Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Paisana

Dos esquadrões ao PCC, 52 anos de violência mataram 130 mil pessoas

SÃO PAULO – “Para cada policial morto, dez bandidos vão morrer”, bradou em novembro de 1968 o investigador Astorige Correia, o Correinha, na frente de jornalistas durante o enterro de Davi Parré, investigador morto por um traficante da zona norte de São Paulo conhecido como Saponga. O juramento antecipava a série de assassinatos praticada por policiais civis do famigerado esquadrão da morte liderado pelo delegado Sérgio Paranhos Fleury.

Na semana passada, a fatídica sentença voltou a assombrar o cotidiano dos paulistas como se as 130 mil mortes ocorridas em 52 anos tivessem sido insuficientes para dar lições. O homicídio de policiais militares na Baixada Santista e em Taboão da Serra provocaram uma sequência de 20 homicídios nos bairros vizinhos. Moradores que viram o massacre apontaram PMs à paisana como suspeitos.

Em dois momentos distantes, separados por mais de meio século, a vingança continua fazendo a engrenagem dos homicídios girar. Para compreender a violência nos dias de hoje, é fundamental entender a variação dos homicídios nos últimos 52 anos. A epidemia dos assassinatos começa no fim dos anos 1960, depois que as mortes a bala passam a ser vistas como uma maneira de se manter o controle dos roubos em uma cidade que crescia desordenadamente.

Antes disso, o mundo do crime em São Paulo era quase romântico, palco dos desviantes que vagavam na boca do lixo perto da Estação da Luz e da velha rodoviária do centro. No chamado Quadrilátero do Pecado, região da Avenida Duque de Caxias, que no futuro se transformaria na cracolândia, em vez de revólveres, os malandros usavam navalhas em noitadas abastecidas por anfetaminas e destilados.

Mais do que um reduto de criminosos violentos, o submundo paulistano era palco de contravenções e contraventores que vendiam sexo, jogos de azar e drogas leves. Assassinatos, nesse tempo, eram a opção dos vilões, malvados e loucos. “Os tempos eram outros. O crime que mais assustava era o furto qualificado, quando o ladrão invadia um comércio ou uma casa quando o dono estava fora”, lembra o criminalista Roberto Von Hyde, de 82 anos, que defendeu criminosos perseguidos pelo esquadrão, além de João Acácio Pereira da Costa, o Bandido da Luz Vermelha, que em 1967 foi preso por assaltar casas e matar quatro pessoas.

“Crimes de sangue” envolviam geralmente histórias de maridos traídos, que, movidos pelo ódio incontrolável, muitas vezes matavam a si próprios em tragédias passionais à la Nelson Rodrigues. Entre 1960 e 1965, em mais da metade dos assassinatos em São Paulo, corpos de vítimas foram encontrados dentro de casa, revelando forte associação entre esse tipo de crime e paixões domésticas mal resolvidas.

Por serem ações tresloucadas, os assassinos sofriam controle acirrado de instituições e da sociedade. Casos como o de Benedito Moreira de Carvalho, que ficou conhecido como o Monstro de Guaianases ao ser acusado de violentar e matar dez mulheres entre 1950 e 1953, tornavam o homicida um pária, odiado e caçado como personagem de filme de terror.

Mudança
A epidemia de assassinatos em São Paulo começou quando homicídios passaram a ser vistos como ferramenta para limpar a sociedade dos bandidos. Com o crescimento dos roubos e dos assaltos a banco no fim dos anos 1960, viraram instrumento de extermínio ou vingança para ser usado em benefício da população com medo.

Em vez de monstros, os homicidas que alegavam agir em defesa da sociedade e tornar a cidade mais segura se transformaram em heróis. Os chamados “presuntos” eram desovados em estradas de São Paulo, depois de serem retirados de presídios como o Tiradentes.

Chefe do esquadrão da morte, o delegado Fleury – que começou em 1968 a matar suspeitos com ajuda de outros integrantes do bando – virou um dos ídolos do período, recebendo homenagens em letras de canções populares. E os métodos cruéis do esquadrão também ganharam prestígio durante o regime militar.

