Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Jabaquara

Bairro líder de roubo de carro não muda após um ano

Gio Mendes – JT
Quem mora ou precisa trafegar de carro pelas ruas dos bairros do Jabaquara, na zona sul de São Paulo, e da Lapa, na zona oeste, tem grande chance de se tornar uma vítima de ladrões. Já faz um ano que as duas regiões estão entre as líderes no ranking dos locais onde ocorrem, respectivamente, mais roubos e furtos de veículos.

Nos primeiros três meses deste ano, o Jabaquara registrou 393 roubos de carros (sendo a região com mais crimes desse tipo na capital), um aumento de 83,64% em comparação com o mesmo período de 2011, quando houve 214 casos (a segunda no mesmo ranking naquela época).

A Lapa teve aumento de 2,20% no número de furtos de veículos de um trimestre para o outro, passando de 410 casos para 419. Tanto nos três primeiros meses deste ano quanto de 2011, a região foi a que teve mais desses crimes.

Em toda a cidade, 22.404 veículos foram parar nas mãos de criminosos de janeiro a março deste ano, média de 246 roubos e furtos por dia. É um crescimento de 13,82% nesses tipos de crimes em relação aos primeiros três meses do ano passado, quando 218 veículos eram roubos ou furtados diariamente no município. O comandante-geral da PM, Roberval Ferreira França, que assumiu o cargo em abril, já afirmou que o combate ao roubo e furto de veículos será prioridade para que os índices sejam reduzidos.

Especialista em segurança pública e professor de Direito Penal da Universidade de São Paulo (USP), David Teixeira de Azevedo acredita que faltou planejamento ao longo de um ano para evitar que os mesmos bairros fossem alvo da ação de ladrões de carros. “O melhor modo de coibir o crime ainda é o policiamento preventivo.” Para o especialista, parte dos veículos roubados e furtados vai parar em desmanches ou é vendida para outros Estados. Recentemente, a Polícia Civil descobriu que carros roubados eram negociados pela internet.

O comerciante Roberto Silva, de 48 anos, disse que falta policiamento na Rua das Grumixamas, uma das vias do Jabaquara que são alvo dos ladrões de veículos. “Nunca fui assaltado em 18 anos, mas moradores de prédios vizinhos já tiveram os carros levados por ladrões armados.

Quando tem policiamento, fica tranquilo. Mas depois que a polícia para a ronda, os bandidos voltam”, afirmou Silva.

O capitão Marcelo David Vieira, comandante da 1.ª Companhia do 3.º Batalhão da PM, responsável pelo policiamento do Jabaquara, reconhece a dificuldade em manter patrulhamento constante em determinadas ruas. “Nós tentamos fazer uma prevenção ali (na Rua das Grumixamas), mas nem sempre podemos manter a viatura o dia inteiro num mesmo local, pois os policiais precisam patrulhar outras vias”, disse Vieira. Segundo ele, desde o começo deste ano foi intensificado o patrulhamento com moto.

A mesma dificuldade foi apontada pelo tenente Gabriel Rodrigues Benites Alves, do 4.º Batalhão, responsável pelo policiamento da Lapa.

Segundo ele, a corporação faz um mapeamento das ruas com mais furtos e distribui as equipes em horários estratégicos. “Mas quando se combate o crime em uma rua, os ladrões vão para a de trás”, afirmou Alves.

Os bairros de Pinheiros e Perdizes também aparecem no ranking dos locais com mais furtos de carros. O capitão Eliel Pedro Tomazi, do 23.º Batalhão, responsável pelas duas áreas, disse que os ladrões migram de uma rua para outra conforme a atuação da PM. “Se a viatura passa por uma rua em determinado horário, os criminosos vão para outra ou furtam no período que a via fica sem ronda. O furto é um crime de difícil combate, pois acontece de forma rápida”, afirmou. Procurados pela reportagem, os batalhões responsáveis pelos bairros Jardim Miriam, zona sul, e São Mateus, zona leste, não se manifestaram.

