Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Pedras

Casa abandonada vira ‘cracolândia’ em S. José

Thiago Leon

Thiago Leon

Vizinhos reclamam de insegurança e sujeira; PM diz que não pode agir sem que haja denúncia

Filipe Rodrigues
São José dos Campos

Uma casa abandonada na rua Major Antônio Domingues, no centro, virou a nova ‘cracolândia’ de São José. Segundo os próprios usuários, pelo menos 20 dependentes químicos se reúnem no local diariamente para usar crack.

A movimentação no imóvel é intensa durante todo o dia. Entre moradores e comerciantes da região, a sensação é de insegurança.

Em janeiro, uma casa vizinha, a poucos metros, era o ponto de encontro dos dependentes. Após denúncias dos moradores, o imóvel foi demolido.

Segundo a Polícia Militar, só seria constatado algum crime por parte dos dependentes se o proprietário da casa fizesse uma denúncia.

A Secretaria de Desenvolvimento Social informou que irá acionar o proprietário do imóvel para que ele tome providências.

O dono da casa não foi encontrado ontem para comentar o assunto.

Consumo
O VALE esteve ontem na casa e, segundo os próprios usuários, o local é utilizado há cerca de duas semanas pelos dependentes.

Na casa, está morando um homem de 36 anos que diz ter recebido autorização do proprietário do imóvel para permanecer ali.

“Eu comecei a fazer uns trabalhos para ele. Aí vem um pessoal aqui para gente dar um pega (no crack), conversar”, disse F.

Uma das visitas constantes ao imóvel é de A., 29 anos. O rapaz diz que vai ao local três vezes por dia.

“Não dá para contar quantas pedras a gente usa, 20 ou 30. É de perder a conta. Uso crack há três anos, já tentei internação duas vezes, mas sempre saio quando bate a abstinência”, disse.

Para que a prática não chame a atenção, F. mantém o portão da casa trancado com uma corrente e um cadeado. Só aparece na rua quando algum usuário lhe chama.

“Não queremos incomodar. Só um lugar para ficar. Quando acaba o dinheiro, saímos para pedir e comprar mais”, disse F.

História
A rua tem histórico de ser utilizada durante a noite para consumo de drogas e prostituição. Moradores e comerciantes reclamam que falta atuação da polícia e da prefeitura.

“Alguns comércios fecharam e outras pessoas se mudaram, o que fez com que a rua ficasse menos movimentada. Por isso, essas pessoas preferem usar drogas aqui”, diz uma mulher que mora em um prédio nas proximidades.

O medo de quem transita pela região é o risco de roubos e furtos em busca de dinheiro para a compra de drogas.

“Como vou parar meu carro aqui? Há vezes que encosto e eles já vêm pedir dinheiro. E se eu não der? O que vão fazer”, questiona um morador.

Um comerciante afirma que outro problema trazido pelos dependentes é a sujeira. “Se fingimos que não vemos, não há risco. Mas todo dia de manhã, minha calçada está suja”, disse o lojista.

Lei dificulta ação, afirma a PM
São José dos Campos

A Polícia Militar diz conhecer o problema do consumo de drogas no imóvel, mas afirma que é difícil agir por ser uma área particular.

“Não podemos invadir o local. Se o proprietário reclamar, aí haverá um crime”, disse o capitão Marcelo de Oliveira de Garcia, responsável pelo policiamento no centro.

Durante as abordagens ao imóvel, os policiais fizeram revistas, mas não encontraram drogas ou pessoas foragidas.

“Nos últimos dois meses, prendemos 20 foragidos em locais de consumo de droga no centro. Mas ali, a não ser que flagremos uma quantia grande de droga, não há crime.”

A Secretaria de Desenvolvimento Social, responsável pelo tratamento de dependentes, disse que também não pode entrar em áreas privadas.

Uma intimação será entregue ao dono da casa. Caso nenhuma providência seja tomada, o proprietário poderá perder o imóvel.

Via do Morumbi tem um assalto a cada dois dias

Polícia registrou 93 ataques em 6 meses contra motoristas no ‘ladeirão’.
Via dá acesso a favela da Zona Sul de SP.

Da Agência Estado

Os assaltos no Morumbi, na Zona Sul de São Paulo, têm endereço e horário certos desde 2009. Só nos primeiros seis meses deste ano foram 93 ataques contra motoristas na Rua Doutor Francisco Thomaz de Carvalho, via que liga o bairro à Marginal do Pinheiros, mais conhecida como “ladeirão”.

É nessa descida de mão dupla, perto do cruzamento de uma das ruas que dá acesso à Favela de Paraisópolis, que motoristas são atacados por grupos de menores de idade armados com pedras e velas de carros. É mais que um assalto a cada dois dias no mesmo local.

Nem a Operação Saturação, montada em maio pela Polícia Militar nas imediações de Paraisópolis e das favelas do Jardim Colombo e do Real Parque, ajudou a reduzir os ataques. No primeiro semestre de 2010 foram 106 assaltos ou tentativas de furto no “ladeirão”. A Polícia Civil já estima que 80% dos assaltos registrados contra motoristas no Morumbi ocorrem nessa via.

André Takahashi, chefe dos investigadores do 89º Distrito Policial, onde são registrados os boletins de ocorrências dos ataques, diz que a ação dos marginais é tão rápida que as vítimas nunca conseguem reconhecer os autores. “São muitos menores de idade que atacam ao mesmo tempo, não dá para distinguir muito quem é quem. E mesmo quando o menor é preso, ele acaba saindo depois de três meses e volta a assaltar”, conta.

