Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Riscos

Bandidos atacam em garagens de shopping e mercado

Dos 41 sequestros relâmpagos na região de Santo Amaro neste ano, 38 foram em estacionamentos de centros comerciais
Camilla Haddad/JT

Quadrilhas especializadas em sequestros relâmpagos estão agindo em estacionamentos de shoppings e supermercados de São Paulo. Os assaltantes aproveitam a distração das vítimas para praticar os crimes. “São locais com uma falsa sensação de segurança”, afirma o delegado Alberto Matheus Júnior, titular da 3.ª Delegacia Antissequestro Relâmpago.

Dados da polícia mostram que, nos últimos cinco meses, dos 250 casos de sequestros relâmpagos registrados pela delegacia, 41 foram cometidos na região do 11.º Distrito Policial (Santo Amaro), na zona sul da capital – 38 deles em estacionamentos de centros de compras. A área de atuação dos bandidos inclui garagens nas imediações das Avenidas Roque Petroni Júnior, Vereador José Diniz e Nações Unidas.

A polícia identificou três quadrilhas que agem no bairro. Uma quarta foi desmantelada no mês passado, com a prisão da “gangue das loiras”, que cercava mulheres idosas em estacionamentos de shoppings de luxo. “O criminoso vai procurar facilidade. A zona sul tem grandes shoppings e lojas, além de alto poder aquisitivo, o que atrai os criminosos”, afirmou delegado. “E eles andam bem arrumados, sem causar suspeitas.”

Segundo Matheus Júnior, para agir nos centros comerciais, os ladrões escolhem quem atacar de acordo com o volume de sacolas e objetos ostentados. Mulheres sozinhas em carros são as preferidas. Mas há casos com homens. Em 18 de janeiro, por exemplo, um jovem foi cercado às 22h30, quando entrava no carro, após sair de um shopping da região. Ele foi libertado duas horas depois na Rua Alexandre Dumas.

“Sinceramente, não tomo tantos cuidados. Me sinto mais seguro aqui do que se parasse na rua e não me preocupo tanto”, disse o administrador Roberto Castro, de 41 anos, que estava no estacionamento de um shopping na zona sul na sexta-feira. Ele nunca foi assaltado, mas conhece amigos que foram rendidos no ano passado em um mercado da mesma região.

O especialista em segurança pública e privada Jorge Lordello lembra que antigamente estacionamentos costumavam registrar furtos de carros e estepes. Agora, têm sido alvo de sequestros de curta duração. “Shoppings têm orientado a segurança a convidar quem fica esperando alguém sozinho dentro do carro a aguardar fora do veículo, em lugar movimentado”, afirmou. “É para minimizar os riscos.”

O capitão da PM Cleodato Moises disse que ladrões preferem locais com maior concentração de comércio para atacar. “Eles sabem que nesses lugares as pessoas têm um cartão para gastar.” Em supermercados, a situação é a mesma. “Ali as pessoas também vão colocar as compras no carro e podem estar distraídas.”

Cuidados
A Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings negou que tenha havido uma onda de sequestros. A entidade informou que ocorreram, no máximo, dois ou três casos. A Associação Paulista de Supermercados (APAS) disse que somente os mercados podem comentar o assunto.

O MorumbiShopping, que está na rota de ação das quadrilhas, informou que, diante do aumento de casos, vem intensificando os cuidados e adequando procedimentos. Por questão de segurança, o Shopping Vila Olímpia não quis comentar o assunto. Já o SP Market não respondeu.

Segurança em condomínios

Certamente, o maior sonho de quem vive em condomínio é a segurança, a tranquilidade e a qualidade de vida como um todo. Infelizmente, para muitos moradores, o mito da segurança está indo por água abaixo e as estatísticas mostram que estes crimes evoluíram e aumentaram nos “negócios do crime”. Então o que fazer? Existe como estar em segurança e ter a “sensação de segurança”?

Inicialmente, é preciso encarar a segurança de maneira profissional, com planejamento, gestão estratégica e obviamente, este trabalho deve ser realizado por especialistas que estejam comprometidos com as reais necessidades dos clientes, assessorando passo a passo no planejamento e na gestão dos processos. Invariavelmente, o caminho em busca da solução desejada passa pela elaboração de um diagnóstico apontando os pontos fortes e fracos, as vulnerabilidades e ameaças a que estão expostas o condomínio, com avaliação das variáveis do ambiente interno e externo. Com as informações preliminares, partimos para uma análise de riscos com a identificação, quantificação e matriciamento dos principais riscos, a probabilidade de ocorrerem e os impactos que podem causar.

Outro engano é ter a “sensação de segurança” sem realmente estar seguro. Isso ocorre nos casos onde algum investimento é feito (câmeras, cercas, vigilantes etc.), mas não de forma correta gerando a impressão de que se está seguro o que talvez seja ainda pior do que o sentimento contrário. Mesmo em condomínios onde temos sistemas eletrônicos (câmeras, alarmes, proteção perimetral, rondas e vigilantes), é comum o resultado de um diagnóstico ou auditoria de segurança apontar diversas vulnerabilidades nos sistemas, recursos e processos implantados, motivo pelo qual, mesmo os condomínios que investem em alguma segurança também são vítimas de marginais.

