Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Polícia Militar

Escolas municipais de Santos terão câmeras de monitoramento

500 câmeras de vigilância serão instaladas nas unidades de ensino.

Objetivo é aumentar a segurança de alunos, professores e funcionários. As escolas municipais de Santos, no litoral de São Paulo, terão câmeras de monitoramento a partir do segundo semestre de 2013.
O objetivo da medida é aumentar a segurança de alunos, professores e funcionários. Serão 500 câmeras de vigilância nas unidades de ensino.

De acordo com o secretário municipal de Segurança, Sérgio Del Bel Júnior, o equipamento vai ajudar na vigilância do perímetro de cada escola e também da região onde fica a unidade de ensino. O trabalho será feito em parceria com a Secretaria de Educação (Seduc). Ainda segundo o secretário, as câmeras vão dar segurança para as pessoas que moram e transitam nas proximidades das escolas.

As imagens captadas pelas novas câmeras serão enviadas ao Sistema Integrado de Monitoramento (SIM), que fica no paço municipal, onde estão centralizadas as ações de vigilância da Guarda Municipal que atua em conjunto com a Polícia Militar.

Fonte: G1

Criminosos roubam equipamentos avaliados em mais de R$ 18 mil reais

Quatro homens roubaram uma grande quantidade de materiais usados para eventos no começo da manhã desta sexta-feira (31) em Santos, no Litoral de São Paulo. A Polícia Militar conseguiu prender um criminoso e recuperar parte da carga.

As imagens da câmera de monitoramento de um espaço usado para eventos, registraram a ação dos criminosos. Um deles, que estava em uma bicicleta, abre a porta do estabelecimento por volta das 5h. Em seguida, seus comparsas entram correndo no depósito de materiais.

Eles colocam vários equipamentos dentro do caminhão da própria empresa e conseguem fugir.

O proprietário do estabelecimento foi avisado que o local tinha sido roubado. Ele acionou a Polícia Militar mas quando chegou no estabelecimento, os criminosos já tinham fugido.

Após meia hora, a Polícia Militar recebeu uma denúncia de que indivíduos estariam descarregando materiais pesados próximo a um prédio, no bairro da Aparecida. Os policiais militares conseguiram chegar no local indicado a tempo de prender um rapaz de 18 anos, que estava com as chaves do caminhão e do portão do depósito. Grande parte da mercadoria roubada foi recuperada. Alguns equipamentos acabaram sendo danificados no transporte. O dono do depósito estima que teve um prejuízo de R$ 18 mil reais.

Os outros criminosos ainda não foram encontrados. A polícia suspeita que um funcionário do local esteja envolvido no roubo já que o alarme da loja disparou e um dos bandidos sabia a senha para desligá-lo.

G1

Cidades investem, em média, 1% do orçamento em segurança

O aumento da violência assusta os brasileiros. Assaltos, estupros e homicídios se repetem nas grandes e pequenas cidades. Segurança pública é atribuição dos estados, segundo a constituição, mas as prefeituras podem ajudar a prevenir e até a combater a criminalidade.

De acordo com a pesquisadora do Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Ludmila Mendonça Lopes Ribeiro, os municípios ainda investem pouco na segurança pública. “Em média, eles investem 1 ou 1,5% do orçamento municipal”, diz pesquisadora.

Para ela, a violência e os crimes têm relação com o uso de drogas por crianças e adolescentes. Ludmila afirmou que, como forma de prevenção, prefeituras podem criar cursos profissionalizantes, atividades esportivas, além de oficinas de artesanato, teatro e música.

A pesquisadora falou, ainda, que, além da guarda municipal, os prefeitos podem criar o Gabinete de Gestão Integrada (GGI), que discute ações relacionadas à segurança pública. Normalmente, os gabinetes são integrados pela Polícia Militar, Polícia Civil, Ministério Público, Judiciário, Defesa Civil, representantes do sistema prisional, representantes do sistema de medidas socioeducativas, ou seja, instituições que estão envolvidas com a gestão da segurança pública.

Esta ação conjunta pode discutir tanto diagnóstico de determinados problemas relacionados à incidência do crime, quanto as questão da ordem pública, como também se constituir ações integradas.

Ainda de acordo com a especialista, antes de agir, as prefeituras também devem ouvir a população. Para isso, existem os Conselhos Comunitários de Segurança Pública (Conseps). Nesse espaço, o cidadão pode fazer reclamações de problemas de iluminação pública, questões que causam insegurança, como também ocorrências de crime.