Colaborou Camilla Haddad

Confira o que abre e o que fecha neste carnaval em SP

Bancos estarão fechados na segunda e na terça-feira na capital paulista.
Meios de transporte terão horários especiais.

O feriado do carnaval irá alterar o funcionamento de diversos serviços públicos na cidade de São Paulo. Órgãos privados, como os bancos, estarão fechados durante todo o feriado. Os shoppings paulistanos estarão abertos em horários diferenciados.

O Metrô, a CPTM e os ônibus que passam pela capital paulista funcionarão em esquema especial. Confira abaixo o que abre e o que fecha neste carnaval.

Bancos
Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), os bancos estarão fechados na segunda (20) e na terça-feira (21). O expediente volta ao normal na quarta-feira (22), a partir das 12h.

Metrô
O Metrô irá adotar um esquema especial para atender os passageiros que deixarem a cidade neste carnaval. As composições farão mais viagens na noite desta sexta-feira em direção aos terminais rodoviários do Tietê, Jabaquara e Barra Funda.

No sábado e no domingo, o Metrô irá funcionar como em um final de semana normal. Na segunda-feira, a frota de trens em circulação será igual a de um sábado. Na terça, a oferta de viagens será semelhante a de um domingo.

Nas linhas 1-Azul, 3-Vermelha e 4-Amarela, a abertura das estações será antecipada para as 4h na quarta-feira de cinzas. Na Linha 2-Verde, a abertura será antecipada para as 4h30.

Trens
Os trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) irão circular neste sábado e no domingo como em um final de semana comum. Na segunda-feira, as viagens acontecerão como em um sábado. Na terça, os trens circularão como em um domingo típico.

Ônibus
A SPTrans, empresa responsáveis pelos ônibus municipais paulistanos, irá oferecer duas linhas especiais para os foliões que irão para sambódromo nesta sexta e sábado. Os ônibus sairão do Terminal Barra Funda e da Estação Tietê do Metrô, com destino ao Anhembi, a partir das 17h de cada dia. Eles irão circular até as 9h do dia seguinte.

No restante da capital paulista, os ônibus circularão com 70% da frota no sábado e na segunda-feira. No domingo e na terça-feira, eles irão trabalhar com 50% da frota. Na quarta-feira, segundo a SP Trans, o fluxo volta ao normal.

Rodízio
Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o rodízio municipal de veículos estará suspenso na segunda e na terça-feira de carnaval e na quarta-feira de cinzas. A fiscalização volta a funcionar apenas na quinta-feira.

Shoppings
Os shoppings da cidade de São Paulo abrirão no sábado e na segunda-feira do feriado das 10h às 22h. No domingo e na terça-feira, segundo a AllShop, as praças de alimentação abrem às 11h e as lojas às 14h, e permanecem abertas até as 21h. Na quarta de cinzas, os estabelecimentos funcionam a partir das 12h.

Saúde
As AMAs tradicionais funcionarão normalmente durante este carnaval. As AMAs Especialidades e as UBS atenderão no sábado das 7h às 19h e fecharão na segunda e na terça-feira. Na quarta-feira, reabrem a partir das 12h. Os hospitais e prontos-socorros atenderão todos os dias.

Educação
Nos Centros de Educação Unificados (CEUs), segundo a Prefeitura, haverá atividades de lazer e recreação todos os dias nos horários habituais.

Correios
Cerca de 30 unidades de São Paulo funcionarão no sábado das 8h até as 12h – entre elas estão a do Tatuapé, Santana, Adolfina de Pinheiros, Aeroporto de Congonhas. A do Anhangabaú, no Centro da capital paulista, estará aberta até as 14h. A agência do aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, terá plantão durante todos os dias do feriado. Na quarta-feira, as agências voltam a funcionar a partir das 12h.

Abastecimento
Segundo a Prefeitura, os mercados municipais irão abrir normalmente na sexta-feira, sábado e domingo. Na terça (21), vão funcionar apenas os mercados Central Leste e Vila Formosa, das 7h às 13h, Pirituba, das 7h às 14h, e Penha, Ipiranga e Sapopemba, das 8h às 13h.

