Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Litoral

Criminosos roubam equipamentos avaliados em mais de R$ 18 mil reais

Quatro homens roubaram uma grande quantidade de materiais usados para eventos no começo da manhã desta sexta-feira (31) em Santos, no Litoral de São Paulo. A Polícia Militar conseguiu prender um criminoso e recuperar parte da carga.

As imagens da câmera de monitoramento de um espaço usado para eventos, registraram a ação dos criminosos. Um deles, que estava em uma bicicleta, abre a porta do estabelecimento por volta das 5h. Em seguida, seus comparsas entram correndo no depósito de materiais.

Eles colocam vários equipamentos dentro do caminhão da própria empresa e conseguem fugir.

O proprietário do estabelecimento foi avisado que o local tinha sido roubado. Ele acionou a Polícia Militar mas quando chegou no estabelecimento, os criminosos já tinham fugido.

Após meia hora, a Polícia Militar recebeu uma denúncia de que indivíduos estariam descarregando materiais pesados próximo a um prédio, no bairro da Aparecida. Os policiais militares conseguiram chegar no local indicado a tempo de prender um rapaz de 18 anos, que estava com as chaves do caminhão e do portão do depósito. Grande parte da mercadoria roubada foi recuperada. Alguns equipamentos acabaram sendo danificados no transporte. O dono do depósito estima que teve um prejuízo de R$ 18 mil reais.

Os outros criminosos ainda não foram encontrados. A polícia suspeita que um funcionário do local esteja envolvido no roubo já que o alarme da loja disparou e um dos bandidos sabia a senha para desligá-lo.

G1

Litoral lidera ranking de homicídios em São Paulo

O litoral é a região com a maior taxa de casos de homicídios dolosos (intencionais) do Estado de São Paulo. Na lista das dez cidades mais violentas do Estado, três ficam lá. Caraguatatuba, no litoral norte, lidera o ranking.

Enquanto o Estado de São Paulo atingiu em 2011 sua menor taxa histórica de homicídios, com 10,05 casos para cada grupo de 100 mil habitantes, considerando os dados oficiais do governo, o índice no litoral foi de 14,61. Foram 277 homicídios nas 15 cidades do litoral em 2011, dois a mais que em 2010.

Caraguatatuba puxou o índice do litoral para cima, com aumento de 30,3% –43 homicídios em 2011 contra 33 em 2010–, o que levou a cidade ao topo do ranking.

Stênio Pierrotti, vice-presidente da Associação Comercial de Caraguatatuba e integrante do Conseg (conselho de segurança) da cidade, disse que a chegada de turistas é a principal responsável pela criminalidade na cidade.

Fonte: Folha.com (Cotidiano)

Operação Verão da PM em SP terá reforço de 2 mil policiais

Policiais vão garantir a segurança em cidades do litoral.
Número de bafômetros passará de 100 para 327.

Do G1 SP

A Polícia Militar de São Paulo realiza a partir do dia 29 deste mês a Operação Verão, com o reforço de 2 mil policiais em 15 municípios litorâneos, represas e terminais de passageiros que têm movimento aumentado durante a estação. A operação vai até 31 de janeiro de 2012.

Dos 2 mil policiais militares, 1,2 mil reforçarão a segurança da Baixada Santista e Litoral Sul. Outros 400 serão destinados às cinco cidades do Litoral Norte e 400 às represas Guarapiranga e Mairiporã e aos terminais rodoviários da capital, como Tietê e Jabaquara.

As tropas que reforçarão o efetivo virão de unidades territoriais, do Choque, Rodoviária, Ambiental e Bombeiros. As praias terão um reforço de 158 policiais do Corpo de Bombeiros. O policiamento rodoviário receberá mais 48 policiais. O policiamento de Choque também participará da operação com mais 37 policiais militares. Outra forma de policiamento, o Ambiental, receberá mais 22 policiais militares. Além disso, a corregedoria receberá mais oito policiais.