Técnicas de tortura e assassinatos passaram a ser usadas por integrantes do Exército e da Polícia Militar no combate à guerrilha e para desbaratar os grupos de esquerda. Em 1969, Fleury estava à frente da emboscada que levou à morte do líder comunista Carlos Marighella na Alameda Casa Branca.

Rota
No combate ao crime comum, policiais das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) assumiram nos anos 1970 o posto de “caçadores de bandidos”, celebrados pela população. “Em bairros das periferias, a população pedia para beijar nossa mão”, lembra o coronel Niomar Cyrne Bezerra, ex-comandante da Rota na época.

Nos anos 1980, saiu da PM um dos principais matadores da história da cidade. O soldado Florisvaldo de Oliveira, conhecido como Cabo Bruno, morto há duas semanas depois de ficar 27 anos na prisão, iniciou sua carreira de justiceiro matando a soldo de comerciantes. Logo justiceiros pipocaram por todos os cantos de São Paulo. De forma geral, todos alegavam matar bandidos em defesa dos trabalhadores.

Em 1987, depois da prisão de Francisco Vital da Silva, justiceiro conhecido como Chico Pé de Pato, a população do Jardim das Oliveiras, na zona leste, foi em peso ao Fórum de Santana pedir sua liberdade.

Com o passar dos anos, no entanto, foi ficando mais claro que os homicídios, em vez de controlarem o crime, acabavam provocando novos assassinatos, em círculos ininterruptos de violência. Se por um lado eliminavam suspeitos, consolidavam também nesses bairros o medo da morte e estimulavam o desejo de vingança.

É o que revela a história do matador César de Santana Souza, que nos anos 1990 dizia ter matado mais de 50 pessoas no Grajaú, na zona sul. Ele praticou o primeiro homicídio por vingança, depois que um amigo foi morto em um campinho de futebol. Jurado de morte por inimigos que queriam vingança, passou a matar por razões cada vez mais banais, sempre que pressentia que corria risco de ser morto. Ele chegou a acreditar que a violência o ajudaria a dominar o bairro. Depois de um tempo, percebeu, no entanto, que homicídios serviam apenas para provocar novos homicídios. Em 2006, terminou assassinado por integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) que passaram a vender drogas em seu bairro.

Grupos mataram mais que a ditadura
Tanto no Rio de Janeiro quanto em São Paulo, o esquadrão da morte representou o começo da epidemia de assassinatos. Não pela quantidade de homicídios de seus integrantes, mas por colocar em prática uma nova forma de ver o mundo e lidar com assassinatos em sociedades em processo de urbanização.

O esquadrão começou no Rio em 1958 e serviu de modelo para o resto do Brasil, inclusive São Paulo. Policiais paulistas conversavam com os cariocas antes de se organizar para matar. O Espírito Santo, Estado que liderou o ranking dos assassinatos no Brasil nos anos 1980 e 1990, também teve seu esquadrão.

Considerando levantamentos policiais do período, entre 1963 e 1975 os grupos de extermínio formados por policiais mataram quase 900 pessoas no Rio (654) e em São Paulo (200) – mais do que os 20 anos de regime militar.

O Estado de São Paulo

Restaurante tem até botão de pânico contra arrastão

Vigias disfarçados, câmeras que captam imagens no escuro e até botão do pânico. O esquema de segurança não é de nenhum banco ou joalheria. São os donos de restaurantes da cidade de São Paulo se preparando para enfrentar a onda de arrastões. Hoje, Dia dos Namorados, a atenção vai ser redobrada nos estabelecimentos.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) – que hoje deve receber representantes de grupos de bares e restaurantes para discutir o problema – determinou que a PM reforce a segurança na área de bares e restaurantes hoje (leia mais abaixo). Desde o início do ano, houve 16 assaltos a bares e restaurantes na capital, segundo levantamento feito pelo JT.

