Grandes Eventos (Sesge) e da Coordenação Geral de Controle da Segurança Pública da Polícia Federal (CGCSP/DPF).

“Assim como esta reunião, já fizemos e faremos outros encontros com todas as áreas de segurança que pretendemos contar nos eventos em 2013 e 2014. Esta integração entre as forças públicas e privadas é fundamental e todos precisam entender a função de cada um para que possamos oferecer um padrão internacional nos grandes eventos esportivos que somos responsáveis”, enfatizou o gerente geral de segurança do Comitê Organizador Local (COL), Hilário Medeiros.

Cerca de 50 mil profissionais da segurança privada devem ser escalados para o esquema de segurança da Copa do Mundo de Futebol no Brasil.

Em cada estádio, aproximadamente três mil vigilantes, devidamente cadastrados na Polícia Federal, devem ficar responsáveis pela segurança no complexo interno das arenas (tendas de patrocinadores, área de circulação de pessoas, estacionamentos e catracas).

Somente no Estado de São Paulo já são cerca de 167 mil vigilantes (entre homens e mulheres), em 400 empresas de segurança legalizadas. No Brasil, o efetivo da segurança privada é de 540 mil vigilantes trabalhando em 1.500 empresas autorizadas a funcionar no País.

Revista Segurança e Cia

Estádio de Sorocaba aposta na tecnologia para ser uma das sedes de treino na Copa 2014

Monitoramento de arquibancandas, entradas e arredores do CIC é um dos trunfos da cidade para convencer a Fifa na seleção de locais para o mundial no Brasil.

* Matéria exibida em 14/06/2011 no programa TEM Esporte – Sorocaba (TV TEM)

Governo terá secretaria para cuidar da segurança da Copa, diz ministro

05/05/2011 09h37 – Atualizado em 05/05/2011 09h49

Orlando Silva participou do programa ‘Bom Dia Ministro’ nesta quinta (5).
‘Será um mundial muito seguro’, disse o ministro dos Esportes.
Do G1, em Brasília

O ministro dos Esportes, Orlando Silva, fala sobre os investimentos do Brasil na Copa 2014, durante entrevista ao programa Bom Dia Ministro. (Foto: Elza Fiúza/AB)

O ministro dos Esportes, Orlando Silva, afirmou nesta quinta-feira (5), ao participar do programa “Bom Dia Ministro”, transmitido para rádios de todo o país, que o governo federal vai criar uma secretaria voltada diretamente para cuidar das questões de segurança na Copa do Mundo de 2014. Segundo Orlando Silva, a secretaria estará ligada ao ministério da Justiça.

“No Brasil, quem dirige a questão de segurança é o Ministério da Justiça. Inclusive, deve ser criada uma secretaria especialmente voltada para a preparação das questões de segurança da Copa de 2014, no âmbito o Ministério da Justiça. Uma secretaria que tem o papel de integrar as forças de segurança das cidades e de todos os estados que receberão os jogos da FIFA. Vão ter o suporte das Forças Armadas, trabalhos de inteligência, teremos, sim, um esforço extraordinário, especial de segurança para que aconteça com conforto e segurança o mundial da FIFA”, afirmou o ministro.

Saiba mais

Dilma indica Meirelles para presidente da Autoridade Pública Olímpica Não vamos passar vergonha’, diz ministra sobre aeroportos Segundo Orlando Silva, a secretária deve trabalhar em conjunto com as Forças Armadas e as polícias dos estados que vão servir de sedes para os jogos da Copa. Também deverão ser realizados intercâmbios para o treinamento de profissionais que vão atuar durante o evento.

“Haverá uma série de intercâmbios entre as forças de segurança do Brasil com forças de segurança de outros países para que se tenha o máximo rigor. Segurança é um tema delicado. Eu estive na Copa do Mundo da Alemanha e testemunhei a polícia inglesa, devidamente uniformizada, auxiliando na segurança na Alemanha. No Brasil não será diferente. Será um mundial muito seguro”, afirmou.