A Operação Verão contará também com reforço de 235 carros da corporação e 15 bases comunitárias móveis da PM. Serão destinadas ao Litoral Sul 176 carros mais dez bases comunitárias. O litoral Norte receberá 59 veículos e cinco bases comunitárias.

Tablets
Todas os veículos da Polícia Militar na região já estão equipados com tablets, computadores com telas sensíveis ao toque, que permitem consultas aos bancos de dados civis e criminais, feitas da rua. Os tablets também agilizam a comunicação dos policiais em patrulhamento com as unidades de comando, ao permitirem, por exemplo, o envio de relatórios e informações.

O número de helicópteros destinados aos municípios litorâneos também aumentou. Das atuais duas aeronaves, uma baseada no Litoral Norte e outra no Sul, a região passará a contar com sete helicópteros nos finais de semana. Nos dias úteis, cinco helicópteros serão utilizados para o patrulhamento, socorro a afogados e resgate de feridos.

O helicóptero Pelicano, da Polícia Civil, estará de prontidão em São Paulo, e também poderá ser acionado, se necessário.

O policiamento rodoviário contará mais radares móveis, fixos e leitores de placas. Além dos equipamentos disponíveis na região, os policiais rodoviários utilizarão 42 leitores de placa (tipo OCR), 116 radares móveis e 213 fixos, do DER.

Durante a Operação Verão, tanto os policiais rodoviários como os que trabalham nas cidades realizarão fiscalização de embriaguez ao volante, com cem bafômetros. Em janeiro, chegarão novos 227 equipamentos, totalizando 327 bafômetros.

Polícia Civil
Durante a Operação Verão, a Polícia Civil reforçará as atividades de polícia judiciária: registro de ocorrências, investigação criminal e envio de inquéritos à Justiça. Serão suspensas férias e licenças prêmio durante a operação. Todos os policiais reforçarão o efetivo das delegacias, inclusive os que fazem serviços administrativos, esclareceu o delegado geral de Polícia, Marcos Carneiro Lima.

Dados mostram que criminalidade permanece alta na região

De A Tribuna On-line

Enquanto as ocorrências envolvendo o tráfico de drogas aumentam, o número de homicídios cai na Baixada Santista e Vale do Ribeira. Dados divulgados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP) indicam que nos últimos 12 meses houve mais prisões em toda a região (233), mas a incidência de crimes permanece alta, principalmente na temporada de verão, quando aumenta o fluxo de pessoas por todo o litoral.

Só em 2011 foram registrados pelo menos 839 casos de apreensões de entorpecentes. O número representa um aumento de quase 17% em relação ao período anterior, quando houve cerca de 720 ocorrências. Destas, 65 foram flagrantes, que levaram as pessoas ligadas ao crime organizado e os próprios traficantes direto para a cadeia.

Outro índice que também aumentou foi o do furto de veículos que, nos primeiros cinco meses deste ano, registrou total de 2.192 ocorrências em toda a região (9%). A incidência dos demais furtos, que abrange qualquer outra ocorrência que não envolva veículos automotores, também permanece alta, atingindo quase 15 mil casos somente na jurisdição do Deinter-6.

Os roubos ainda não foram controlados, já que houve registro de pelo menos 3% de ocorrências a mais em comparação ao mesmo período de 2010. Nenhuma agência bancária da Baixada e Vale do Ribeira foi assaltada em 2011, entretanto, a Secretaria de Segurança apurou que no período houve 7.188 caos envolvendo roubos gerais, desde caixas eletrônicos até pedestres.

Os bandidos também passam a focar em algo que é bastante presente no litoral, principalmente por causa do Porto de Santos. Pelo menos 133 caminhões tiveram a carga levada pelos bandidos – aumento superior à metade dos índices do ano passado, quando foram registrados 58 casos.

Menos 72 mortos
Em contrapartida, houve uma redução de 22,15% nos homicídios na região nos últimos 12 meses, em comparação com o período compreendido de junho de 2009 a maio de 2010. Foram 253 casos – 72 assassinatos a menos do que no período anterior. De janeiro a maio deste ano, a queda foi de 4,23%, com total de 136 casos, seis a menos do que nos cinco primeiros meses do ano passado.