Para evitar se tornar parte da lista, várias casas reforçaram a segurança. Caso um ladrão entre no restaurante My Temaki, no Itaim-Bibi, zona sul, funcionários podem avisar por um alarme, diretamente ligado a uma central de monitoramento.

“Hoje a tecnologia permite que se use um botão do pânico móvel, que parece um chaveiro de carro e aciona a central”, diz um dos sócios do restaurante, Guilherme Defillipi. Inaugurado neste ano, o restaurante Lupercio, nos Jardins, nasceu equipado.

“A gente já estava nessa onda de arrastão”, diz o sócio Carlos Martignago. O local tem 16 câmeras, algumas com zoom. “Assim, é possível focar o rosto das pessoas”, afirma. Além disso, o restaurante tem dois tipos de segurança, um deles a paisana.

No restaurante Salvattore, no Itaim-Bibi, é possível flagrar os criminosos mesmo em um eventual apagão. É que, entre as câmeras do estabelecimento, algumas são de visão noturna. “Nós achamos que isso é um problema de segurança pública. Mas o restaurante tem tomado algumas medidas, diz o gerente Claudio Nogueira.

Prejuízo
Donos de estabelecimentos afirmam que o movimento caiu cerca de 15 % neste ano, mas o frio também pode ter influenciado. E o faturamento de hoje, geralmente 30% maior do que em um dia normal, também pode ser afetado, avaliam. Com medo dos roubos, o restaurante Casa Cardoso, em Perdizes, zona oeste, nem vai abrir para a data.

No restaurante Le Vin, no Itaim-Bibi, zona sul, até ontem à noite o número de reservas estava abaixo do ano passado: 60% das mesas, contra 100% em 2011, disse o maître Alcemir Lima, de 32 anos. Já no restaurante Mercearia do Francês, o maître Cledson Guimarães diz que os clientes, desde o início da onda de arrastões, estão fechando a conta uma hora mais cedo, por volta das 22h.

Essa situação fez com que vários estabelecimentos já tenham procurado a PM para pedir aumento no patrulhamento mesmo antes do governador anunciar o reforço no policiamento para o Dia dos Namorados. O Mercearia do Francês foi um deles. “Há um mês os policiais aumentaram as rondas e começaram a entrar no restaurante para ver se está tudo bem”, disse Guimarães

Alvos estudados
Para o consultor de segurança José Vicente da Silva, ex-secretário nacional de Segurança Pública, os criminosos que atacam restaurantes costumam estudar os alvos com antecedência. “Eles procuram fazer uma ação rápida para conseguir um benefício minimamente adequado e com o menor risco possível.”

Artur Rodrigues, Felipe Tau, Gio Mendes, Tatiana Gerasimenko, Tiago Dantas e Valéria França

Casos de furtos desafiam a segurança dos shoppings

Nem o forte esquema de segurança de shoppings localizados em áreas nobres da capital consegue impedir o furto a clientes. Desde o início do ano, ao menos 48 casos, em cinco centros de compras, chegaram às delegacias. Os itens mais levados são smartphones, carteiras e bolsas.

A Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) alerta que a praça de alimentação é um dos locais mais visados pelos ladrões. Por ano, cada shopping investe, em média, R$ 1,5 milhão em segurança.
Em 2010, quando as joalherias viraram alvo das quadrilhas, shoppings tradicionais de São Paulo reforçaram a segurança. Na época, o Morumbi, na zona sul, por exemplo, instalou guaritas blindadas no lado de fora, assim como o Cidade Jardim, na mesma região. Em outro centro de compras, em Higienópolis, região central, o número de vigilantes aumentou e houve a aquisição de armas e coletes à prova de bala para homens que monitoram o lado de fora do empreendimento.

Segundo a Alshop, os clientes não estão desprotegidos. Atualmente, pessoas consideradas suspeitas, que muitas vezes circulam pelos corredores sem levar nada, são seguidas de forma discreta pelos seguranças. A intenção é fazer o suposto criminoso notar que é observado e deixar o centro de compras. “É uma ação preventiva que não causa alarde”, diz. “Hoje existe uma boa repressão, mas infelizmente ainda há casos”, comenta o diretor de relações institucionais da entidade, Luis Augusto Ildefonso da Silva.

