Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Tiro

Veja a rotina da equipe do sangue, a Polícia Científica

29 de julho - 23h05: na Sala de Meios, o agente de telecomunicações João Perez Gasques Filho recebe dois chamados da Polícia Civil: uma tentativa de latrocínio e um homicídio simples

29 de julho - 23h15: perito leva maleta metálica equipada com vários itens, como luvas de borracha, sacos plásticos, esparadrapo, lanterna, pinça, fita métrica, hastes flexíveis e algodão

29 de julho - 23h15: Equipe da Polícia Científica se dirige a local de crime no bairro Chácara Santo Antônio, em Santo Amaro

29 de julho - 23h45: motorista de Fusion preto foi vítima de tentativa de latrocínio

29 de julho - 23h45: dente da vítima foi extraído com disparo de arma de fogo

29 de julho - 23h45: vítima estacionava para buscar a mulher em um escritório de arquitetura

30 de julho - entre 0h05 e 0h38: fotógrafo técnico-pericial Sérgio Martins registra imagem de dinheiro encontrado no local do crime: "É uma precaução, para provar o que achamos no local e evitar reclamações posteriores", disse

30 de julho - entre 0h05 e 0h38: Impacto do projétil no vidro do carro formou um cone, aberto para fora. "É um indício que o tiro foi de dentro para fora", diz o perito criminal Waldemir Cássio dos Reis

30 de julho - entre 0h05 e 0h38: com uma caneta esferográfica, o perito Waldemir faz um esboço da cena do crime na folha de um caderno para, segundo ele, "facilitar a elaboração do laudo"

30 de julho - entre 0h05 e 0h38: um buraco no muro de tijolos logo em frente ao local do crime mostra que a bala ricocheteou

30 de julho - entre 0h05 e 0h38: principal prova do crime, projétil é encontrado próximo à porta dianteira do passageiro, rente ao meio-fio

30 de julho - 1h05: peritos se dirigem à rua Pindorama, no Jardim Capela, onde um homem foi vítima de homicídio

30 de julho - 1h05: viaturas da Polícia Militar isolam local do crime

30 de julho - 1h20: pequena mancha de sangue no chão indica local onde vítima foi ferida

30 de julho - 2h35: terceiro crime da madrugada ocorreu em um posto de combustíveis no Jardim Socorro, na zona sul de São Paulo

30 de julho - 2h35: cliente de uma loja de conveniência em um posto de combustíveis foi abordado por um um adolescente e levou um tiro quando deixava o veículo

30 de julho - 2h35: motorista foi atingido por dois tiros e levado ao hospital sem ferimentos graves

30 de julho - 2h35: peritos encontraram manchas de sangue no banco do motorista

30 de julho - 3h18: quarto local periciado pela equipe da Polícia Científica foi palco de confronto entre policiais e uma dupla a bordo de uma motocicleta, na região do Butantã

30 de julho - 3h18: policiais civis perseguiram dois adolescentes em uma motocicleta, acusados de assaltar uma mulher idosa na região. Na perseguição, houve troca de tiros

30 de julho - 3h18: perícia descobre que o número da placa da motocicleta foi adulterado com elástico amarrado no metal: o número que parecia um "6", na verdade era um "0"

30 de julho - 3h18: perito analisa motocicleta acidentada após confronto com a polícia

30 de julho - 3h52: perito Waldemir realiza o exame residuográfico no policial civil que preservava o local

30 de julho - 3h52: o procedimento é necessário em casos de resistência, para provar que o policial utilizou sua arma

30 de julho - 3h52: exame consiste em colocar esparadrapos nos dedos polegar e indicador para absorver partículas de projétil

30 de julho - 4h45: Peritos negam demora no trabalho da Polícia Científica

30 de julho - 4h45: painel com instruções de anatomia decora sala da Polícia Científica

30 de julho - 4h45: por lei, o perito tem 10 dias para entregar o laudo com todas as informações relacionadas ao caso

30 de julho - 5h43: plantão noturno foi considerado "tranquilíssimo" pela equipe da Polícia Científica

30 de julho - 5h43: plantão terminou com o registro de 14 ocorrências desde as 19h, com cerca de 60 pedidos de laudos a serem realizados pelos peritos do laboratório

Fotos: Léo Pinheiro / Terra

Imagens podem ajudar a identificar suspeitos de matar bombeiro

Câmeras de monitoramento de prédio registraram parte da ação.
Sargento foi morto após reagir a assalto na Zona Sul de SP.

Juliana Cardilli
Do G1 SP

A Polícia Civil vai usar imagens das câmeras de monitoramento do prédio em frente ao local onde o sargento dos bombeiros Renato Leite Barboza, de 37 anos, foi assassinado na noite desta terça-feira (16) durante uma tentativa de assalto, para tentar identificar os suspeitos do crime.
Segundo o delegado Alessandro Neves Baroni, que registrou o caso no 27º Distrito Policial, no Campo Belo, Zona Sul de São Paulo, o prédio que fica em frente ao local do crime também tem imagens da ação. As gravações, entretanto, não são de boa qualidade e serão enviadas para a perícia.