Os sacolões funcionarão todos os dias. O City Jaraguá, das 6h30 às 16h, o Santo Amaro, das 7h às 12h, o Brigadeiro, das 7h às 13h, o Butantã, das 7h às 13h30, o Rio Pequeno e Bela Vista, das 7h às 14h, o Avanhandava, Piraporinha e Cohab Adventista, das 7h às 14h30, o Cidade Tiradentes, Freguesia do Ó e Estrada do Sabão, das 7h às 15h, o Jaraguá, das 7h às 16h; e o Lapa, das 7h às 18h30. Os sacolões do Jaguaré, de São Miguel e de João Moura não funcionarão neste período.
As feiras livres atenderão nos locais e horários habituais, à exceção da segunda-feira (20), de acordo com a Prefeitura.

Assistência Social
A Loja Social, o Centro de Referência de Assistência Social (Cras), a Coordenadoria de Assistência Social e o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) não funcionarão entre domingo e terça-feira. Os demais serviços sociais funcionarão normalmente.

Cultura
Na segunda-feira (20), o Beco do Pinto, Capela do Morumbi, Casa da Imagem, Casa do Bandeirante, Casa do Grito, Casa Modernista, Casa do Tatuapé, Monumento à Independência, Pavilhão das Culturas Brasileiras, Sítio da Ressaca, Sítio Morrinhos e Solar da Marquesa de Santos não abrirão. As casas históricas funcionarão das 9h até as 17h.

No sábado e no domingo, o Centro Cultural São Paulo, a Galeria Olido, o Museu do Theatro Municipal, o Teatro Cacilda Becker, o Theatro Municipal e o Teatro Zanoni Ferrite estarão abertos. O Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso estará fechado todos os dias.

Esportes
Nos Clubes Escola, a Prefeitura irá realizar atividades nos dias 18,19 e 21. No dia 20, alguns clubes fecham para serviços de manutenção.

Subprefeituras
As Praças de Atendimento não funcionarão todo o feriado. Os trabalhos voltam ao normal na quarta-feira, a partir das 12h.

Trabalho
Na segunda e na terça-feira, as unidades móveis e fixas do Centro de Apoio ao Trabalho (CAT) não atenderão ao público. O serviço volta a funcionar na quarta-feira, após as 12h. As unidades do banco de microcrédito São Paulo Confia abrirão apenas na quinta-feira (23).

Verde e Meio Ambiente
Os parques municipais abrirão todos os dias nos horários habituais, exceto o Parque Jardim da Luz, que não funciona às segundas-feiras.

Operação Verão da PM em SP terá reforço de 2 mil policiais

Policiais vão garantir a segurança em cidades do litoral.
Número de bafômetros passará de 100 para 327.

Do G1 SP

A Polícia Militar de São Paulo realiza a partir do dia 29 deste mês a Operação Verão, com o reforço de 2 mil policiais em 15 municípios litorâneos, represas e terminais de passageiros que têm movimento aumentado durante a estação. A operação vai até 31 de janeiro de 2012.

Dos 2 mil policiais militares, 1,2 mil reforçarão a segurança da Baixada Santista e Litoral Sul. Outros 400 serão destinados às cinco cidades do Litoral Norte e 400 às represas Guarapiranga e Mairiporã e aos terminais rodoviários da capital, como Tietê e Jabaquara.

As tropas que reforçarão o efetivo virão de unidades territoriais, do Choque, Rodoviária, Ambiental e Bombeiros. As praias terão um reforço de 158 policiais do Corpo de Bombeiros. O policiamento rodoviário receberá mais 48 policiais. O policiamento de Choque também participará da operação com mais 37 policiais militares. Outra forma de policiamento, o Ambiental, receberá mais 22 policiais militares. Além disso, a corregedoria receberá mais oito policiais.