Entre os 48 crimes levantados, há casos nos shoppings Cidade Jardim, Morumbi, Ibirapuera, Bourbon e Iguatemi. Também existem relatos em sites de reclamação do consumidor.

Foi em um almoço de negócios que o administrador de empresas Mendel Sanger, de 46 anos, teve a mala de couro furtada em um restaurante do Morumbi Shopping neste mês. Segundo Sanger, os pedidos feitos ao shopping para que fossem observadas as imagens do circuito interno de câmeras não foram atendidos. “Fiquei sem a mala, que tinha meu computador, celular e chave”, recordou. Segundo ele, sua mala e as de amigos foram deixadas em outra mesa por orientação dos garçons.

Em fevereiro, Tatiana Arata, cliente do Eldorado, teve o carro aberto no estacionamento. Levaram som, mochila e estepe. “O segurança falou que é comum”, conta. Segundo ela, houve contato do shopping.

“Parece que vão me ressarcir.” Em outro caso, uma atendente teve o iPad levado de um balcão do Cidade Jardim.

Para clientes, o cuidado nem sempre é prioridade. “Nunca me preocupei muito em olhar a bolsa. O shopping tem segurança”, diz a corretora Maria do Carmo Soares, de 47 anos.

O delegado Armando Bellio, do 27.º DP (Campo Belo) – responsável pela área onde fica o Shopping Ibirapuera –, comenta que muitas vítimas não fazem queixa por conta do pouco valor dos produtos levados. Para Emerson Caetano, consultor da Migdal Consultin, quem vai ao shopping se preocupa mais com vaga no estacionamento do que com segurança.

“Olhar a vitrine sem manter a atenção é outro problema.” Caetano confirma que a maioria não registra queixa. “Ou pelo valor irrisório ou a pessoa não quer perder tempo na delegacia.”

Vigilantes agora atuam à paisana
Como estratégia antifurto, os centros de compras têm apostado em seguranças à paisana. A assessoria de imprensa do Shopping Eldorado informou que, além de orientar os clientes sobre seus pertences nas mesas, especialmente na praça de alimentação, os vigilantes trabalham 24 horas em todos os pisos e na área externa do local. Já os homens sem uniforme atuam em horários diferentes do dia, quando há pessoas suspeitas identificadas por câmeras.

O trabalho também é feito com segways, um tipo de patinete elétrico. O Eldorado informou que ainda tem câmeras em todo o shopping e uma central com funcionários que monitoram 205 câmeras. Todas as imagens são gravadas 24 horas.

No Bourbon, funcionários disseram ao JT que homens à paisana circulam pelos corredores. A assessoria respondeu que as ações de segurança são “estratégicas” e não iria comentar o assunto. O Ibirapuera também não quis se pronunciar. O Cidade Jardim informou que não recebeu comunicado oficial sobre os casos mencionados na reportagem. O shopping esclareceu que adota medidas de segurança com o objetivo de garantir o bem estar e a integridade de seus clientes, lojistas e colaboradores. O Morumbi Shopping, por questões estratégicas de segurança, não fez comentários.

Já o Iguatemi disse que tem completa infraestrutura de segurança e circuito fechado de televisão, com câmeras que monitoram todos os andares e setores, zelando de forma “efetiva pela segurança de seus clientes e funcionários”.

Para Luis Augusto Ildefonso da Silva, diretor de relações institucionais da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), apesar de não ser um crime novo, o furto tem ocorrido pois, com o passar dos anos, os ladrões “progridem” em suas técnicas. Silva alertou que o lugar com mais casos é na praça de alimentação. É lá que, segundo ele, clientes relaxam com os cuidados, principalmente com bolsas. “Até por isso a maioria tem equipamentos com velcro para proteger as bolsas”.