Para prospectar ainda mais este cenário selecionamos alguns dados estatísticos desta modalidade de crime: em 30% dos casos os marginais pularam os muros; 80,5% dos condomínios assaltados possuíam equipamentos de segurança; em 33,7% dos casos, mais de uma unidade foi invadida; em 66,4% das ocorrências a abordagem foi violenta e entre os itens mais roubados estão dinheiro, celulares e jóias. Ressalte-se que estes são os dados em que são registrados boletins de ocorrências. Neste contexto e com todos estes dados podemos definir um plano de ação que vai determinar quais as ações corretivas e preventivas que devem ser implantadas e qual a prioridade de investimento.

Após a discussão destes processos podemos elaborar um projeto integrado de segurança e descreveremos todos os recursos (tecnológicos, humanos e organizacionais) necessários para minimizar os riscos encontrados. Oportuno salientar que todo este trabalho deve ser fundamentado não só na experiência dos profissionais envolvidos, mas também em ferramentas de trabalho (softwares, matrizes, planilhas, diagramas etc.), bem como metodologias claras e muito bem definidas visando inibir, reduzir e em alguns casos até eliminar as possibilidades das ocorrências, mantendo, além das estratégias acima citadas, uma rotina de auditorias e um monitoramento local e remoto dos principais sistemas implantados, com recursos de pronta resposta a incidentes.

Por Wanderley Mascarenhas de Souza
Oficial da Polícia Militar do Estado de São Paulo,doutor em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública. Fundador e 1º Comandante do Grupo de Ações Táticas Especiais GATE) e do Esquadrão Antibomba.

Segurança é questão importante em condomínios

Moradores devem colaborar e seguir as regras do prédio.

Morar em condomínio já foi sinônimo de segurança, mas hoje não é bem assim.

Para diminuir os riscos, o jeito é redobrar a atenção. Todos precisam cuidar para que os condomínios sejam lugares seguros, pois a responsabilidade não é só do porteiro.

Na Vila Matilde, Zona Leste da capital, os 120 moradores têm uma preocupação em comum – a segurança. “O importante é segurança.

Temos que ter uma segurança porque em todo lugar está preocupante”, diz o aposentado Paulo Pressalto.

Para tentar inibir os assaltos, o condomínio conta com equipamentos de segurança como cerca elétrica, câmeras, sensores de movimento e grades. “Isso dá mais segurança para o morador. Nós pensamos que isso pode inibir a ação de algum ladrão ou algo assim”, completa o consultor de negócios Fernando Suzuki.

Os equipamentos são muitos, mas o morador também precisa colaborar.

Por uma questão de custo, durante o dia não fica ninguém na guarita.

Na entrada de pedestre funciona um porteiro eletrônico onde só entra quem tem a chave ou com autorização de quem está dentro do prédio.

Já para entrar na garagem cada morador recebe um controle remoto.

Multa para portão aberto
Esquecer o portão aberto custa caro. “Pode chegar a custar em torno de R$ 2 mil se esquecer um portão aberto. Já aconteceu duas vezes.

Dois moradores acabaram esquecendo”, relata o síndico Erick Viterbo. A multa foi aprovada em assembléia para evitar que o descuido de uma pessoa deixe vulnerável todo o sistema de segurança do prédio.

O morador que comete imprudências que podem provocar sérios acidentes também é punido, com a mesma multa salgada. Afinal, pensar em segurança não é só se preocupar com criminosos. “A pessoa colocar vaso numa área de varanda, onde pode cair e machucar alguém; jogar uma bituca de cigarro que pode botar fogo no apartamento debaixo”, explica Viterbo.

Em outro condomínio no Jardim Alzira, região de Interlagos, Zona Su, são duas torres, 200 apartamentos e quase 700 moradores. Uma empresa de segurança foi contratada para fazer o controle na guarita e garagem, por isso tem sempre alguém de olho nas imagens registradas pelas 16 câmeras do prédio. Quando o morador chega em casa aciona o controle remoto do portão e um sistema eletrônico avisa o porteiro quem está chegando.

Com um fluxo tão grande de pessoas e de veículos, cada detalhe faz a diferença para manter a segurança de quem vive e trabalha no prédio.

Estranhos não entram, a não ser que a isso esteja bem avisado e documentado. “Pra prestação de serviço existe uma ficha que o morador tem que preencher e entregar na portaria alguns dias antes. No dia que o prestador chegar o porteiro vai identificar direitinho a empresa”, conta a sub-síndica Patrícia Pestana.

Para o especialista em segurança em condomínios, Hamilton Saraiva, a proteção do condomínio está baseada em três pontos. Mão de obra especializada e treinada, equipamentos e o condômino. Esses são os três pilares que devem trabalhar num sincronismo perfeito.

Caso qualquer um desses tenha falha, você está gerando risco na segurança. O morador deve seguir as regras e colaborar com a segurança do condomínio.”

Fonte: G1