Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Praia Grande

Baixada Santista passará a integrar Sistema de Videomonitoramento do Estado

Sistema vai usar câmeras de Santos e Praia Grande

A Baixada Santista está entre as três regiões do Estado de São Paulo que passarão a fazer parte do Sistema Metropolitano de Videomonitoramento, com 1.768 câmeras integradas nas nove cidades da região. Outras 46 cidades das regiões do Vale do Paraíba, Litoral Norte e Jundiaí receberão a iniciativa, que prevê um total de 2.629 câmeras integradas. O objetivo do projeto é colaborar no combate à criminalidade e na redução da violência.

O Sistema Metropolitano de Videomonitoramento utilizará as 2.273 câmeras que já existem nas cidades de Santos, Praia Grande, São José dos Campos e Jundiaí e  instalará 356 novos equipamentos nos perímetros – acessos por rodovias dos municípios envolvidos no projeto. Com isso, será possível fazer o reconhecimento de veículos, controle do fluxo desses locais e até a identificação facial em alguns casos.

As centrais serão integradas aos Copoms (Centros de Operações da Polícia Militar regionais, que serão adaptados para receber essas imagens. O sistema também será intergrado à nova fase do Detecta, sistema inteligente de monitoramento criminal que está em fase de implantação no Estado.

Além do compartilhamento de imagens, os convênios permitirão a divulgação de informações relevantes para o trabalho policial, como fluxo de pessoas e veículos em determinados horários e regiões, problemas de iluminação pública, entre outros dados.

As 2.629 câmeras integradas fazem parte da primeira fase do programa. Ao final, o sistema terá 6.147 câmeras integradas a partir da compra de 3.874 equipamentos, que incluem os 356 da primeira fase. O investimento total será de R$ 400 milhões.

Fonte: A Tribuna On Line

Segurança pública é uma das preocupações dos eleitores

Cidades investem em câmeras de monitoramento para coibir o crime.
Polícia, prefeituras e população devem agir em conjunto.

O sistema de segurança pública no Brasil conta com as polícias federal, civil e militar. Cada uma delas têm funções específicas, mas o propósito final é o mesmo: coibir a criminalidade. Porém, as prefeituras também têm obrigação de contribuir para tornar as cidades mais seguras. Saiba como é possível e as formas que podem ser usadas pelas cidades para aumentar a segurança dos moradores.

Depois de três arrombamentos e um assalto em plena luz do dia, o comerciante Benedito Reobol agora diz que pode trabalhar mais tranquilo. Para ele, as coisas mudaram desde que as câmeras de segurança foram instaladas pela prefeitura de Praia Grande nas ruas da cidade, onde tem um comércio de venda de móveis planejados. A novidade intimidou os bandidos e os roubos no bairro diminuíram. “Agora os marginais pensam duas vezes antes de entrar na minha loja porque eles sabem que podem ser reconhecidos”, diz o comerciante.

Metade das cidades da Baixada Santista já instalou câmeras de segurança nos pontos mais críticos, naqueles em que o índice de criminalidade é preocupante. Mais de dois mil desses equipamentos estão espalhados pelos municípios da região. As imagens são monitoradas em centrais, assim que os técnicos percebem alguma atitude suspeita, tanto a polícia como a Guarda Municipal são avisadas.

Segudo o inspetor da Guarda Municipal Alexandre Nascimento Silva, o operador visualiza o crime e solicita uma viatura para atender essas ocorrências.”Nós monitoramos 24 horas. As imagens ficam gravadas.

Depois de um crime, por exemplo, a gente pode chegar à identificação dos autores”, relata Alexandre.