A Operação Verão contará também com reforço de 235 carros da corporação e 15 bases comunitárias móveis da PM. Serão destinadas ao Litoral Sul 176 carros mais dez bases comunitárias. O litoral Norte receberá 59 veículos e cinco bases comunitárias.

Tablets
Todas os veículos da Polícia Militar na região já estão equipados com tablets, computadores com telas sensíveis ao toque, que permitem consultas aos bancos de dados civis e criminais, feitas da rua. Os tablets também agilizam a comunicação dos policiais em patrulhamento com as unidades de comando, ao permitirem, por exemplo, o envio de relatórios e informações.

O número de helicópteros destinados aos municípios litorâneos também aumentou. Das atuais duas aeronaves, uma baseada no Litoral Norte e outra no Sul, a região passará a contar com sete helicópteros nos finais de semana. Nos dias úteis, cinco helicópteros serão utilizados para o patrulhamento, socorro a afogados e resgate de feridos.

O helicóptero Pelicano, da Polícia Civil, estará de prontidão em São Paulo, e também poderá ser acionado, se necessário.

O policiamento rodoviário contará mais radares móveis, fixos e leitores de placas. Além dos equipamentos disponíveis na região, os policiais rodoviários utilizarão 42 leitores de placa (tipo OCR), 116 radares móveis e 213 fixos, do DER.

Durante a Operação Verão, tanto os policiais rodoviários como os que trabalham nas cidades realizarão fiscalização de embriaguez ao volante, com cem bafômetros. Em janeiro, chegarão novos 227 equipamentos, totalizando 327 bafômetros.

Polícia Civil
Durante a Operação Verão, a Polícia Civil reforçará as atividades de polícia judiciária: registro de ocorrências, investigação criminal e envio de inquéritos à Justiça. Serão suspensas férias e licenças prêmio durante a operação. Todos os policiais reforçarão o efetivo das delegacias, inclusive os que fazem serviços administrativos, esclareceu o delegado geral de Polícia, Marcos Carneiro Lima.

Confira o que abre e o que fecha no feriado da República em SP

Metrô terá operação especial; ônibus irão circular com frota reduzida.
Segundo CET, cerca de 1,6 milhão de veículos devem deixar a cidade.

Neste feriado prolongado da Proclamação da República, diversos órgãos públicos funcionarão em regime especial na cidade de São Paulo. Os paulistanos que não foram viajar devem ficar atentos ao funcionamento das repartições.

O Poupatempo e os bancos não funcionarão na terça-feira (15), dia do feriado. Na segunda (14), o funcionamento será normal.
De acordo com a SPTrans, os ônibus circularão com frota reduzida durante este fim de semana prolongado. Os trens e o Metrô também terão operação especial. O rodízio municipal de veículos será suspenso na segunda e na terça, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Confira abaixo o que abre e o que fecha em São Paulo.
Trânsito
A CET informou que o rodízio municipal de carros será suspenso na segunda e na terça-feira. No entanto, a Zona de Restrição Máxima para os caminhões valerá na segunda-feira. A companhia espera que 1,6 milhão de carros deixem a capital paulista. A estimativa é feita com base nos números divulgados pelas concessionárias responsáveis pelas estradas.

Transporte
Segundo a SPTrans, empresa responsável pelos ônibus na cidade de São Paulo, a frota de veículos coletivos será reduzida nos dias do feriado. No sábado (12) e na segunda-feira (14), os ônibus irão circular com 70% da frota. No domingo (13) e na terça-feira (15), esse número será reduzido para 50%.

A Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) informou que irá circular com 50% da frota na terça-feira. Na segunda, a operação será de um dia útil normal.

Trens e Metrô
O Metrô irá aumentar o número de viagens durante a noite desta sexta-feira (11) na Linha 1 – Azul para facilitar o acesso aos terminais rodoviários do Jabaquara e do Tietê. Na segunda-feira, a circulação de trens será igual a de um dia útil. Na terça, a operação será semelhante a de um domingo.

Segundo a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), a circulação dos trens acontecerá com maior intervalo de tempo por conta de obras de manutenção que serão realizadas nas vias.

