Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Invadida

Câmeras de monitoramento flagram ação de bandidos em Guarujá

Pelo menos três escolas foram alvo de ladrões.
Polícia pede apoio da população para prender acusados.

Desde o início do ano, escolas municipais de Guarujá, no litoral de São Paulo, estão sendo alvos de bandidos. Dentre os objetos roubados estão equipamentos de limpeza, bolsa de funcionários e até a própria câmera de monitoramento da prefeitura.

O assalto na escola Oswaldo Cruz, no Parque do Estuário, aconteceu durante o dia, quando havia movimento de pais na recepção. Três homens suspeitos chegam e não se intimidam com a presença de um Guarda Municipal. O supeito faz um sinal para o outro. Ele entra na secretaria, arranca a correntinha de um funcionário e sai. Enquanto isso, o comparsa ameaça o guarda mostrando uma arma na cintura.

Toda a ação foi gravada pelo centro de controle operacional da Guarda Municipal de Guarujá, que fica na sede da instituição. No local são gravadas imagens de quase 1500 câmeras instaladas em escolas, creches e centros comunitários da prefeitura. “Quando o monitoramento detecta uma invasão, nós mandamos uma viatura, pegamos as imagens e levamos para as polícias militar e civil, que fazem um trabalho para identificar os supostos autores e prendê-los”, explica o coordenador de vídeo-monitoramento, Rogério Martins Pereira.

Em um outro caso, ocorrido em uma escola no bairro Santa Rosa, um homem pula o muro e caminha até o pátio, onde arranca uma câmera de monitoramento. Nos dois casos em que as escolas foram invadidas, no mês de fevereiro, a polícia identificou os suspeitos e um deles foi preso.

Uma outra escola foi invadida em junho. O homem chega sozinho numa bicicleta e pula o muro, segue até um depósito e entra por uma janela. Dentro da sala, pega uma máquina de limpeza e foge. A polícia ainda não identificou o suspeito e pede a ajuda da população. “Se alguém tiver informações sobre a pessoa pode ligar no telefone SOS Cidadão, pelo 153″, afirma Rogério.

G1 Santos

Polícia pede prisão de empresário suspeito de causar acidentes em SP

Pedido de prisão temporária foi feito na madrugada, segundo SSP.
Homem teria roubado carros e ferido um homem na barriga na segunda.

A Polícia Civil pediu na madrugada desta terça-feira (10) a prisão temporária do administrador de empresas Michel Goldfarb Costa, de 34 anos. A informação é da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP). Costa é suspeito de ter feito disparos a esmo e de provocar uma série de acidentes na manhã desta segunda (9) em São Paulo. Ele também teria baleado um homem na barriga. O advogado de Costa, Nicolau Aun Junior, disse nesta terça ao G1 que vai orientar seu cliente a se entregar.

Entre os motivos alegados pela polícia para pedir a prisão temporária de Costa estão três tentativas de latrocínio, tentativa de homicídio, disparo de arma de fogo e lesões corporais. De acordo com o delegado Dalmir de Magalhães, do 26º Distrito Policial, no Sacomã, na Zona Sul, a polícia faz buscas para tentar localizá-lo e deve ouvir vítimas que tenham sido prejudicadas pelo suspeitos em outras regiões da cidade.
“A minha orientação é para que ele se apresente”, afirmou o advogado. Segundo Aun Junior, a última vez que ele falou por telefone com Michel foi durante as festas de fim de ano. Ele não tem previsão de quando ele deve procurar a polícia.

Na segunda-feira, a Polícia Civil anunciou que Costa deve ser indiciado por tentativa de homicídio, roubo e disparo de arma de fogo. Costa, que também é artista plástico e mora em um condomínio de luxo em Cotia, na Grande São Paulo.

Para a polícia, Costa foi quem causou todos os acidente durante a manhã. Quatro pessoas já o reconheceram por foto. Segundo as investigações, ele bateu em pelo menos dois carros e um ônibus, baleou um homem na barriga e feriu outro de raspão.