Em latrocínio, quando há roubo seguido de morte, a Secretaria de Segurança Pública do Estado registrou apenas duas ocorrências a menos em relação aos cinco primeiros meses de 2010. No primeiro balanço deste ano, as delegacias da região registraram ao menos sete casos, dois a menos. Em relação aos últimos 12 meses, houve seis casos a menos do que o mesmo período de 2010.

Notificações
As notificações de crimes também se elevaram, o que contribuiu, de acordo com o SSP, para o aumento das ocorrências. Somente na Delegacia Eletrônica, o número de ocorrências saltou no Estado de São Paulo de 11.860, em janeiro deste ano, para 15.858 em maio.

Também a partir deste ano, as unidades da Polícia Militar passaram a registrar boletins de ocorrência de furto de veículo, desaparecimento ou encontro de pessoas, furto ou extravio de documento, furto ou perda de celular e furto ou perda de placa de veículo.

Homicídios resistem em 54 cidades

Presídios, crack e crescimento desordenado explicam o aumento do número de assassinatos em municípios de quatro regiões de SP

08 de agosto de 2011 | 0h 00

Carlos Lemos, Marcelo Godoy e Rodrigo Burgarelli – O Estado de S.Paulo

Os homicídios resistem em 54 municípios do Estado de São Paulo. Levantamento feito pelo Estado com dados da Secretaria de Segurança Pública mostra que a queda acentuada desse tipo de crime entre 2001 e 2011 (-71,2%) não foi um fenômeno uniforme. Quatro regiões paulistas concentram as cidades que andaram na contramão da evolução da criminalidade: noroeste, nordeste, Vale do Ribeira e litoral.

Por trás desse fenômeno estão a presença de presídios de regime fechado e semiaberto, a proliferação do crack entre cortadores de cana e o crescimento recente e desordenado de algumas dessas cidades.
Para enfrentá-lo, o delegado-geral, Marcos Carneiro Lima, planeja ampliar a atuação do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) para todo o Estado.

“Queremos levar a competência e o padrão de investigação do DHPP para todo o Estado”, afirmou. O levantamento feito pelo Estado levou em consideração somente as cidades cujo aumento de criminalidade por 100 mil habitantes equivalia a três ou mais casos de assassinatos – houve 95 municípios no Estado que registraram uma variação positiva de assassinato de 1 a 2 casos. Nas outras 496 cidades, houve queda nos homicídios ou a taxa se manteve igual ao longo dos últimos 11 anos.

Carneiro apontou a invasão do crack nas áreas rurais do Estado, principalmente em cidades com forte presença de boias-frias, como um dos fatores para explicar a resistência dos assassinatos. Esse seria o caso de Guariba e de Penápolis, que têm na cana de açúcar sua principal atividade econômica.

Em Guariba, foram 5 casos em 2001, mas, este ano, o mesmo número já foi registrado apenas nos seis primeiros meses. Ali o crack chegou primeiro e se espalhou por outras cidades da região de Ribeirão Preto.
Esse é o caso de Penápolis, onde a taxa de assassinatos aumentou quase quatro vezes – de 1,8 por 100 mil habitantes para 6,8. O combate aos homicídios nessas cidades deve passar pelo reforço à repressão às drogas, diz Carneiro.

O levantamento mostra ainda dez das cidades em que houve aumento de homicídios na década tinham em comum o fato de abrigar presídios.
A presença de penitenciárias, de fato, pode causar distorções na estatísticas de homicídios, pois as mortes de presos em brigas na cadeia são registradas nas delegacias das cidades como crimes ocorridos no município. Entre essa cidades estão Valparaíso (100%), Ourinhos(260%) e Presidente Venceslau (228%). “Um ou dois casos de homicídio em cidades pequenas como essas pode fazer uma diferença grande”, afirma o delegado Carneiro.