Camilla Haddad – Jornal da Tarde

Polícia de São José dos Campos fecha o cerco contra crime de ‘saidinha’ de banco

 

O Vale – Abril 6, 2011 – 06:12

Região central terá reforço da PM a partir de hoje; Polícia Civil concentra ações em pontos de maior ocorrência deste crime

Filipe Rodrigues
São José dos Campos

O crescimento dos crimes de ‘saidinhas de banco’ mobilizou as polícias Civil e Militar a aumentarem o contingente nas ruas e criar operações especiais para coibir estes assaltos em São José.

Há uma semana, policiais da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) fazem rondas em viaturas caracterizadas e também à paisana visando movimentações suspeitas.
A partir de hoje, a Polícia Militar também irá reforçar a segurança em regiões com concentração de bancos.

Nos últimos 15 dias, dois homens morreram vítimas de ‘saidinhas’ na cidade. O crime é marcado pela ousadia.

A vítima mais recente foi Sebastião Donizetti de Oliveira, 46, executado segunda-feira, com dois tiros na cabeça após reagir a um assalto na avenida Bacabal, na zona Sul. Mesmo confirmando o aumento desta ocorrência, a polícia não divulga estatísticas sobre o crime.

Reforço. As ações da DIG estão concentradas onde há maior incidência das ‘saidinhas’. Segundo Neimar Camargo Mendes, delegado assistente da DIG, a avenida Bacabal e as agências da Vila Industrial, na zona Leste, são as áreas mais visadas pelos assaltantes, por terem rota de fuga mais fácil.

“É um crime rápido. Os bandidos aproveitam a proximidade para usar a via Dutra como rota de fuga”.

Na noite de segunda-feira, um ladrão de 20 anos foi preso em flagrante, durante uma destas rondas, após assaltar um homem que faria um depósito de R$ 2 mil em uma agência da avenida Juscelino Kubitschek, na Vila Industrial.

“Fiquei do lado de fora, quando vi o homem com o envelope, eu o abordei, peguei o dinheiro e quando saí, os policiais me cercaram”, diz Rodrigo de Souza Silva.

Silva confessou ter cometido dois assaltos em ‘saidinhas’ de banco em um mês, mas a polícia acredita que ele esteja envolvido em outros casos. Segundo o delegado, Silva mora na região sul da cidade onde há grande incidência desses crimes. “Ele pode estar envolvido em outros casos.”

Operação. De hoje até sexta-feira, a Polícia Militar realizará operações ao redor de bancos visando coibir as ‘saidinhas’.

Na região central, 80 policiais e 40 viaturas farão rondas nas regiões em que há concentração de bancos.

“Como hoje é o quinto dia útil do mês, deve haver aumento da movimentação em bancos. Nossa intenção é dar segurança aos clientes”, diz o tenente Geraldo Leite Rosa Neto, comandante de Força Tática do 1º Batalhão.

A ação será das 10h às 22h e receberá o reforço do helicóptero Águia.

“Além das rondas, realizaremos bloqueios em cinco avenidas. Fiscalizaremos motos e pessoas em atividade suspeita”, afirma o tenente.

Nas zonas Sul e Leste, também haverá reforço de 20 policiais do setor administrativo ao redor das agências. 
 

Ação dos bandidos é marcada pela ousadia
São José dos Campos

Assassinatos em ruas movimentadas, perseguições a carros e invasões a prédios públicos em busca de vítimas. Estes são exemplos que ilustram a ousadia dos ladrões.

Anderson Machado Pereira Gomes, 23, tentou reagir e foi morto no dia 25 de março, ao parar em um semáforo, na Avenida dos Astronautas, no Jardim Souto, na zona Leste.
No dia 23 de dezembro, um homem em um carro foi perseguido de moto pela avenida Nelson D’ávila após fazer um saque de R$ 5 mil. Após ter o pneu furado, os bandidos conseguiram levar a quantia.

No mesmo dia, uma mulher teve R$ 1.700 roubados. Ao ver que era seguida, ela tentou se esconder no prédio da Receita Federal, mas não adiantou.