O delegado responsável pelo caso, Marcos Antônio Manfrin, do 26º DP, disse acreditar que o administrador tenha tido um “surto psicótico”. “Aparentemente não há motivação, a não ser um surto”, afirmou. O policial acrescentou que ao menos 20 tiros foram disparados.

A namorada de Costa prestou depoimento nesta segunda. Ela o descreveu como uma pessoa fechada, com poucos amigos, quase nenhum contato com a família e que não trabalhava. “Ele aplicava dinheiro na Bolsa de Valores”, segundo o delegado.

A mulher contou à polícia que tudo começou às 4h desta segunda. Costa era conhecido por ter mais de dez cachorros, e eles começaram a latir nesse horário – o casal havia ficado acordado até tarde vendo filmes. O administrador teria ficado com medo de que a casa tivesse sido invadida. “Ele teve uma briga recente com o vizinho em relação ao barulho [dos cães] e teria sido ameaçado”, disse Manfrin. “Quando a namorada dormiu, ele [Costa] saiu de casa deixou tudo aberto, as portas abertas. Ele saiu de carro, vestindo o colete e com a arma em punho.”

A relação dele com a namorada era boa – o casal está junto há quatro anos e se vê aos fins de semana, segundo o depoimento. “O surto não ocorreu por conta de uma briga”, afirmou o delegado-adjunto Dalmir de Magalhães.

‘Dia de fúria’
O tenente da Polícia Militar Guilherme Willian Pacheco definiu a ação como um “dia de fúria”. Segundo ele, a ação “foge do padrão de um assalto”. “Ele em um dia de fúria e loucura teria pego uma arma e um colete e efetuado vários disparos em via pública”, afirmou.

Os policiais descobriram a identidade do suspeito após constatarem que ele é o dono do Corolla encontrado na Avenida dos Bandeirantes, na Zona Sul.

O Corolla, após derrapar, foi visto pela primeira vítima do criminoso, o taxista Elias da Silva, de 37 anos, que levava uma passageira para o aeroporto. Ele parou no semáforo e foi abordado pelo homem armado com uma pistola calibre 380.

Para o tenente, a ação foge do padrão, segundo relato das testemunhas que estiveram presentes durante todo o dia no 26º Distrito Policial, no Sacomã. “Em nenhum momento ele falou ‘desce, que é um assalto’, como a gente costuma ver. Ele atirou, depois tirava a pessoa de dentro do carro. Foge do padrão de um roubo normal.”


Ação
Em alta velocidade, o criminoso que havia roubado o táxi nas proximidades do Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul, colidiu com um Fiat Brava na Avenida Presidente Tancredo Neves, próximo da Avenida Nossa Senhora das Mercês. Um Fiat Idea também foi atingido.

“Eu só ouvi a pancada. Foi tão forte que eu pensei que era um caminhão. Só pensava no meu filho”, afirmou David Neves, técnico em instalação de TV a cabo, que dirigia o Fiat Brava. A mulher dele, de 28 anos, e o filho, de 2 meses, tiveram que ser levados ao Hospital Cruz Azul, mas passavam bem. “Minha mulher deve ter uns arranhões, mas está em choque. Meu filho estava na cadeirinha. Eles estão só estão em observação. Está tudo bem.”

Depois da colisão, o criminoso deixou o carro e saiu atirando para todos os lados. Ele baleou o motorista de uma EcoEsport e tentou fugir no carro, mas não conseguiu. Posteriormente, o criminoso atirou contra um Logan. “Acho que ele queria o meu carro para fugir”, disse o engenheiro Ademir Carlos Guerretta, de 61 anos, que ia para o trabalho no Logan. O tiro atingiu o engenheiro de raspão no braço.

O ladrão abordou, então, a professora Ivete Souza Cruz, de 48 anos, que estava no Polo prata. “Ele atirava a esmo. Ele deu um tiro na maçaneta e tentou me tirar com cinto e tudo. Ele me arrancou do carro. Não tinha percebido que ele estava ferido, mas estou com a roupa toda suja de sangue dele”, disse a professora.