Os assaltos têm ocorrido no início da manhã, entre 6h e 7h, ou no fim da tarde, entre 18h e 19h. Mas também há registros de ataques durante a madrugada e no horário de almoço. “Percebemos que eles aproveitam a troca de turno dos PMs que trabalham na região pela manhã”, aponta o chefe dos investigadores do 89º DP.

Ladrões jogam pedras para poder assaltar

Um dos motoristas parou com carro danificado e acabou esfaqueado.
PM diz que situação foi ‘atípica’, mas promete reforço em policiamento.

Dois motoristas que passavam pela Marginal Pinheiros, na manhã desta quarta-feira (6), foram assaltados. Os criminosos montaram uma armadilha, jogando pedras no asfalto. Um dos motoristas foi roubado e esfaqueado pelos suspeitos. O major William Venceslau, da Polícia Militar, classificou de “atípico” o que aconteceu esta manhã, mas prometeu reforçar a segurança durante a madrugada no trecho. Em menos de um mês, essa é a segunda vez que ladrões atacam na Marginal Pinheiros.

Às 5h30, dois carros e um caminhão estavam parados no meio da pista expressa da Marginal Pinheiros. O acidente de trânsito, dessa vez, não foi culpa de nenhum motorista. Os ladrões jogaram as pedras na pista, próximo da Ponte do Jaguaré, no sentido Interlagos. Dois carros que passavam foram danificados e tiveram que parar. Os motoristas, então, foram assaltados. Um caminhão não percebeu a ação e bateu na traseira de outro veículo.

O primeiro motorista parou porque o protetor de carter quebrou. Ele desceu para ver, foi abordado pelos criminosos e reagiu. Acabou esfaqueado no meio da Marginal Pinheiros. No segundo carro, o motorista parou por causa de um problema na roda e também foi vítima.

O motorista que reagiu ao assalto nesta quarta-feira (6) foi ferido na mão, no pescoço e no rosto. Levado para a emergência do Hospital Universitário, já foi medicado e está bem, segundo os médicos. A PM informou que prendeu um homem com um facão na Marginal Pinheiros.

Ele foi levado para delegacia para saber se tinha alguma participação no ataque desta manhã, o que não havia sido confirmado até o início da tarde.

A PM diz que a Marginal Pinheiros virou alvo dos criminosos. “É frequente isso daí. Inclusive alguns tipo de roubos acontecem. Só que a polícia está aí para prevenir, mas nem sempre a gente está na hora do fato. Tem policiamento perto, que fica na Ponte do Jaguaré, que muitas vezes inibe esse tipo de situação”, afirma o soldado Justino Neri dos Santos.

Parece que os criminosos só trocaram mesmo de horário. No mês passado, houve uma onda de arrastões na Marginal, também no sentido Interlagos, só que no começo da noite. No dia 13 de junho, pelo menos sete motoristas que estavam parados no trânsito foram atacados.

Depois disso, o policiamento aumentou nesse horário. Usou motos e até o helicóptero Águia. Duas pessoas foram presas.

O major William Venceslau comentou o que aconteceu nesta manhã. “O delito que ocorreu nesta madrugada foi totalmente atípico. Em um local que não costumava acontecer”, afirmou. Segundo ele, a partir desta noite, será reforçado o policiamento durante a madrugada.

* Assista a matéria – SPTV 1ª edição:

Dicas de como evitar assalto nas Rodovias

» Cuidado com pedras arremessadas ou objetos pontiagudos colocados na pista.
Se algum objeto atingir seu pára-brisa ou um pneu estourar repentinamente, não pare o carro nessas condições, continue rodando (em baixa velocidade) por alguns quilômetros até encontrar o posto de abastecimento ou da Polícia Rodoviária mais próximo.

Dirija com os vidros fechados e use o cinto de segurança. Assim, você estará preparado para uma freada inesperada diante de um obstáculo que pode ter sido colocado ali para fazê-lo parar.

» Cuidado com pedidos de carona ou simulações de acidente.
Evite parar para ajudar estranhos. O ideal é ligar para a Polícia Rodoviária ou concessionária de rodovias ou parar no próximo posto policial.

Evite viajar sozinho, e se possível, planeje o trajeto com motoristas de outros carros. Isso inibe a ação dos assaltantes.

Procure estradas bem iluminadas e movimentadas, mesmo à noite.

Evite cortar caminhos.

» Trânsito lento ou parado são susceptíveis aos arrastões.
Mantenha as portas do carro trancadas e as janelas fechadas.

Quando parado, procure localizar uma área descongestionada que sirva de possível escapatória em caso de emergência.

Mantenha sempre, entre o seu veículo e o da frente, uma distância mínima que lhe permita manobrar com facilidade (a distância deverá permitir-lhe visualizar os pneus de trás do carro que se encontra à sua frente).

Sempre que estiver parado visualize a área circundante do seu automóvel através dos espelhos retrovisores, para que possa ter uma noção mais ampla do que se passa ao seu redor.

Cuidado com “toque” por trás: O assaltante abalroa o veículo da vítima, dando-lhe um toque por trás com outro carro. A vítima sai para verificar os danos enquanto outro cúmplice entra no carro da vítima e rende.

Em caso de assalto, nunca reaja nem faça movimentos bruscos. Avise o ladrão de todos os seus movimentos, por exemplo: “agora vou tirar o cinto” ou “ agora vou abrir a porta “.

Fontes:
Segurança no Trabalho www. temsegurança.com
Código da estrada.net http://forum.codigodaestrada.net
O Estado de São Paulo

Equipe Sekron Alarmes