Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Oportunidade

Prefeituras devem enfrentar causas da violência para garantir segurança

Fatores sociais, como falta de educação e emprego, geram criminalidade.
Proteção de bens, serviços e instalações públicas também é dever municipal.

A segurança pública é uma preocupação constante de todos os administradores de cidades brasileiras. A Constituição Federal determina que o estado preserve a ordem pública e mantenha as pessoas e os patrimônios longe do perigo. Às prefeituras, cabe o papel de proteger os bens, serviços e instalações públicas. Mas a responsabilidade do governo municipal não se encerra por aí.

Fatores sociais, como falta de educação, emprego e apoio familiar, geram criminalidade, mas podem ser sanados com ações em favor do bem estar da população. E o cidadão pode e deve fiscalizar a atuação do poder executivo.

Violência e repressão
O artigo 144 da Constituição Federal de 1988 diz que a segurança pública é dever do estado, direito e responsabilidade de todos; é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. Assim, a polícia deve agir em tudo que gerar perigo ou insalubridade à sociedade de forma geral.

Quem faz esse papel repressor são as polícias Federal, Rodoviária Federal, Ferroviária Federal, Militar e Civil, corporações geridas pela União e pelo Estado. Já os municípios, de acordo com a Constituição, podem constituir guardas municipais destinadas à proteção de seus bens, serviços e instalações.

“Nesses termos, a guarda municipal é destinada apenas para a segurança patrimonial. Ela não tem uma atuação repressiva, de polícia mesmo”, explicou a juíza do Trabalho Roberta Araújo, doutoranda em Direito Constitucional.

Assim, se a loja onde você trabalha acaba de ser assaltada, procure a Polícia Militar para ir atrás do suspeito. Se quiser registrar um Boletim de Ocorrência, vá a uma delegacia da Polícia Civil. Um acidente na estrada? Registre na Polícia Rodoviária. Apreensão de drogas em aeroporto é a Polícia Federal quem investiga.

Já a guarda municipal mantém a vigilância dos prédios públicos e das áreas de preservação do patrimônio natural e cultural do município. Também fiscaliza a utilização adequada dos parques, jardins, praças e monumentos, além de outras atividades. Tem gente usando drogas ou pichando os bancos da pracinha ao lado da sua casa? Reclame aos guardas municipais.

Violência e ações sociais
Violência não se resolve apenas com repressão. Não basta a polícia prender, a Justiça julgar e, após cumprir a pena, a pessoa voltar à condição anterior, que a levou a cometer o crime. É preciso agir antes, na prevenção.

A violência tem dois fatores: internos (psicológicos ou psicopáticos), que fogem do controle social, e externos, que incluem aspectos sociais, econômicos e políticos. Esse último contribui para a criminalidade. Isto é, a desigualdade social, a falta de oportunidade, projetos educacionais e centros de atenção a usuários de drogas e álcool deixam a população vulnerável ao crime.

Essa nova forma de pensar a segurança é conhecida como criminologia moderna, que não considera o problema da segurança pública estritamente policial. “Essa velha noção deixa o município ausente da sua parcela de responsabilidade. A criminalidade tem, sobretudo, influências decisivas do meio onde as pessoas vivem, por isso é necessário uma visão multidisciplinar para tratar do assunto, que promova ações preventivas, focadas em políticas sociais que incrementem a cidadania do indivíduo”, explica Roberta Araújo.

É criando uma política de inclusão social de grupos e áreas de risco que as prefeituras podem ajudar no combate à violência. Entre as ações, aumentar as oportunidades para os cidadãos, urbanizar as áreas críticas, iluminar as ruas, construir escolas, creches, postos de saúde, praças, áreas de lazer e esporte, qualificar os jovens e tirá-los da situação de rua. Atualmente, por exemplo, os conselhos estaduais de trânsito, entorpecentes, criança e adolescente têm representantes das prefeituras, que participam diretamente das decisões.

Fonte: G1

Reforçar a segurança de residências garante férias de julho mais tranqüila

Para ter férias tranqüilas com a família em Julho, muitas pessoas reforçam a segurança e contam com a tecnologia para vigiar os bens mesmo a distância. Junto com essa programação da folga educacional e do trabalho surgem também estratégias para deixar a casa livre de assaltos, invasões ou vandalismo.

A fragilidade deste período está na ausência de pessoas ou de movimento nas residências, o que facilita a ação de bandidos, que encontram a oportunidade de agir com pouco risco, pois conseguem fazer furtos com facilidade, executando até em etapas, passando dois, três dias na ação criminosa. Muitas vezes o furto só é percebido quando os moradores retornam.