À frente, já próximo à Rua Vergueiro, ainda na Avenida Presidente Tancredo Neves, ele colidiu com um ônibus. Para prosseguir em fuga, um Ford Ka foi roubado, com o qual seguiu até o Parque Dom Pedro, no Centro de São Paulo. Nesse ponto, ele roubou um Celta e seguiu até a Ponte da Casa Verde. Depois, desapareceu.

O motorista da EcoEsport foi levado para o Hospital Heliópolis, onde passou por uma cirurgia. Segundo um familiar da vítima, a bala perfurou a barriga e ficou alojada na perna. Ele passava bem nesta tarde.

Do primeiro crime até a Marginal Tietê, foram cerca de 25 km por ruas e avenidas movimentadas da capital. Foram mais de 20 tiros disparados e duas pessoas feridas. Em nenhum momento, o homem foi perseguido ou parado pela polícia.

‘Ajudei ladrões para proteger minha família’, diz refém de festa invadida

Nove pessoas, entre elas duas eram crianças, foram feitas reféns.
Um dos convidados foi agredido com uma coronhada na cabeça.

Foram apenas 10 minutos que ficarão marcados na memória de uma família de São José do Rio Preto, interior de São Paulo. Este foi o tempo em que nove pessoas, entre elas duas crianças, foram feitas reféns na noite desta quinta-feira (8), durante uma festa de confraternização de final de ano entre amigos. Uma convidado foi agredido com uma coronhada na cabeça.

Uma das pessoas que estavam na festa , que não quis se identificar, disse em entrevista ao G1 Rio Preto que pensou apenas em proteger a família. “Eu me ofereci para ajudá-los a recolher os pertences da minha casa, em troca eles não machucariam minha família. Vivi momentos de terror, ainda não caiu minha ficha sobre o que aconteceu”, disse. A casa fica em um bairro de classe média alta da cidade, Jardim Tarraf II.
A residência foi invadida por três homens armados e encapuzados. Eles entraram na casa no momento em que dois convidados e uma criança foram embora. Dentro da festa, renderam nove pessoas, entre elas duas crianças, uma de dois anos e outra de seis. Os bandidos recolheram joias, celulares, dinheiro e uma TV. Depois, usaram o carro de uma das vítimas para fugir.

“Na saída, eles não conseguiam abrir o portão e ficaram nervosos. Chamaram meu irmão para ajudar e acabaram o agredindo com uma coronhada na cabeça. Foi uma agressão gratuita, não havia necessidade”, contou a vítima. O homem foi socorrido e passa bem. Os reféns estão abalados. “Ficamos muito preocupados com a crianças, a de dois anos felizmente não entendeu o que aconteceu, mas a de seis anos ficou apavorada. Graças a Deus todos estão bem, apesar do grande susto”, concluiu.

As vítimas prestaram depoimento na delegacia da cidade. Segundo o delegado João Lafaiete Sanches, o caso será investigado com prioridade. “Foi instaurado um inquérito para apurar o caso. Descobrimos que nem todos os ladrões estavam encapuzados, portanto, teremos novidades em breve”, explicou.

Natália Clementin G1 Rio Preto e Araçatuba

Criminosos invadem casa no Morumbi e trocam tiros com a polícia

Crime aconteceu na Rua Fonseca Teixeira.
Segundo PM, três suspeitos morreram; um foi detido.

No confronto com os policiais, três criminosos morreram após tentar assaltar casa (Foto: Bruno Araújo/G1)

Uma casa foi invadida por criminosos na manhã desta segunda-feira (7) na Rua Fonseca Teixeira, na região do Morumbi, na Zona Sul de São Paulo. Segundo a PM, os policiais chegaram ao local quando os criminosos ainda estavam na residência. Houve troca de tiros e três suspeitos foram atingidos. Eles chegaram a ser levados a hospitais, mas morreram. Um quarto integrante do grupo foi detido. Quatro adultos e uma criança foram feitos reféns durante o assalto.

Segundo o major Edinaldo Soares de Alexandre, da Polícia Militar, a família trabalha em uma mesma empresa. Na manhã desta segunda, o dono da residência saiu para trabalhar mais cedo e estranhou quando seus filhos não chegaram na empresa no horário habitual. Ele tentou entrar em contato com o resto da família, mas não conseguiu. Preocupado, acionou a PM e voltou para casa.

