Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Mão de obra

Setores de segurança estão em franca expansão

Falar sobre uma área tão abrangente como a segurança não é das tarefas mais fáceis, mas certo é que diversos setores que a compõem têm, no decorrer dos últimos anos, demonstrado grande expansão.

Um desses setores é o de Segurança Eletrônica onde a expansão é evidente. Segundo o presidente da Associação Brasileira de Empresas de Sistemas Eletrônicos e de Segurança (ABESE), Carlos Progianti, o mercado, com faturamento em torno de US$ 1,8 bilhão em 2011, tem crescido, em média, 11% nos últimos 5 anos, índice que deve permanecer em 2012. “O mercado é relativamente novo e tem havido ampliação do uso das tecnologias pela crescente classe média brasileira”, justifica.

Para tanto, promover a profissionalização e capacitação do mercado é uma das missões da ABESE, que realiza ainda simpósios e cursos de gestão em diferentes regiões do País com apoio dos Sindicatos das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança – SIESE. Outra iniciativa está no Centro de Capacitação Profissional da ABESE (CCPA) desenvolvido para atualizar os profissionais em relação às principais ferramentas e tecnologias utilizadas em um projeto de Sistemas Eletrônicos de Segurança.

Segurança privada
O mercado de segurança privada também tem apresentado constante evolução na mesma proporção em que há aumento da violência nas cidades e negligência do Estado em relação à área de segurança.

O cenário sugere a necessidade de aperfeiçoamento dos profissionais, tanto é fato que, conforme o diretor do Sindicato dos Vigilantes de São Paulo (SEEVISSP), Pedro Francisco Araújo, é aguardada a publicação de uma portaria pela Polícia Federal que autorize as escolas de formação a oferecerem novos cursos, tais como o de Segurança em Grandes Eventos, visando contemplar a preparação de mão de obra para a Copa do Mundo.

Portal O Amarelinho

Setor de segurança requer de equipamentos a serviços

Junto com o crescimento do patrimônio dos brasileiros, vem se desenvolvendo também uma maior preocupação com a proteção dele.

Segundo a Associação Brasileira de Serviços Eletrônicos de Segurança (Abese), o mercado brasileiro de equipamentos como alarmes e câmeras de vigilância vem crescendo numa média de 11% ao ano desde 2001. Com o desenvolvimento de tecnologias mais sofisticadas, hoje o setor representa uma oportunidade não só para o fornecimento de equipamentos, mas também para a prestação de serviços de instalação, gestão e manutenção.

“O mercado passou e vem passando por uma mudança muito importante, que é a transição de pequenas empresas de instalação da área de elétrica, que trabalhavam com equipamentos eletrônicos, que têm que se adaptar para a área de tecnologia da informação (TI)”, avalia Oswaldo Oggiam, diretor de marketing da Abese.

O público dessas empresas abrange residências, condomínios, prédios de escritório e indústrias. A Abese estima que, de um total de 6,18 milhões de imóveis com possibilidade de receber sistemas de alarmes monitorados, apenas pouco mais de 11% o fazem no País.

Oggiam explica que muitos equipamentos de segurança simples, como alarmes e câmeras de vigilância, podem ser encontrados sem muita dificuldade em lojas de departamento. O mercado vem, no entanto, exigindo aparelhos cada vez mais complexos, que requerem das empresas especializadas e profissionais qualificados para sua gestão. “Não é uma transição fácil para a mão de obra”, diz.

Redes de monitoramento complexas exigem o desenvolvimento de softwares próprios, além de técnicos para instalação. No Brasil, a linha telefônica ainda é responsável por enviar a maioria das informações colhidas pelos alarmes às empresas de segurança, mas tecnologias como o General Packet Radio Service (GPRS), a mesma utilizada para a transmissão de dados por celulares, são uma alternativa cada vez mais procurada por empresas.

Segundo Oggiam, a transição para um enfoque maior em TI representou certa concentração do mercado, com muitas companhias menores passando a fornecer para maiores e eventualmente sendo assimiladas por elas.

Mesmo assim, a grande variedade de frentes de atuação torna o setor aberto para o investidor que souber onde focar seus esforços. “As plantas de segurança de pequenos imóveis e condomínios podem ser feitas por empresas. Outros negócios podem oferecer um especialista de rede que administre os sistemas”, exemplifica.

Ele julga que “no Sul e no Sudeste é mais difícil para uma empresa nova entrar, porque a competição é enorme, mas nas outras regiões ainda há muitas possibilidades”. Segundo a Abese, Sul e Sudeste concentram 73% do mercado de segurança do País.

Além do avanço sobre novas regiões, outro fator que promete aumentar as vendas é a transição de sistemas tradicionais, que transmitem os dados via linha telefônica, para os mais modernos, que se utilizam tecnologias GPRS, ethernet ou TCP-IP, o mesmo protocolo da internet.

Cross Content
Especial para o Terra

São Paulo lidera crescimento no setor de segurança privada

Um levantamento realizado pelo Sesvesp (Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de São Paulo) mostra que o Estado de São Paulo foi o que registrou maior crescimento no mercado de segurança privada, no último ano. De 2010 para 2011 foram gerados mais de 19 mil empregos no Estado, uma alta de 12,8%, totalizando mais de 167 mil postos formais. Já o número de empresas efetivas chegou próximo a 400, um ligeiro aumento (3%) em relação ao ano anterior. Atualmente, o Estado concentra 29% das empresas no Brasil; 20% dos cursos de formação de vigilantes e 30% da mão de obra.

“Cada vez mais a segurança privada é requisitada pelo serviço público, bancos, indústrias, condomínios e shoppings, que são os maiores contratantes, e isso gera um impacto positivo na criação de emprego. A segurança privada é um dos setores que, atualmente, tem buscado muita mão de obra”, explica o presidente do Sesvesp, José Adir Loiola.

Ao todo, o Brasil possui cerca de 1.500 empresas de segurança autorizadas pela Polícia Federal a prestar serviço de segurança privada, que engloba transporte de valores, escolta de cargas, cursos de formação, segurança pessoal e segurança patrimonial e um contingente de 540 mil vigilantes habilitados a prestarem serviços de vigilância privada.

(Revista Segurança e Cia/SP)