Com o avanço da tecnologia a internet se torna um aliado da segurança, pois já é possível acompanhar o que acontece em casa através das câmeras que pode ser monitoramento a distância, além disso há alarmes. Para buscar maior segurança de residências o fundamental é fazer um projeto com uma empresa especializada, que levará em consideração as combinações de fatores como topografia, iluminação, espaço, entre outros. Depois deste primeiro estudo combinarão dispositivos e recursos de alarmes e imagens. Atualmente há equipamentos de ultima geração, com fio ou sem fio, com conectividade local ou remota e para monitorar a residência a distância basta apenas possuir um provedor de internet banda larga com boa capacidade de transmissão de dados.

Para a execução do projeto uma serie de fatores são avaliados: o objetivo pode ser apenas de preservar o patrimônio, o foco pode ser monitorar as pessoas que nele se encontram, ou os dois, pode ter o escopo defensivo, visando reação ou ostensivo, visando a prevenção.

Hábitos, rotinas e estilo de vida tem grande relevância para adequação do projeto.

É possível fazer projetos de segurança independente de perfis variados no que se refere ao aspecto técnico ou financeiro, ou seja, podemos partir de uma verba para um projeto ou vice versa.

Fonte: Portal Nacional de Seguros

Traumas pós-violência

Você já foi vítima de um ato de violência e ficou traumatizado? A violência faz parte do mundo animal. Os predadores atacam suas presas por uma questão de sobrevivência. Todo predador tem seu dia de presa e toda presa tem seu dia de predador.

Um animal quando ameaçado pode lutar, fugir ou se tornar totalmente imobilizado, fazendo-se de morto. Se qual for à reação, de acordo com o Dr. Peter Levine, ele passa por uma fase de hiperexcitação, com liberação intensa de catecolaminas (hormônios liberados durante situações estressantes), seguida por uma fase de constrição, em que há uma focalização na ameaça e tudo em volta fica despercebido. O antílope, quando atacado pelo leopardo, não tem saída: faz-se de morto e, muitas vezes, o leopardo não se sente motivado para comer uma presa já morta. Minutos após da imobilização com tremores, há principio um pouco desorientado, mas logo em seguida se recupera disso e volta a ser o mesmo antílope, sem nenhuma seqüela emocional ou física.

Nós, seres humanos, temos também essa opção, só que na maioria das vezes não a exercitamos. O animal completa o ciclo fisiológico e volta ao normal.

O ser humano, quando violentado, assaltado, humilhado ou submetido a qualquer outro ato de violência pode carregar seqüelas emocionais por muito tempo, se não cuidado e tratado, pelo resto de sua existência. O ciclo se autoperpetua, causando o stress pós-traumático.

Mas por que não fazemos o mesmo que o antílope? Porque revivenciamos a cena sem nos livrarmos dela. O Dr. Peter Levine no livro “Walking The Tiger” narra uma experiência interessante:

No dia 5 de julho, no final da década de 80 um indivíduo entra numa loja de conveniência às 6h30 da manhã. Segurando seu dedo no bolso e simulando um revólver, exigiu que a pessoa do caixa entregasse a ele todo o dinheiro da gaveta. Após coletar em torno de 5 dólares em moedas, retornou para seu carro onde permaneceu até a chegada da polícia. Quando a polícia chegou, o indivíduo saiu do carro, e com o dedo outra vez no bolso, anunciou que tinha um revólver e que todos deveriam ficar afastados dele. Por sorte, foi levado preso sem ter sido baleado. Na delegacia o policial que levantou sua ficha criminal constatou que ela já havia sido preso por 6 assaltos nos últimos 15 anos, todos às 6h30 da amanhã do dia 5 de Julho. Após saber que o assaltante era um veterano de guerra foi encaminhado para o Hospital Psiquiátrico onde o médico Dr. Bessel Van Der Folk teve a oportunidade de atendê-lo e fez a seguinte pergunta: “O que aconteceu com você no dia 5 de julho às 6h30 da manhã?”. Ele respondeu que estava no Vietnã e seu pelotão foi atacado por vietcongs. Todos foram mortos, menos ele e seu amigo Jim. A data era 4 de julho. Escureceu rapidamente e os helicópteros americanos não puderam resgatá-los. Eles passaram uma noite horrível juntos, escondidos numa plantão de arroz, cercada por inimigos. Às 3h30, Jim foi atingido com um tiro no tórax, vindo a falecer nos seus braços às 6h30 do dia 5 de Julho. O veterano de Guerra, todo o dia 5 de Julho, quando não se encontra atrás das grades, comete o crime de assalto.