As reivindicações feitas no conselho são encaminhadas para o Gabinete de Gestão Integrada, que pode elaborar um plano de ação.

Fonte: G1

Capital conta com 1 milhão de câmeras

Com o crescimento de 9% do setor de monitoramento eletrônico em 2011, a cidade de São Paulo recordista em equipamentos na América do Sul, bateu a marca de um milhão de câmeras e hoje tem cerca de um aparelho para cada dez habitantes.

Os dados são da Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos (ABESE), que apontam que nenhum paulistano vai e volta de sua casa para o trabalho sem passar por no mínimo dez câmeras de monitoramento.

Somente a Polícia Militar tem 272 câmeras de monitoramento operando na capital cerca de mais de 1,4 mil equipamentos compõem ainda o Sistema de Vídeo Monitoramento Integrada Guarda Civil Metropolitana, que inclui equipamentos da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), SP Trans e até da própria PM.

Para o presidente da Abese, Carlos Progianti, esse crescimento que nos últimos cinco anos apresentou alta de 11% e só em 2011 movimentou R$1,8 bilhão deve-se à criminalidade estar mais perto das pessoas e o Poder Público não dar conta de diminuí-la sozinho.

“Hoje é possível falar que todos os paulistanos estão sendo filmados nesse momento e isso é positivo. Basta ligar a TV ou ler os jornais e ver quantos casos estão sendo resolvidos com auxílio dos sistemas de monitoramento”, comentou Progianti.

O especialista em Segurança Pública e Privada Jorge Lordello, diz que as câmeras colaboram em três aspectos.

O primeiro só de estar instalada, na inibição da ação do criminoso. O segundo para movimentar em tempo real e tentar medidas antes que o crime ocorra como comunicar a polícia, e no último caso ao menos constatar flagrantes crimes.

“Acho que esse é um mercado em crescimento, mas ainda é virgem no País. Em locais com a Inglaterra, que tem índices criminais menores, o número de equipamentos é dez vezes maior”, disse.

Antes de escolher o equipamento, pesquise a empresa.
Apesar do grande número de câmeras de monitoramento na Capital, tanto o especialista Jorge Lordello quanto o presidente da Abese, Carlos Progianti, dizem que ainda existem problemas e cuidados que o consumidor precisa ter antes da aquisição.

Para o presidente da Abese, o primeiro cuidado esta na escolha da empresa, que precisa ser autorizada, cadastrada e ter tradição no mercado. Atualmente existem 18 mil empresas em todo o Brasil, na base de dados da associação. ”Comprar segurança não é como comprar uma televisão, por exemplo. É uma relação que começa na compra do aparelho mas, que deve contar com a prestação de informações e cuidados com a manutenção. Por isso, a escolha da empresa é muito importante porque só um bom profissional prestará um bom serviço, que atingirá os objetivos”, comentou Progianti.

Para Lordello, além da escolha da empresa é preciso adquirir materiais de boa qualidade, fazer sempre o serviço de manutenção das câmeras e, principalmente, cuidar das informações gravadas pelos circuitos. Para ele gravar as imagens e cuidar para que essas imagens não sejam roubadas durante crimes tem suma importância. “Hoje existem empresas que guardam as imagens de forma remota. Com isso, mesmo que o criminoso leve as câmeras e queira levar as imagens, existe a segurança em outro local”, disse Lordello. Ele afirmou ainda que é preciso cuidar também do monitoramento dessas imagens para evitar que o crime ocorra antes de ele começar.

Jornal Metro News/SP

São Paulo tem uma câmera de segurança para cada dez pessoas

Número total de equipamentos espalhados pela cidade é superior a 1 milhão. Um levantamento feito pela Abese (Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança) revelou que a cidade de São Paulo possui mais de 1 milhão de câmeras de segurança.

O número corresponde a cerca de um equipamento para cada grupo de dez paulistanos. A relação dessa vigilância permanente com o aumento da segurança da cidade não é consenso entre a população, mas o fato é que todos os dias esses “olhos eletrônicos” flagram crimes, acidentes de trânsito e muitas vezes ajudam a identificar culpados.

Somente a Polícia Militar tem 272 câmeras espalhadas pelas ruas de São Paulo. A instituição garante que a tendência desse número é aumentar.