Litoral e Vale
As duas outras áreas que concentram cidades resistentes são o Vale do Ribeira e o litoral de São Paulo, principalmente a região norte da costa. “A ocupação recente e desordenada em áreas do litoral pode estar por trás disso”, afirmou o coronel José Vicente da Silva, ex-secretário nacional de Segurança Pública. Em Caraguatatuba, o crescimento dos assassinatos ficou em 11% e em Ubatuba chegou a 30%. “A polícia sempre teve dificuldade de manter homens no litoral para preencher seus quadros”, disse.

No Vale do Ribeira, a pobreza da região pode explicar a manutenção das altas taxas de homicídios. Seriam sobretudo casos causados pelo consumo de álcool, por motivos fúteis ou passionais, que, ao contrário dos delitos ligados à crime organizado, são mais difíceis de serem prevenidos.

PARA LEMBRAR

Menor índice em 46 anos

Para se ter uma ideia de como as 54 cidades que tiveram aumento significativo de homicídios estão na contramão do crime no Estado de São Paulo, basta comparar seus dados com os da capital. Em 2001, São Paulo tinha 49,3 assassinatos por cem mil habitantes (5.174 casos). Em 2011, a principal cidade do Estado fechou o primeiro semestre com 470 casos, o que fez a taxa por 100 mil habitantes ficar em 8,3, a menor registrada na capital desde 1965.

Grandes eventos fazem PM reforçar a segurança na capital paulista

Corpus Christi, Libertadores, Brasileiro e Parada Gay movimentam SP.
Serão quase 20 mil policiais militares espalhados pela cidade.

Do G1 SP

A Polícia Militar de São Paulo irá reforçar a segurança na capital paulista a partir desta quarta-feira (22) até domingo (26), quando irão ocorrer grandes eventos na cidade, como o feriado de Corpus Christi, com a saída dos motoristas para o litoral e interior do estado; o jogo final da Copa Libertadores da América; a Marcha para Jesus; uma partida pelo Campeonato Brasileiro; e a 15ª Parada do Orgulho LGBT.

Segundo informou a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública do estado de SP, a PM reforçará o policiamento com 19,3 mil homens, 7,2 mil viaturas e seis helicópteros Águia durante esses cinco dias. Cães e cavalos com policiais militares também vão garantir a segurança da população.

As operações da PM terminarão à meia-noite de domingo (26), com o retorno dos paulistanos que forem passar o final de semana prolongado no litoral e no interior.

Libertadores
Nesta quarta (22), será realizada uma operação especial da PM com mais de 600 policiais para a decisão da Libertadores, entre as equipes de futebol do Santos e do Penãrol, do Uruguai, no Estádio do Pacaembu, na Zona Oeste da capital.

Serão mobilizados 321 policiais do Comando de Policiamento da Capital (CPC), no qual contarão com o apoio de 51 veículos, entre carros e motos.

O 2º Batalhão de Choque irá auxiliar no policiamento interno e na entrada dos torcedores, com 300 policiais e 10 carros. Dois helicópteros Águia irão trabalhar monitorando as torcidas e as imediações do estádio.

O Comando de Policiamento de Trânsito (CPTran) empregará 37 policiais e 30 veículos para cuidará da fluidez do trânsito, travessia de pedestres e segurança nas principais vias de acesso ao estádio.

Operação Visibilidade
Enquanto os torcedores forem ao Pacaembu, a Polícia Militar inicia, simultaneamente, uma operação nas principais rodovias estaduais de SP. Segundo estimativa da PM, 3,5 milhões de pessoas devem pegar a estrada nesse feriado prolongado.

As entradas e saídas da capital, assim como os acessos para as principais cidades do interior e litoral, terão reforço no policiamento em um raio de até 150 quilômetros, com mais de 16 mil policiais militares e 6,8 mil veículos. Um helicóptero Águia auxiliará as equipes terrestres. A Operação Visibilidade será realizada nesta quinta-feira (22), na sexta-feira (23), e no retorno do feriado, no domingo (26).