Um trauma pode ser caudado por diferentes atos de violência. Pode começar durante a vida intra-uterina (marido chutando a barriga da mulher grávida), durante o parto (um fórceps mal aplicado), a morte de um ente querido, uma doença, um acidente, o fato de presenciar um ato de violência (criança que vê seu pai agredindo fisicamente sua genitora), cirurgia etc.

Devemos (sozinhos ou com ajudas de especialistas) reconstruir nossa barreira protetora e devolver a nós mesmos o sentimento de poder pessoal. Lembre-se de que todo trauma é uma oportunidade para a transformação.

O discípulo perguntou ao sábio:
– Como posso livrar-me dos meus medos?
O mestre respondeu com outra indagação:
– Como é que você se livra de alguma coisa a qual você se agarra?
O rapaz franziu a testa e murmurou:
– O senhor quer dizer que eu de fato me agarro aos meus receios? Não concordo com isso.
E o sábio completou:
– Você deve concordar, pois no medo você busca proteção. Descubra as coisas contra as quais se protege e, então, vai descobrir sua tolice.

Fonte: Tudo sobre segurança

Porte de drogas para uso pessoal pode deixar de ser crime no Brasil

Proposta faz parte da alteração do Código Penal e ainda precisa ser
aprovada pelo Congresso. Outra mudança, esta já em vigor, é a criação
de um banco de dados de DNA criminal.

A comissão de juristas que prepara propostas para alterar o Código Penal anunciou o projeto que pretende descriminalizar a posse de drogas para uso pessoal. Se for aprovada pelo Congresso, plantar, comprar e portar drogas para uso próprio deixará de ser crime, quando a quantidade não ultrapassar o suficiente para cinco dias de consumo.

Hoje, a polícia depende de investigações para diferenciar o traficante do usuário. “Você pode ter uma pessoa portando uma quantidade pequena de droga, mas ser um traficante. E você pode ter um usuário que compra um pouco mais para utilizar durante alguns dias”, explica o delegado Luiz Alexandre Gratão.

Usar drogas na frente ou perto de crianças e adolescentes, como por exemplo, nas proximidades de escolas, também poderá ser considerado crime. “O contato com pessoas que fazem o uso de drogas tem feito com que as crianças sintam vontade de conhecer o que é esse material, o que o adulto está consumindo”, afirma o professor de biologia, Helder Souza.

O novo Código Penal diminui o rigor com drogas, mas aumenta a pressão contra o bullying, que se tornaria crime. Pela proposta, maiores de 18 anos que ofendem, intimidam, ameaçam, agridem ou castigam crianças e adolescentes poderiam até ser presos. “Eles vão ter a oportunidade de poder pensar antes de agir e vão entender que toda sua ação vai ter uma consequência”, opina a orientadora pedagógica Valdirene.

Essas mudanças ainda precisam ser aprovadas pelo Congresso. O que já está certo e já virou lei é um cerco maior a bandidos que matam e estupram. Daqui a seis meses, condenados por crimes violentos serão identificados geneticamente. O DNA deles, que é uma identidade única e pessoal, vai para um banco de dados.

Quando houver um crime, vestígios do agressor – sangue, unha e fios de cabelo – serão comparados ao material armazenado. “A expectativa é que nós tenhamos mais condições de demonstrar a autoria desses crimes, de apresentar uma prova técnica, que obviamente vai ser analisada em juízo, mas que vai ajudar a ter muito mais base para as condenações e a reverter esse cenário de impunidade”, explica o perito federal Guilherme Jacques.

Fonte: G1

Ladrão de turista em SP prefere agir em eventos à noite

AE/SÃO PAULO – Agência Estado
Feiras, convenções e shows noturnos, no Anhembi e no Morumbi, representam o maior risco de crime para quem visita São Paulo. E, mais do que a violência física, é o oportunismo dos ladrões que tem transformado turistas em vítimas na capital paulista. Os furtos são responsáveis por nove em cada dez queixas registradas por pessoas de fora da Região Metropolitana de São Paulo na Delegacia de Atendimento ao Turista (Deatur).