Segundo a Abese, a segurança eletrônica está mal distribuída no Brasil. Cerca de 53% das câmeras estão concentradas no Sudeste, 22% no Sul, 12% no Centro Oeste , 9% no Nordeste e apenas 4% na Região Norte. A associação afirma ainda que o número total dos equipamentos deve triplicar nos próximos anos, acompanhando uma tendência mundial.

Fonte: Clipping Eletrônico Abese

Excesso de ligações congestiona central telefônica da PM em SP

População teve dificuldades para ser atendida no fim de semana.
PM diz que pedidos de orientações congestionam linha.

As reclamações sobre a demora no atendimento da central telefônica 190 da Polícia Militar vêm aumentando em São Paulo. O serviço deveria ser rápido, mas muitas pessoas só escutam o sinal de ocupado ou não conseguem completar a ligação. Quando o atendimento é feito, os policiais demoram muito para chegar ao local da ocorrência, segundo reportagem do SPTV desta segunda-feira (19).

A equipe do SPTV fez um teste. Na madrugada de domingo (18), por volta de 2h20, foram mais de dez tentativas até a ligação se completar.

Quem atendeu o telefonema foi a gravação. “Sua ligação com a Polícia Militar foi completada. Para maior agilidade solicitamos que, ao ser atendido, informe o endereço da emergência e que responda às perguntas feitas”. A gravação se repetiu três vezes, junto com outra em inglês.

Depois de um minuto e meio ouvindo a mensagem, um soldado atendeu a ligação. Ele afirmou que não havia registro de problemas no telefone da polícia, e que a demora no atendimento ocorreu devido ao excesso de ligações. “Sábado à noite é assim: a grande demanda de ligações que estão caindo é sobre o mesmo problema de sempre, perturbação de sossego. Parece que está tendo muitos bailes funk, algazarra, veículo com som alto”, diz ele.

Depois da explicação da polícia, a equipe do SPTV ligou mais uma vez para a central. O problema persistiu: “O número chamado não está disponível no momento. Por favor, tente mais tarde.”

A PM diz que trabalha com média de 40 mil chamadas e atendimentos por dia. No sábado (17), foram 46 mil ligações e no domingo (18), 48 mil. No fim de semana a média sobe e o sistema não dá conta de atender todo mundo.

O capitão Cleodato Moisés, porta-voz da PM, diz que são cerca de 50 policiais atendendo ao mesmo tempo. “Nós temos um limite de linhas-tronco. Se 121 pessoas ligarem ao mesmo tempo, uma pessoa vai dar sinal de ocupado. A PM recebe, das 40 mil ligações, 65% de pedidos de orientações e informações. Isso acaba ocupando a linha de atendimento.”

A central da PM só atende casos de emergência. O Psiu, da Prefeitura, atende denúncias de barulho em locais fechados como bares, restaurantes e salões de festa. O telefone é o 156.

SPTV – G1

Dupla gastou 14 minutos em assalto a casa de câmbio de Congonhas

Ladrões levaram R$ 250 mil na noite desta terça-feira.
Polícia Civil analisa imagens de câmeras do aeroporto da Zona Sul de SP.

Renato Jakitas
Do G1 SP

A Polícia Civil analisa nesta quarta-feira (4) as imagens do assalto a uma casa de câmbio Cotação que opera dentro do Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo, na noite desta terça (3). A tentativa é identificar os dois criminosos que entraram armados, fizeram três funcionários reféns, e levaram cerca de R$ 250 mil dos cofres.

Os assaltantes levaram 14 minutos para chegar e sair do aeroporto. Segundo a polícia, chama a atenção a facilidade que tiveram, principalmente na forma como acessaram o interior da casa de câmbio, que dispõe de um sistema de “clausura” – duas portas até o interior, sendo que uma delas só se abre quando a outra é fechada. No momento do assalto, o sistema não operava adequadamente.

“O que chama a atenção foi a relativa facilidade que tiveram acesso à casa de câmbio. A casa tem todo um aparato de segurança. Os funcionários são orientados a seguirem essas linhas de segurança, mas, curiosamente, ontem [terça-feira], esse aparato foi quebrado”, disse o delegado Marcelo Palhares, titular da delegacia do Aeroporto de Congonhas.

As imagens gravadas pelas câmeras de segurança do aeroporto mostram dois criminosos vestidos de terno, perucas e portando cada um deles uma mala. Eles chegam ao aeroporto em um automóvel Honda Fit dourado às 21h57. Às 21h59 entram na casa de câmbio e às 22h07 passam pela mesma porta que entraram em Congonhas.