Ainda de acordo com o major, o homem tocou a campainha da residência diversas vezes, mas ninguém atendeu. Os policiais arrombaram a porta quando chegaram e encontraram um grupo de assaltantes no local fazendo a família refém. Houve troca de tiros entre o grupo armado e a polícia, e três suspeitos foram atingidos e um preso.

Segundo o major, há a suspeita de que outros integrantes do grupo podem ter conseguido fugir durante a troca de tiros.
Os integrantes da família não ficaram feridos. Segundo Edinaldo Soares de Alexandre, os assaltantes colocaram uma meia na boca da criança, um menino, para que ele não chorasse e alertasse os vizinhos. Cinco armas foram apreendidas. Os assaltantes não conseguiram levar nada da casa.

Ainda segundo o major, a polícia desconfia que a mesma quadrilha que invadiu a casa nesta segunda tentou assaltar uma outra residência na mesma rua na semana passada. Imagens de câmeras de segurança serão usadas para confirmar a suspeita.

Fundação Criança de São Bernardo do Campo é invadida por criminosos

Ladrões roubaram monitores de LCD, TV, celulares e computador.
Prejuízo da instituição municipal chega a R$ 100 mil, diz presidente.

Foto: Paulo de Souza/ ABCDIGIPRESS/ AE

A Fundação Criança de São Bernardo do Campo, no ABC, foi invadida por quatro criminosos na manhã deste domingo (23). O grupo roubou 10 monitores de LCD, uma TV de plasma de 42 polegadas, um computador, um notebook e 28 celulares institucionais. De acordo com o presidente da instituição, que fica no Bairro Assunção, o prejuízo é de cerca de R$ 100 mil.

Os criminosos rederam o vigia e o prenderam em uma sala. Eles arrombaram a porta de entrada, armários e portas internas, além de danificar e jogar água no sistema de informática da Fundação Criança.

“Na semana passada foi instalada a fiação para a colocação de alarmes e câmeras de segurança. Um dia antes do sistema começar a funcionar isso acontece. O prejuízo chega a R$ 100 mil”, afirmou Ariel de Casto Alves, presidente da Fundação Criança.

A Fundação Criança de São Bernardo do Campo é uma instituição municipal que presta serviços a crianças e jovens em situação de vulnerabilidade. Ela mantém programas de liberdade assistida, atendimento a jovens e crianças envolvidas com drogas e vítimas de violência sexual. Por ano, 9 mil crianças, jovens e familiares passam pela fundação.

Fonte: G1

Vândalos invadem e furtam escola em Sorocaba

Estragos foram constatados na manhã desta segunda (19).
Duas janelas foram arrombadas; portão de ferro foi levado.

Da Agência Estado

Depois de ter o muro derrubado por um carro, a Escola Municipal Professor Norma Justa Dall’ara, no Parque Vitória Régia I, Zona Norte de Sorocaba, cidade do interior de São Paulo, foi invadida e depredada por vândalos neste final de semana. O problema só foi constatado na manhã desta segunda-feira (19), com a chegada dos funcionários.

Duas janelas e uma porta foram arrombadas, um portão de ferro foi levado e vários pacotes de alimentos usados para a merenda escolar foram espalhados na área externa da escola.

Segundo informações da diretora da escola, Leila Prado Alves da Silva, o alarme existente no local não chegou a ser acionado. O equipamento de segurança é controlado pela Guarda Civil Municipal, que, em situações semelhantes, envia carros até os prédios públicos municipais imediatamente após o alerta.

A invasão pode ter ocorrido pelos fundos da escola, onde um muro foi derrubado ao ser atingido por um carro, durante a madrugada de sábado (17). Para os guardas-civis que estiveram no local, a queda do muro não tem relação com o vandalismo praticado na escola.

“Alguém bateu o carro no muro por razões desconhecidas, facilitando a entrada dos responsáveis pelos prejuízos”, diz a diretora da escola. O causador do acidente não foi identificado. Apesar dos estragos, as aulas para os quase 1.500 alunos que frequentam o estabelecimento não foram suspensas.