Além da segurança, o ministro reforçou que o governo está investindo em infraestrutura, especialmente na modernização dos aeroportos. Segundo o ministro, os investimentos brasileiros para o mundial devem chegar a R$ 47 bilhões, entre público e privado. A expectativa é que o mundial gere cerca de 700 mil empregos.

“A infraestrutura brasileira precisa de muitos investimentos e terá na Copa do Mundo vários investimentos. Primeiro nos aeroportos. Temos de aumentar o número de terminais de passageiros. A presidente Dilma criou uma secretaria específica para a avião civil. Alertou que o governo trabalhe para atrair investidores privados. De modo a que possamos andar mais rápido na modernização dos aeroportos. Estamos ainda numa fase de aceleração para entregar o Brasil bem em 2014”, afirmou.

Orlando Silva disse que, até junho, deve estar definida a situação da Autoridade Olímpica, cargo que já foi indicado pela presidente Dilma Rousseff. O ex-presidente do Banco  Central Henrique Meirelles deve ser confirmado no cargo.

“A autoridade pública brasileira é um compromisso. Neste instante a fase é de formalização. A presidente Dilma convidou o ex-presidente do Banco Central Henrique Meireles, e eu creio que seja só uma questão de análise do Senado federal. Até junho tudo já deve estar definido”. 

Videomonitoramento traz mais segurança ao CIC

 

Jornal Cruzeiro do Sul – 30/03/2011

Cumprindo a exigência do Estatuto do Torcedor, o Estádio Municipal “Walter Ribeiro”, o CIC, está com videomonitoramento e, assim, garantindo maior segurança aos seus frequentadores. O serviço no local para a implantação do sistema e das câmaras começou em 15 de janeiro e, esta semana, a Secretaria de Esporte (Semes) completou a instalação das 31 câmeras.

Videomonitoramento traz mais segurança ao CIC. A fiscalização será feita por 31 câmeras - Por: Zaqueu Proença/Secom

 O secretário de Esporte acompanhou o diretor da Sekron, empresa responsável pela inserção das câmeras, durante a vistoria dos equipamentos, bem como o funcionamento do sistema. “Estamos seguindo todas as orientações da Federação Internacional de Futebol e Associados (Fifa), do Estatuto do Torcedor e da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) em uma adequação programada para deixar o estádio capacitado para receber qualquer partida”, elucidou.

O tenente do 7º Batalhão da PM do Interior, também presente à vistoria do sistema, explicou como a nova aquisição auxiliará a segurança do estádio. “Detectado algum problema no local, por meio do videomonitoramento, o policial avisará por rádio onde será necessária a intervenção da PM de maneira a fazermos um policiamento inteligente”, explicou.

Das 31 câmeras no CIC, quatro contam com o sistema “dome” que giram 360graus. Todas possuem capacidade de gravação para até mais de 60 dias ininterruptos e de aproximação de imagem de 8 km. “Outro investimento importante é a sala de videomonitoramento, que possui sistema de alarme para que os equipamentos fiquem protegidos”, destaca o secretário de esporte.

 Segundo o diretor da empresa, a intenção é que nos próximos dois jogos no CIC sejam feitos trabalhos em sinergia com a PM para que todas as condições de monitoramento, como localização das câmeras e tonalidade da imagem, sejam totalmente definidas. Além de técnicos da empresa, haverá treinamento de funcionários da Prefeitura para administrarem o sistema.

 De acordo com Bacci, o benefício também atinge as duas equipes de futebol da cidade, o Esporte Clube São Bento e o Atlético Sorocaba. “Não há custo para elas, pois este é um investimento para a municipalidade. Se o Atlético vier a subir, adequaremos o estádio para clubes da primeira divisão, que é a grande meta dos times sorocabanos”, comentou.