É o que mostra um levantamento feito pelo Estado com os 274 boletins de ocorrência registrados por visitantes nos últimos 12 meses na Deatur. A amostragem revela que os roubos – quando a vítima sofre ameaça ou alguma violência – representaram apenas 7,6% dos crimes contra turistas na delegacia especializada, que concentra grande parte dos registros envolvendo pessoas de fora da Região Metropolitana. Os eventos têm a preferência desse tipo de criminoso: houve 134 registros nessas situações e 26 em shows.

“O que se tem é o crime de oportunidade”, afirma o delegado Mauro Marcelo de Lima e Silva, responsável pela Divisão de Portos, Aeroportos, Proteção ao Turista e Dignitários. O fato de contar com a distração do alvo também explica por que a maior parte dos crimes ocorre à noite (111) – pela manhã, em contrapartida, foram apenas 50 registros.

Lima e Silva explica que, em alguns casos, o responsável pelo furto nem mesmo é um “ladrão profissional”, embora existam quadrilhas especializadas que atuam nesse ramo, mas uma pessoa que resolve aproveitar a distração do turista para praticar o crime. O comportamento do visitante também contribui para isso. “Quando está em viagem, a pessoa foge da rotina à qual está acostumada e, por isso, acaba se expondo mais.”

Por local, o Anhembi lidera o ranking de queixas (130 ou 47%), seguido do Estádio do Morumbi (14). Vale ressaltar que o centro de convenções acaba concentrando a maior parte dos BOs porque tem um posto da Deatur, o que favorece a notificação. O mesmo ocorre com o Morumbi, que recebe um posto em dia de shows. A delegacia ainda foi notificada de ataques a turistas no Expo Center Norte (8), zona norte, nas Praças da República (8) e da Sé (7) e na Rua Augusta (4).

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Capitão da Polícia Militar dá dicas de segurança para evitar roubo a casas

Jornal Hoje – G1
Nos bairros de classe média de São Paulo, a maior parte dos roubos acontece na hora em que o morador está chegando à noite. O capitão Cleodato Moisés, da Polícia Militar, dá dicas para aumentar a segurança: “observar as extremidades da rua, porque o criminoso pode estar na esquina, pode estar de tocaia, ele pode agir com planejamento ou com a oportunidade”.

Outro momento crítico é a saída pela manhã. “Antes de sair de casa, é oportuno olhar da janela se tiver condições de visibilidade das extremidades da rua. Vá ate o portão social, olhe as extremidades. É o momento de acionar o portão, saindo rapidamente”.

Outro cuidado interessante é a posição do carro na garagem. “O ideal seria guardar de marcha ré. Imagina você dirigindo o veículo, você tem domínio da rua”.

Vigilantes de ruas estão ali apenas para vigiar. Qualquer problema ou atitude suspeita deve ser comunicada à polícia.

Muros muito altos e fechados, segundo o capitão, exigem a colocação de câmeras. Muros baixos demais não oferecem proteção, cercas elétricas ajudam, mas nada substitui a atenção e o cuidado constantes. “O criminoso, quando quer, ele vai invadir. Se ele encontrar facilidade, melhor para ele. Se ele encontrar dificuldade, ele pode partir para outra”.

Se os ladrões já entraram, não reaja. “Não encarar o criminoso, reagir jamais!”

Mais proteção em casa

Os principais erros e acertos de quem tenta proteger o lar.
E as atitudes que afastam os bandidos.

A invasão de casa é uma experiência tão dolorida que metade das pessoas que passam por esse evento traumático resolvem depois vender o imóvel e até mudar de cidade.

A boa noticia é que a maior parte dos incidentes podem ser evitados, tanto em casa quanto em apartamentos.

A Associação Brasileira do Consumidor (Pro Teste) fez uma pesquisa com 1,274 pessoas e revelou as estratégias mais comuns da população para garantir a segurança em casa. A maioria das pessoas investiu em travas especiais nas portas e nas janelas. Os condomínios apostam em sistemas cada vez maias complexos de câmera de monitoramento nos espaços coletivos, Como, elevadores garagem e corredores.

Mais isso não basta.
Mesmo que as pessoas invistam em equipamentos modernos, elas cometem falhas básicas de comportamento que comprometem sua segurança, diz Maria Inês Dolci, coordenadora da Proteste.

Cerca de 42% dos entrevistados disseram já ter deixado as janelas abertas quando saíram de casa, 39% admitiram ter esquecido as chaves do lado de fora e 30% afirmaram que não ligaram o alarme ao sair.