Bancos
As agências bancárias da capital paulista estarão abertas na segunda-feira. De acordo com a Febraban, na terça-feira não haverá expediente.

Poupatempo
Os postos do Poupatempo não abrirão no dia do feriado, na terça-feira. O Disque-Poupatempo também não irá funcionar. O serviço funcionará normalmente na segunda-feira.

Correios
As agências dos Correios abrirão normalmente na segunda-feira. Na terça, segundo a empresa, somente a agência do aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, estará de plantão.

Abastecimento
No dia 15, os sacolões e mercados devem abrir, com exceção dos da Lapa, de Pinheiros, de Santo Amaro e de São Miguel. As feiras livres atenderão nos locais e horários habituais.

Assistência Social
Estarão abertos nos dias 14 e 15, apenas os serviços de emergência e acolhida que são oferecidos o dia inteiro: Abrigos, Centros de Acolhida e Central de Atendimento Permanente e de Emergência.

Cultura
Funcionarão nos dias 14 e 15 o Centro Cultural São Paulo, o Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso, a Galeria Olido, o Teatro Municipal, o Museu do Teatro Municipal, o Teatro Cacilda Becker, o Sítio da Ressaca, o Sítio Morrinhos, a Capela do Morumbi, a Casa do Bandeirante, a Casa do Grito, a Casa Modernista, a Casa do Tatuapé, o Monumento à Independência, o Pavilhão das Culturas Brasileiras e o Ponto de Leitura do Piqueri.

Educação
Não haverá aula na segunda e terça-feira, e os Centros Educacionais Unificados abrirão para atividades esportivas e culturais nos horários habituais.

Esporte
Os Clubes da Cidade e os Clubes Escola abrirão nos dias 14 e 15 só para as atividades esportivas e de lazer, nos horários habituais.

Saúde
Os hospitais e prontos-socorros funcionarão ininterruptamente. As Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs) tradicionais abrem de segunda a sábado das 7 às 19 horas. As AMAs Especialidades fecham nos dias 14 e 15 e voltam a funcionar normalmente na quarta-feira (16). As AMAs que funcionam 24 horas abrem todos os dias, sem interrupções. As Unidades Básicas de Saúde (UBS) e os Ambulatórios de Especialidades fecham nos dois dias, voltando a funcionar na quarta.

Subprefeituras
As Praças de Atendimento não funcionarão durante o feriado prolongado. O funcionamento volta ao normal no dia 16.
Trabalho
Os postos do Centro de Apoio ao Trabalho (Cat), da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho e da Tenda do Trabalhador não prestarão serviço ao público na segunda e terça. Já as agências do banco de microcrédito “São Paulo Confia” que estão instalados fora dos postos do CAT e das sedes das Subprefeituras funcionarão normalmente na segunda. No dia 15 estarão fechadas.

Verde e Meio Ambiente
Os Parques Municipais funcionarão no horário habitual. Os parques da Luz e Guarapiranga não abrirão na segunda-feira.

Campo Limpo e Jabaquara têm mais crimes

Por Gio Mendes e Tiago Dantas – JT

Uma série de roubos praticados por ladrões em motos tem preocupado os moradores dos bairros do Campo Limpo e do Jabaquara, na zona sul de São Paulo. As duas regiões lideram o ranking das delegacias que mais registraram casos de violência neste ano. Foram 3.665 ocorrências no Campo Limpo de janeiro a setembro, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP). O Jabaquara teve 3.244 ocorrências no mesmo período. Das dez delegacias com o maior número de crimes violentos, seis ficam na zona sul.

O levantamento, tabulado pelo JT, exclui casos de furto – cometidos sem violência e ameaça contra as vítimas. Mas considera crimes de natureza culposa (sem intenção), como homicídios e lesões corporais em acidentes de trânsito.

Os roubos de pedestres, motoristas e residência predominam nesses bairros. O Campo Limpo registrou 2.559 assaltos à mão armada, contra 2.507 no Jabaquara. Os assaltos cometidos por motoqueiros assustam quem mora próximo da Estação Campo Limpo da Linha 5-Lilás do Metrô.