Marcha para Jesus
Nesta quinta (23), feriado de Corpus Christi, a PM realiza a Operação Marcha para Jesus, que acompanhará, às 10h, a saída dos evangélicos no Metrô Tiradentes, na Luz, seguindo em direção ao Campo de Bagatelle, em Santana, na Zona Norte. A estimativa é que 2,8 milhões e evangélicos participem da marcha, que terá trios elétricos e apresentação de bandas.

A operação contará com 400 policiais dos Comandos de Policiamento de Área Metropolitano 3 e 1 (CPA/M-3 e CPA/M-1).

Além disso, um helicóptero Águia, 260 alunos sargentos da Escola de Soldados e 80 policiais da Tropa de Choque irão ajudar na segurança durante todo o percurso do evento.

Parada LGBT
Também nesta quinta (23) começam partes dos festejos da Parada do Orgulho LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais), mais conhecida como Parada do Orgulho Gay, que receberá atenção especial da PM. Às 11 horas começa a Feira Cultural LGBT, no Vale do Anhangabaú, na região central da capital.

Na sexta (24), ocorrerá o 11º Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade, no Largo do Arouche, também no centro de São Paulo.

No sábado (25), será comemorado o 11º Gay Day, no Playcenter, na Barra Funda, segundo programação no site do LGBT.

A Parada Gay está marcada para domingo (26), na Avenida Paulista, com maior movimentação na parte da tarde. Nos anos anteriores, o público estimado foi superior a dois milhões de participantes. Para garantir a segurança dos participantes do evento, a Polícia Militar contará com 1,4 mil policiais, 120 viaturas e 120 homens da Tropa de Choque, além de um helicóptero Águia.

Campeonato Brasileiro
No domingo (26) também será a realizado o jogo entre o Corinthians e o São Paulo, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro, no Estádio do Pacaembu. A partida de futebol contará com 360 policiais militares, 140 veículos e um helicóptero Águia.

Operação Verão 2011 : Como será a Segurança no Litoral de São Paulo

Segurança reforçada no litoralEntre o final de dezembro e o início de fevereiro, o litoral paulista chega a contar com 9,7 milhões de pessoas – entre moradores e turistas. Por isso, além de aumentar o policiamento preventivo e ostensivo, a Operação Verão 2010-2011 visa melhorar o atendimento ao cidadão, seja evitando filas e demora nas delegacias ou no envio de viaturas aos locais de crime, propiciando uma resposta rápida e eficiente à população em toda a região litorânea.

Quase 5.200 policiais civis e militares, além de dezenas de viaturas, entre elas sete helicópteros Águia, vão reforçar a segurança durante a Operação Verão 2010-2011. No total, 10.888 policiais, por meio de uma ação integrada, vão prevenir e combater a criminalidade nos 15 municípios que compõem o litoral norte e sul.

Ações específicas no litoral sul

Nos municípios de Santos, Iguape, Ilha Comprida, Cananéia, Guarujá, Bertioga, Mongaguá, Itanhaém, Peruíbe, São Vicente e Praia Grande, o Comando de Policiamento do Interior 6 (CPI-6) coordenará cinco ações específicas dentro da Operação Verão; são elas: ‘Operação Direção Segura’ (combate ao alcoolismo no trânsito); ‘Operação Dominó’ (vistoria de irregularidades de trânsito e ilícitos penais em motos e seus condutores e passageiros); ‘Operação Pontual’ (saturação com policiamento ostensivo em determinada
região, normalmente centros comerciais); ‘Operação Visibilidade’ (ação realizada no feriado de Ano Novo, no qual viaturas ficam estacionadas em pontos estratégicos nas rodovias e acessos às cidades, para combater a criminalidade); ‘Operação Praia Segura’ (desenvolvida pelo Corpo de Bombeiros, nas praias do litoral sul).