Tudo aconteceu a cerca de 20 metros de um posto da Polícia Militar, que estava vazio no momento do assalto. Os dois PMs que ficam de plantão até as 23h, quando o aeroporto encerra suas atividades, faziam uma ronda do lado externo, segundo o capitão da 1ª Companhia do 12º Batalhão da PM, Ednilson Staff, responsável pelo policiamento em Congonhas.

Após roubo, câmeras auxiliam PM na prisão de ladrões

De A Tribuna On-line

Três pessoas foram presas em Praia Grande com a ajuda da Central de Monitoramento do Município. Os criminosos haviam assaltado dois comércios na Cidade, um no Bairro Caiçara e outro no Ocian, na madrugada de segunda-feira.

A Guarda Municipal, juntamente com a Polícia Militar foram comunicadas sobre a ocorrência e através da Central avistaram o carro dos suspeitos nas proximidades da Rua Tupi, no Bairro Tupi. Os três suspeitos, dois homens e uma mulher foram encaminhados para a Delegacia Sede de Praia Grande.

Central de Câmeras
O sistema, pioneiro na região, conta com 1.530 câmeras instaladas em diversas áreas da Cidade, incluindo orla da praia, de preservação ambiental e áreas comerciais.

Das 1.530 câmeras, 73 são do tipo “Domo”, com giro de 360 graus e zoom de até 400 metros de distância. São realizadas manutenções diárias e instalações de câmeras.

Câmeras flagram assalto em saída de banco em São José dos Campos, SP

Vítima percebeu que estava sendo seguida e tentou se esquivar.
Criminosos conseguiram fugir com R$ 18 mil.

Do G1 SP, com informações da VNews

Câmeras de segurança registraram um assalto na saída de um banco em São José dos Campos, no interior de São Paulo, nesta terça-feira (18).

Um homem tinha acabado de sacar cerca de R$ 18 mil quando percebeu que estava sendo seguido fora de uma agência bancária do Itaú. Ele tentou se esconder em uma concessionária de veículos que fica próxima ao banco, mas um dos criminosos o perseguiu. Os assaltantes, que estavam armados, fugiram em uma moto com o dinheiro.

Segundo a vítima, o grupo sabia o valor exato do dinheiro que ele tinha sacado. Por isso, ele desconfiou que eles foram avisados por algum funcionário da agência. “Se a gente não pode usar o celular no banco e nem o cliente, alguém da agência falou pra ele o exato valor. E ele vinha falando ao telefone e perguntando quem era, aí outro falou ‘é o de preto, é o de preto’, e eu corri”, contou a vítima.

O banco Itaú informou que não vai comentar a suspeita da vítima de que o roubo envolveria funcionários, pois a ocorrência foi registrada fora da agência e o cliente também não retornou para fazer a reclamação. A Polícia Militar foi chamada, mas os assaltantes não foram localizados.

PM reforça policiamento nas áreas comerciais de São José


Objetivo da corporação é prevenir ocorrências de roubos e furtos em áreas de aglomeração de pessoas às vésperas do Dia das Crianças

O Vale – São José dos Campos

A Polícia Militar organizou nesta semana um policiamento especial em regiões comerciais de São José dos Campos.

O intuito é evitar roubos e furtos em áreas onde houver aglomeração de pessoas em busca de presentes para o Dia das Crianças.

O efetivo de policiais a pé foi reforçado e também estão sendo realizados bloqueios em avenidas que dão acesso às áreas mais movimentadas.

Ontem e hoje, o foco foram áreas comerciais no calçadão, em praças e centros comerciais das zonas norte e oeste. Na quarta-feira, a ação será direcionada para eventos em praças e parques.

Operação
Para reforçar o policiamento, os policiais do setor administrativo foram deslocados para fazer rondas.

“Nas regiões de comércio, priorizamos policiais a pé e de bicicleta. Nos bloqueios, haverá viaturas. Esse policiamento é extra, não irá onerar o efetivo que temos diariamente”, diz a capitão Jaqueline Aparecida Ferreira Pires, chefe de comunicação da PM nas regiões central, norte e oeste de São José.

Os policiais também conversam com a população para dar dicas de segurança.

“Com relação às crianças, orientamos aos pais que as ensinem a decorar nome e telefone de casa para o caso de se perderem. Se a criança não conseguir, coloque uma etiqueta ou algo que facilite a identificação”, diz a capitão.