Desde o início do ano, duas casas e um salão de beleza foram roubados na Rua Guanajá, por homens de moto, de acordo com a cabeleireira Cirênia Souza, de 27 anos. Ela foi uma das vítimas. “A gente não sabe de onde são esses caras (motoqueiros), mas fica assustada”, disse.

As polícias Civil e Militar não informaram quantos roubos são praticados por motoqueiros, mas admitiram que eles são responsáveis por grande parte dos assaltos. O delegado Dimas Pinheiro, titular do 37.º DP (Campo Limpo), afirmou que universitários têm sido alvo de ladrões de moto nos últimos meses. “Os criminosos atacam principalmente mulheres nos pontos de ônibus, assim que elas saem dos cursos à noite”, disse Pinheiro, referindo-se às alunas das universidades Anhanguera e Uniban, ambas na Estrada do Campo Limpo. “A nossa investigação está em andamento, alguns ladrões foram identificados e as prisões temporárias e preventivas estão sendo pedidas”, afirmou o delegado.

A ação dos assaltantes motoqueiros também acontece com frequência no Jabaquara, de acordo com Miriam Eboli Bock, presidente do Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) da região. “Tem época que esses motoqueiros fazem um verdadeiro arrastão no bairro. Quando a polícia aperta a fiscalização, montando bloqueios, a gente percebe que a situação melhora”, disse Miriam.

O delegado Genésio Léo Júnior, titular do 35.º DP (Jabaquara), afirmou que o patrulhamento da PM tem ajudado a combater esses roubos. “Já a Polícia Civil investiga todos os casos para identificar as quadrilhas.

Não existe uma preferência em combater apenas determinado tipo de crime, mas claro que privilegiamos os casos com violência e grave ameaça”, disse.

Segundo o capitão Cleodato Moisés do Nascimento, porta-voz do Comando de Policiamento da Capital (CPC), a PM realiza há sete meses a Operação Cavalo de Aço procurando diminuir os crimes cometidos por motoqueiros. Segundo o capitão, de março até o mês passado a PM fiscalizou 75.336 motos em vários pontos da capital. Desse total, 94 motoqueiros foram presos com motos roubadas ou furtadas. Outras 7.382 motos foram apreendidas pela polícia por falta de documentação e por irregularidades nas peças.

Outro índice preocupante nas regiões é o de lesão corporal dolosa (quando há intenção de ferir), que ocorre principalmente em brigas entre vizinhos e parentes. Foram 471 casos desse tipo no Campo Limpo e 474 no Jabaquara. O número de lesões corporais em acidentes de trânsito é alto no Campo Limpo, com 448 casos. Outros acidentes terminaram em 12 mortes. De acordo com o capitão Moisés, para tentar reduzir os casos de acidentes de trânsito com mortos e feridos, a PM também realiza blitze com o objetivo de deter motoristas que dirigem embriagados ou em alta velocidade.

Os casos de lesão corporal dolosa, provocados por brigas, são difíceis para a polícia combater. “São brigas dentro de casa, no trânsito ou em bar. É um tipo de ocorrência difícil de acabar porque acontece longe da ação da polícia”, disse o delegado do 35.º DP.

Preso bando que torturava vítimas

Por Camilla Haddad – Jornal da Tarde

Com requintes de crueldade, uma quadrilha assaltava casas em áreas nobres da zona sul, jogava álcool no corpo das vítimas e ameaçava atear fogo caso elas não indicassem a localização dos cofres. Segundo a polícia, desde abril, pelo menos dez residências foram atacadas dessa forma. Três homens estão presos acusados de cometer os crimes e outros quatro estão foragidos. O caso foi apresentado ontem pelo Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic).