Além disso, o aparato de segurança importa pouco quando porteiros e moradores não colaboram. É o que afirma o capitão da Polícia Militar de São Paulo José Elias de Godoy, autor do livro Técnicas de segurança em condomínios. “O bandido costuma se aproveitar do descuido da portaria e do desleixo do morador”, afirma. Em mais da metade dos casos, diz Godoy, os criminosos entram pela porta da frente, assaltam apenas os apartamentos cujas portas foram deixadas escancaradas ou os apartamentos de moradores que atenderam a campainha sem olhar pelo olho mágico.

A displicência também é um comportamento comum de quem mora em casas de rua. Embora quase metade dos entrevistados pela ProTeste tenha instalado pelo menos uma nova barreira física nos últimos anos, a maioria comete erros banais.

Há duas semanas, ladrões invadiram a casa de uma comerciante paulistana. Ao chegar em casa após o trabalho, ela esqueceu a chave do lado de fora.

Ela mora num condomínio, mas da rua dá para ver a porta de casa. Atraídos pela oportunidade, de madrugada, os bandidos arrombaram o portão eletrônico do condomínio e abriram a porta da casa da comerciante. Ela, o marido e o filho, que dormiam no 2º andar, não acordaram durante o furto. “Só me dei conta pela manhã: diz. Ela perdeu alguns anéis, uma câmera fotográfica e um celular. “Poderia ter sido mais grave. Preciso ficar mais atenta.”

Revista Época/SP

PM reforça patrulhas em áreas comerciais e distribui cartilha


Foto: Aaron Kawai
Efetivo nas ruas aumentou em 30% com o objetivo de coibir crimes; policiais também orientam população a se prevenir
Filipe Rodrigues O Vale – São José dos Campos

A Polícia Militar aumentou em 30% o efetivo nas principais regiões comerciais de São José dos Campos devido ao aumento da movimentação com a chegada do Natal.

Além do reforço policial, a corporação também está distribuindo cartilhas à população com dicas de como evitar ser vítima de roubos e furtos.

Inicialmente, foram impressas três mil cópias do panfleto ‘Educação para a Segurança’, que possui seis páginas, é ilustrada e impressa em cores.

“Como há muita movimentação, o ladrão procura a oportunidade. Ele vai agir contra a pessoa que estiver distraída. Essas dicas visam orientar quem vai fazer compras”, diz o tenente Alan Kalzuk.

Durante a tarde de ontem, a PM evitou um roubo a uma loja de motocicletas, na avenida Juscelino Kubitschek, na Vila Industrial, zona leste.

Luis Fernando Nazaré da Silva, 18 anos, foi preso em flagrante e o adolescente G.H.S, 17 anos, detido. Com eles, a PM apreendeu ainda um revólver calibre 38.

Os bandidos chegaram a render pessoas na loja e dispararam duas vezes. Mas com a chegada da PM, eles tentaram fugir e foram cercados.

Segurança
O principal reforço é feito no policiamento a pé e com bicicletas. Os policiais percorrem áreas mais movimentadas e mantêm um contato maior com a população.

“As viaturas têm dificuldade para transitar nas áreas movimentadas, por isso, optamos por bicicletas e motos para fazer o deslocamento”, diz o tenente Euler Guimarães.

Com menos utilidade na área comercial, as viaturas atuam, principalmente, nas vias de acesso às regiões mais movimentadas e em outras áreas da cidade.

“Se reforçarmos só a área comercial, as outras ficam desguarnecidas. Por isso, há viaturas em horário estendido para garantir também a tranquilidade para quem fez as compras e vai voltar para casa”, afirma.

Dicas
Para a corporação, as pessoas podem evitar ser vítimas, tomando algumas medidas simples de segurança, como evitar fazer compras sozinho e não deixar bolsa e carteira em locais de fácil acesso.

A auxiliar administrativa Maria de Jesus Gomes, 44 anos, sabe do risco e diz que faz as compras de natal aos poucos para evitar andar com muitos presentes.

“Tem que ficar atento sempre. Se bobear, mesmo com polícia, eles pegam o que precisam e saem correndo. Alguns cuidados, a gente que tem que tomar”, diz Maria.

Operação
A Operação Natal teve início no dia 25 de novembro. Desde então, já há um reforço nas principais regiões comerciais. O número foi intensificado nesta última semana, quando são esperadas 15 mil pessoas por dia no Centro de São José dos Campos.

Durante a semana, o reforço no policiamento será estendido até às 23h, horário previsto para que os consumidores voltem para suas casas.