Instalar câmeras é só uma das formas encontradas pelas prefeituras para melhorar a segurança dos moradores, mas existem muitas outras, esclarecidas pelo comandante aposentado da Polícia Militar Sergio Del Bel. “Na medida que você tem locais abandonados nas cidades, esses locais com certeza, em curto prazo de tempo, passarão a abrigar moradores de rua, viciados em crack e traficantes. A partir daí, outros crimes começam a surgir naquela redondeza, e isso se torna uma área de interesse de segurança pública, que não deve ser resolvido só com a polícia. Se as prefeituras conseguem eliminar esse tipo de problema, já estão aliviando um local de tensão e liberando o patrulhamento para outras áreas mais importantes”, diz Del Bel.

A população das cidades também pode ajudar na segurança participando dos conselhos municipais, que são formados por representantes das prefeituras, das polícias civil e militar e da comunidade. A Polícia Civil é responsável por investigar e esclarecer os crimes praticados nos municípios, elaborar boletins de ocorrência de qualquer natureza, expedir cédulas de identidade e atestado de antecedentes criminais e de residência. Também é de sua competência fiscalizar o funcionamento de determinadas atividades comerciais e autorizar a realização de grandes eventos nas cidades.

A Polícia Militar é responsável pelo policiamento preventivo, a ronda ostensiva motorizada e a pé, policiamento florestal, de trânsito urbano e rodoviário. Além do policiamento escolar, em praças, estádios e também patrulhamento aéreo. Já a Polícia Federal investiga crimes em escala nacional, que afetam o país como um todo, como crimes contra o sistema financeiro, por exemplo. Além disso, cabe à Polícia Federal exercer as funções de polícia marítima, aeroportuária e de fronteiras, impedindo a entrada de armas, drogas ou contrabando.

Nos municípios, a Guarda Municipal tem a atribuição de proteger os patrimônios públicos de suas respectivas cidades, como escolas, hospitais, praças. O porte de armas é permitido pelo estatuto do desarmamento para cidades com mais de 50 mil habitantes. Na Baixada Santista, só Praia Grande tem Guarda Municipal armada. Mas medidas simples, que são obrigações das prefeituras, também podem colaborar com a segurança. E é aí que entra a sua cobrança como eleitor. “Se o indivíduo não tem acesso a educação de qualidade, lazer, esporte, cultura e principalmente moradia ele com certeza será um alvo fácil para traficantes e bandidos mais experientes, e será cooptado para seguir esse caminho”, afirma o coronel da Polícia Militar.

E não basta votar, o eleitor também pode participar. Um exemplo são os conselhos municipais de segurança, formados por representantes das prefeituras, das polícias civil e militar e da comunidade. De acordo com o professor universitário Marcos Pasquantonio, é importante que a população seja participativa. “A resolução do problema muitas vezes leva um tempo maior, mas o fato do indivíduo no imediatismo estar podendo falar, podendo trazer o problema, acho que isso é fundamental”, afirma.

Fonte: G1

Menina liga para a polícia e impede assalto a casa na Praia Grande, SP

Um assalto terminou com a chegada da polícia em Praia Grande, no litoral de São Paulo, graças à ação de uma menina de doze anos. Os pais chegavam à residência no bairro Solemar por volta das 20h30 na terça-feira quando foram abordados por três bandidos. A criança percebeu e se escondeu em um quarto com o irmão para telefonar para a polícia.

“Socorro, por favor. Estão assaltando a minha casa”, disse a garota na ligação para o 190. “Eles estão levando tudo, tudinho”, afirmou.

Em poucos minutos a polícia cercou o local. Os criminosos colocavam nos veículos televisores, computadores e aparelho de som quando foram surpreendidos pelos policiais.

Os ladrões tentaram fugir pelo quintal da casa, mas foram presos em flagrante. A polícia recuperou o dinheiro e os objetos roubados. Além disso, os policiais apreenderam a arma e o carro que estavam com a quadrilha, que também era roubado.

“Graças a Deus, ela conseguiu fazer tudo direitinho. Foi ela que salvou”, afirmou a mãe da criança.