A estimativa dos investigadores é que os assaltantes praticavam até quatro roubos por semana. Quando saíam dos residências, os ladrões seguiam para a casa, na Favela Alba, na zona sul, e vendiam todos objetos de valor para a comunidade, entre eles televisores, DVDs, joias, roupas de grife e notebooks a preços bem menores do que realmente valiam. O comércio era feito de porta em porta, segundo contaram os policiais civis.

O bando agia nos bairros do Campo Belo, Jabaquara, Moema e Jardim Aeroporto. Preferiam horários em que os donos das casas saíam para trabalhar, entre 6h e 7h. Existem relatos de abordagens no retorno do trabalho, às 19h. A escolha de cada vítima era feita após um dos integrantes do bando fazer observações da rotina dos moradores – qual carro tinha e horário que entrava na casa.

Na lista de vítimas, está um casal de alemães moradores do Campo Belo. Depois de entrarem na casa às 6h, cinco assaltantes renderam uma mulher de 77 anos e o marido, de 88. Para intimidar, apagaram todas as luzes e usavam uma lanterna para identificar os bens da família. Na mesma região, uma aposentada de 93 anos foi ameaçada de morte caso o genro dela, de 63 anos, não entregasse joias e dinheiro.

O delegado Francisco Solano de Santana, da Delegacia de Repressão a Roubos e Extorsões, explica que o suspeito mais perigoso e violento, tido como o líder do bando, está entre os detidos. Gerson Roberto dos Santos, o Coelho, tem 26 anos, foi capturado em 11 de agosto, após trocar tiros com a Polícia Militar em um roubo.

Ele já chegou a ser reconhecido por duas vítimas porque tinha um detalhe diferente dos comparsas: usava aparelho nos dentes. Além dele, também estão presos Rodrigo Bispo da Silva, de 29, e Ricardo Araujo Correia, de 39. Os dois foram pegos em 14 de setembro após um crime em um imóvel no Campo Belo.

Dos dez boletins de ocorrência registrados no 35º DP (Jabaquara) e 27º DP (Campo Belo), duas vítimas reconheceram o grupo. Segundo o delegado, a ação dos assaltantes é tão violenta que as vítimas têm medo de fazer o reconhecimento por causa do trauma. Normalmente os ameaçados eram os idosos e crianças. “Fazemos um apelo para que as vítimas nos procurem”, disse Solano.

Imagens podem ajudar a identificar suspeitos de matar bombeiro

Câmeras de monitoramento de prédio registraram parte da ação.
Sargento foi morto após reagir a assalto na Zona Sul de SP.

Juliana Cardilli
Do G1 SP

A Polícia Civil vai usar imagens das câmeras de monitoramento do prédio em frente ao local onde o sargento dos bombeiros Renato Leite Barboza, de 37 anos, foi assassinado na noite desta terça-feira (16) durante uma tentativa de assalto, para tentar identificar os suspeitos do crime.
Segundo o delegado Alessandro Neves Baroni, que registrou o caso no 27º Distrito Policial, no Campo Belo, Zona Sul de São Paulo, o prédio que fica em frente ao local do crime também tem imagens da ação. As gravações, entretanto, não são de boa qualidade e serão enviadas para a perícia.

Bombeiro foi morto ao chegar a prédio do irmão (Foto: Juliana Cardilli/G1)

Bombeiro foi morto ao chegar a prédio do irmão (Foto: Juliana Cardilli/G1)

O sargento foi morto com um tiro no peito na frente ao prédio onde morava o irmão dele na região do Jabaquara. Ele havia acabado de parar o carro na rua após buscar uma pizza com os filhos gêmeos de 4 anos quando foi abordado pelos assaltantes. Ele reagiu e houve troca de tiros. Além do bombeiro, um dos criminosos e um zelador do prédio foram baleados. O suspeito permanece internado. O zelador foi atingido na perna e seria liberado do hospital nesta manhã. Além do suspeito baleado, outro foi preso.

“Vimos as imagens no prédio durante a madrugada, mas não dá para saber se será possível identificar os criminosos”, explicou o delegado. As gravações deveriam ser disponibilizadas para a polícia ainda nesta quarta-feira (17).