Ações específicas no litoral norte

Nos municípios de Caraguatatuba, Ubatuba, São Sebastião e Ilhabela, o Comando de Policiamento do Interior 1 (CPI-1) coordenará cinco ações específicas dentro da Operação Verão; são elas: ‘Operação Visibilidade’ (realizada em toda a malha viária do litoral norte pelo Comando de Policiamento Rodoviário/CPRv e Organizações da Polícia Militar/OPMs territoriais); ‘Operação Bloqueio’ (na malha viária e áreas urbanas); ‘Operação Direção Segura’ (malha viária e áreas urbanas, principalmente nas proximidades de locais de eventos); ‘Operação Saturação’ (em áreas estratégicas, desenvolvida pelo Comando de Policiamento de Choque (CPChq) e efetivo de área); ‘Operação Praia Segura’ (desenvolvida pelo Corpo de Bombeiros, nas praias do litoral norte).

Operação Praia Segura

A Operação Praia Segura, coordenada pelo Corpo de Bombeiros, também integra a Operação Verão, embora já tenha sido iniciada no último dia 09 de dezembro, com término previsto para 13 de março, no litoral norte e sul de São Paulo. A ação visa prevenir e combater ocorrências típicas de verão como crianças perdidas, afogamentos, acidentes com embarcações, acidentes de trânsito com vítimas, queda de barreiras, deslizamentos, enchentes e danos ao meio ambiente, entre outros.

Nesta operação são empregados 686 guarda-vidas efetivos, 367 guarda-vidas municipais, contratados pelas prefeituras das 15 cidades alvo da Operação Verão; 150 guarda-vidas temporários contratados por meio de convênio com a Petrobras e Mantecorp – responsável pela aquisição dos equipamentos para os guarda-vidas, e mais 73 guarda-vidas de reforço do Corpo de Bombeiros.
Na ação serão empregados um navio, oito lanchas, 30 botes com motor de popa, 16 jet skis, e 18 quadriciclos. Cada cidade também contará com pelo menos uma viatura da Unidade de Resgate e Salvamento Aquático (Ursa), totalizando o emprego de 24 viaturas deste tipo.

Segurança nas estradas

O 1º Batalhão de Polícia Rodoviária (1º BPRv) trabalhará em conjunto com 19 concessionárias nas rodovias paulistas, visando a fiscalização no trânsito e autuação de motoristas e veículos que não estejam em condições de viajar. As concessionárias serão as responsáveis pela manutenção das estradas, atendimento mecânico e médico.

Durante a Operação Verão, o 1º BPRv executará operações específicas, com o apoio da Polícia Ambiental e do Policiamento de Choque, além do Grupamento Aéreo. Entre as ações previstas, estão as operações ‘Direção Segura’; ‘Cavalo de Aço’ (fiscalização de motos, seus condutores e garupas); ‘Saneamento’ (retirada de veículos quebrados e sem condições de trafegar nas rodovias); ‘Visibilidade’; ‘Ônibus e Caminhão’ (fiscalização de documentos e de veículos em má conservação); ‘Operação Descida e Subida’ (nas rodovias Anchieta/SP-150; dos Imigrantes/ SP-160; e Estrada dos Tamoios/SP-99).

Policiamento de Choque e Grupamento Aéreo

O Comando de Policiamento de Choque (CPChq) empregará 140 homens em várias operações, entre elas a ‘Operação Patrulhamento Inteligente’ (prevenção e repressão ao tráfico de drogas e armas, a entrada e evasão de veículos furtados ou roubados, e ao sequestro); ‘Operação Bloqueio de Área’ com patrulhamento das Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas (Rocam), ‘COE
e RPMont’ (patrulhamento na área dos morros, inclusive com emprego de embarcação na região de mangues).

Durante a Operação Verão a Polícia Militar disponibilizará nove helicópteros Águia para apoio nas áreas do litoral norte e sul. Cinco helicópteros – entre eles um do CPI-1 e outro do CPI-6) – permanecerão na região. Outras quatro aeronaves ficarão de sobreaviso, e se deslocarão para o litoral, se houver necessidade. O efetivo do Grupamento para cada aeronave é de cinco policiais (piloto, co-piloto, tripulantes e mecânico).

Publicado em: 23 dezembro, 2010