G1

Policiamento é reforçado em Praia Grande

Fonte: G1

Após roubo, câmeras auxiliam PM na prisão de ladrões

De A Tribuna On-line

Três pessoas foram presas em Praia Grande com a ajuda da Central de Monitoramento do Município. Os criminosos haviam assaltado dois comércios na Cidade, um no Bairro Caiçara e outro no Ocian, na madrugada de segunda-feira.

A Guarda Municipal, juntamente com a Polícia Militar foram comunicadas sobre a ocorrência e através da Central avistaram o carro dos suspeitos nas proximidades da Rua Tupi, no Bairro Tupi. Os três suspeitos, dois homens e uma mulher foram encaminhados para a Delegacia Sede de Praia Grande.

Central de Câmeras
O sistema, pioneiro na região, conta com 1.530 câmeras instaladas em diversas áreas da Cidade, incluindo orla da praia, de preservação ambiental e áreas comerciais.

Das 1.530 câmeras, 73 são do tipo “Domo”, com giro de 360 graus e zoom de até 400 metros de distância. São realizadas manutenções diárias e instalações de câmeras.

Homens invadem centro de distribuição domiciliar dos Correios.

Os carteiros de Praia Grande estão apreensivos devido à onda de roubos que vêm sofrendo nos últimos dias. Nesta segunda-feira, mais dois entregadores foram assaltados e, no sábado, o Centro de Distribuição Domiciliar (CDD) da Vila Caiçara foi invadido para subtração de encomendas.

Por volta das 9h30 de sábado, três homens encapuzados e armados invadiram o CDD, renderam de 10 a 15 carteiros e funcionários e saquearam as encomendas que lhes interessavam.

Enquete: na sua opinião, o que deve ser feito neste caso?

Durante a investida, um assaltante chutou uma vítima para que ela não o visualizasse. Boa parte dos funcionários foi trancada em um banheiro. Os pacotes roubados foram colocados em um carro dos próprios marginais, cuja placa não foi anotada.

“Os ladrões foram direto para o objetivo deles”, disse Márcio Anselmo Farina, diretor de Relações Sindicais do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios da Baixada Santista e do Vale do Ribeira. Ainda conforme Farina, os marginais nem passaram por perto das correspondências sem valor.

Roubos frequentes
De julho do ano passado até agora já são aproximadamente 40 roubos contra carteiros em Praia Grande. Só na última sexta-feira houve três casos. A preocupação aumenta porque os ataques também ocorrem em bairros da orla, e não apenas na periferia.

Os ladrões têm interesse pelos talões de cheques e cartões de crédito e bancários transportados, porque eles podem ser usados em estelionatos. Além disso, nos malotes dos Correios são colocadas encomendas valiosas, como relógios, perfumes importados e aparelhos eletrônicos.

O diretor do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios, Márcio Farina, anunciou nesta segunda-feira que a categoria poderá paralisar as suas atividades em Praia Grande por um dia, se providências não forem adotadas. “Será uma forma de protestar e exigir uma solução para o problema”, justificou.

Porém, a greve ainda não tem data definida e, se ocorrer, será antecedida de uma comunicação prévia aos Correios e à população. Na sexta-feira, conforme Farina, as diretorias do sindicado e dos Correios na região se reuniram para discutir a série de assaltos.

“Propusemos várias ações para inibir as ações dos assaltantes e garantir maior segurança aos carteiros”, declarou Farina. Uma das medidas sugeridas é a imediata suspensão de entregas de talões de cheques e cartões de crédito. Outra consiste em providenciar a escolta de empresas terceirizadas de segurança aos carteiros que trabalham em áreas mais críticas.

De acordo com o sindicalista, em locais da Capital considerados de risco, os carteiros contam com esse tipo de proteção. O delegado Luiz Evandro de Souza Medeiros, do 1º DP de Praia Grande, determinou aos seus policiais um minucioso mapeamento dos roubos para desencadear uma repressão mais eficaz contra os crimes.