O carro no qual os criminosos estavam quando abordaram o sargento havia sido roubado cerca de dez minutos antes na mesma região. O proprietário do veículo reconheceu os dois homens detidos. “Ele contou que foi abordado por um carro com quatro indivíduos”, contou o delegado. Por isso, a polícia acredita que quatro homens participaram da ação contra o bombeiro – sendo que dois estão foragidos.

PM vai panfletar contra roubo a banco

25 de maio de 2011

CAMILLA HADDAD

Policiais militares vão distribuir panfletos com alertas de segurança nas agências bancárias da capital, principalmente no setor de autoatendimento e na entrada dos estabelecimentos. O material é ilustrado com desenhos que representam situações pelas quais passam os funcionários de bancos e os clientes.
A medida passa a valer na próxima semana e faz parte de uma estratégia montada pela corporação para combater crimes como ‘saidinha de banco’, sequestro de gerentes e roubos. De madrugada, a ronda foi reforçada no lado de fora até as 6h40 – para evitar os ataques a caixas eletrônicos, que cresceram muito neste ano.
A operação, chamada pela PM de “Saque Seguro”, começou ontem com visitas de policiais aos gerentes e demais funcionários e também conscientização de clientes. O trabalho é desenvolvido das 10h às 16h. Parte do efetivo do bairro entrou nos bancos, andou pelas filas e fez patrulhamentos nos estacionamentos conveniados, o que antes não acontecia.
Os responsáveis pelas visitas são soldados do bairro. Além deles, a PM chamou 32 homens do setor administrativo que receberam treinamento para atuar nas agências consideradas mais críticas. Os bancos entregaram à Polícia Militar uma lista com endereços de agências com maior número de crimes. Entre elas estão estabelecimento no Morumbi, Jabaquara (zona sul), Santana (norte) e Butantã (oeste).
Aplausos
A novidade chamou a atenção. Em uma das agências onde foi feita a visita houve aplausos dos clientes, segundo a Polícia Militar. Em Santana, o funcionário de um estacionamento diz ter se surpreendido com a chegada de duas viaturas. Ele contou que pensou ter havido um roubo, perguntou para os policiais o que estava acontecendo e foi informado sobre a operação.
Em todas as agências visitadas, os gerentes assinam uma espécie de lista de presença trazida pelos PMs, para comprovar que a ronda passou pelo local.
O coronel Marcos Chaves, comandante do policiamento da capital, afirma que espera uma reação positiva das pessoas. Segundo o oficial, uma das metas é justamente a criação de “vínculo” entre funcionários, clientes e policiais do bairro.
“Hoje (ontem) foram 400 agências visitadas” afirmou Chaves. “Aparentemente, o objetivo foi alcançado. Essa aproximação é importante. Se cria uma amizade, o policial começa a interpretar as reações das pessoas e assim pode identificar se há algo errado acontecendo”, avalia.
O especialista em segurança Felipe Gonçalves considera a ronda “muito efetiva”. “A pessoa mal intencionada vai pensar duas vezes antes de agir”, explica. Gonçalves diz ainda que a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) também deve intensificar a prevenção e a segurança.
O diretor setorial de Segurança Bancária da Febraban, Pedro Oscar Viotto, disse que a parceria com a PM é importante. “O reforço do policiamento na região da agência beneficia todo o entorno, diminuindo a criminalidade de maneira geral.” Para a Febraban, a principal recomendação é não comentar com estranhos sobre saques de grandes valores.
O Banco do Brasil, que ontem teve uma visita na agência da Rua Voluntários da Pátria, em Santana, informou, em nota, que constantemente orienta seus funcionários através de palestras que abordam temas relacionados com a segurança preventiva; cursos sobre segurança de ambientes e de pessoas; publicações periódicas de mensagens contendo dicas e informações a respeito da segurança bancária, além de adotar instruções normativas específicas para o tratamento do assunto.
Segundo informações da Febraban, a cidade de São Paulo tem 2.449 agências bancárias.