Correios
Por intermédio de sua assessoria de imprensa, em São Paulo, os Correios informaram que estão adotando várias ações para minimizar a incidência de roubos, entre as quais reuniões com a Secretaria de Segurança Pública, com a Superintendência da Polícia Federal, com a Polícia Militar e com o Departamento de Investigações contra o Crime Organizado (Deic).

Outras medidas adotadas, conforme a estatal, são operações conjuntas com os órgãos de Segurança Pública e ações junto ao Procarga (Programa de Combate ao Roubo de Carga do Estado de São Paulo).

Eduardo Velozo Fuccia – A Tribuna

Carteiros são assaltados constantemente em Praia Grande

Os carteiros em Praia Grande trabalham sob tensão. Os constantes assaltos que vêm sofrendo fazem de sua atividade uma profissão de risco, mesmo sem desempenharem funções de reconhecido perigo como as exercidas por policiais, bombeiros, pilotos de corrida, dublês de filme de cinema e correspondente de guerra, entre outras.

O interesse dos ladrões pelos carteiros, ou melhor, pelo que transportam é compreensível. Entre as correspondências sem valor econômico que eles devem entregar estão cartões de crédito e bancários, talões de cheques e encomendas valiosas, como relógios, perfumes importados, notebooks e outros aparelhos eletrônicos.

O clima de apreensão atingiu o seu ápice na última sexta-feira, quando três carteiros tiveram roubados, mediante ameaça de arma de fogo, os malotes que transportavam. Com medo de represálias dos assaltantes e de retaliações da própria Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), eles não quiseram dar entrevistas.

Porém, outros carteiros e funcionários da ECT ocupantes de cargos diferentes aceitaram falar sob o compromisso de não terem os nomes divulgados. “Estou trabalhando em pânico. Ainda não aconteceu nada de mais grave, mas a gente nunca sabe se um marginal vai atirar”, desabafou um carteiro.

Outro funcionário dos Correios, cujo cargo não exige trabalho externo, comentou que, por causa da série de assaltos, vários carteiros requereram as suas transferências para cidades vizinhas e ameaçam faltar se não forem atendidos.

Mas esse mesmo servidor adverte que a remoção não significa a solução do problema, porque a onda de roubos contra os entregadores da estatal também se verifica nas demais cidades da Baixada Santista, embora em menor proporção do que em Praia Grande.

Nos assaltos registrados na sexta-feira chama a atenção o fato deles terem sido cometidos em bairros da orla. “Os assaltos não acontecem apenas na periferia, como se poderia imaginar”, observou outro carteiro que pediu anonimato.

Eduardo Velozo Fuccia – A Tribuna

PMs ignoram ação de ladrão dentro de loja no litoral de SP

 

07/04/2011 07h07 – Atualizado em 07/04/2011 12h59  

Câmeras mostram criminoso agindo e policiais parados do lado de fora.
Comando da PM diz que vai analisar a conduta em Praia Grande.

Do G1 SP

Um ladrão invadiu pelo menos cinco estabelecimentos comerciais em Praia Grande, no litoral de São Paulo, na madrugada de quarta-feira (6). A polícia até foi um dos locais enquanto o criminoso estava dentro da loja. Mas desistiu de averiguar a situação ainda do lado de fora, enquanto o ladrão recolhia mercadorias tranquilamente.

O comando da Policia Militar em Praia Grande diz que vai analisar a conduta dos policiais.

Os criminosos entraram pelo teto dos estabelecimentos. Uma cabeleireira, após uma tentativa de roubo, chegou a colocar uma porta de ferro para impedir a entrada de ladrões. Não adiantou. Após a invasão, foram levados secadores de cabelo e perucas: R$ 10 mil de prejuízo.

A mesma tática foi usada para entrar em uma restaurante e uma loja. Em um dos casos, câmeras de segurança registraram a ação do criminoso. Apesar de a sirene tocar incessantemente, policiais se aproximam da loja e vão embora, ignorando o fato.