Bombeiro foi morto ao chegar a prédio do irmão (Foto: Juliana Cardilli/G1)

Bombeiro foi morto ao chegar a prédio do irmão (Foto: Juliana Cardilli/G1)

O sargento foi morto com um tiro no peito na frente ao prédio onde morava o irmão dele na região do Jabaquara. Ele havia acabado de parar o carro na rua após buscar uma pizza com os filhos gêmeos de 4 anos quando foi abordado pelos assaltantes. Ele reagiu e houve troca de tiros. Além do bombeiro, um dos criminosos e um zelador do prédio foram baleados. O suspeito permanece internado. O zelador foi atingido na perna e seria liberado do hospital nesta manhã. Além do suspeito baleado, outro foi preso.

“Vimos as imagens no prédio durante a madrugada, mas não dá para saber se será possível identificar os criminosos”, explicou o delegado. As gravações deveriam ser disponibilizadas para a polícia ainda nesta quarta-feira (17).

O carro no qual os criminosos estavam quando abordaram o sargento havia sido roubado cerca de dez minutos antes na mesma região. O proprietário do veículo reconheceu os dois homens detidos. “Ele contou que foi abordado por um carro com quatro indivíduos”, contou o delegado. Por isso, a polícia acredita que quatro homens participaram da ação contra o bombeiro – sendo que dois estão foragidos.

São Paulo registra três assaltos violentos no fim de semana

Em um deles, bandidos mataram um rapaz por causa de um par de tênis. Uso de drogas seria motivo para tanta crueldade, diz especialista.

Natália Ariede – Jornal Hoje
São Paulo

Em um deles, fizeram cortes com estilete na mão da vítima. No outro, deram facadas em um homem que havia sido sequestrado. No mais chocante, mataram um rapaz de 21 anos por causa de um par de tênis. A crueldade assusta e causa indignação.

O casal que foi reconhecer o corpo do filho de 21 anos no Instituto Médico Legal não tem palavras para explicar o que aconteceu. Felipe Mateus de Barros estava em frente à casa da namorada, quando dois bandidos chegaram de moto e pediram o tênis dele. Felipe se assustou, correu e levou um tiro nas costas. Chegou a ser socorrido, mas não resistiu.

Este não foi o único caso do domingo. Os moradores de uma casa em São Paulo viveram momentos de terror ontem à tarde. Dois assaltantes invadiram o local e renderam as cinco pessoas que estavam no local. Quatro têm mais de 70 anos. Os bandidos amarraram as vítimas e usaram um estilete para fazer cortes nas mãos de uma delas.

O outro caso começou na capital e terminou no interior. Um contador de 33 anos foi sequestrado na região central de São Paulo quando ia buscar a mulher. Três homens armados com uma faca assumiram o volante do carro. Os ladrões queriam que ele sacasse dinheiro no interior.

No trajeto, os bandidos iam dando facadas nele para intimidá-lo. A tortura só parou porque o ladrão que dirigia o carro perdeu o controle do veículo e capotou. Os bandidos foram presos e o contador foi levado para o hospital de São Roque. Os ferimentos não são graves e ele teve alta nesta segunda-feira (1).

Para o psiquiatra que estuda a violência com essa crueldade estão ficando cada vez mais comuns, e um dos motivos seria o envolvimento dos bandidos com drogas. “O outro não representa nada, ele não é nada além de um objeto de satisfação, de um prazer sádico. Há um sadismo muito grande e que provavelmente pode ser liberado por conta do uso de drogas. Uma pessoa drogada, com estas drogas pesadas ou com o uso contínuo de drogas, ela muitas vezes sequer tem noção do grau de agressividade – que todos nós temos dentro de nós – mas que é liberado em uma situação de conflito, de confronto com outra pessoa”, avalia Eduardo Ferreira-Santos, psiquiatra.

Assista a matéria:

‘Fiz por necessidade’, diz jovem que confessou morte de aluno da USP

Ele se apresentou à polícia e irá responder em liberdade pelo latrocínio.
Felipe Ramos de Paiva, de 24 anos, foi morto em 18 de maio no campus.

Carolina Iskandarian
Do G1 SP

Jovem que confessou nesta quinta-feira morte de estudante da USP (Foto: Carolina Iskandarian/G1)

Jovem que confessou nesta quinta-feira morte de estudante da USP (Foto: Carolina Iskandarian/G1)

O jovem Irlan Graciano Santiago, de 22 anos, confessou durante uma coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira (9) na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) que matou o estudante Felipe Ramos de Paiva, de 24 anos, em 18 de maio dentro do campus da Universidade de São Paulo (USP). “Fiz por necessidade. Meu filho estava com falta de leite, de fralda. Eu me arrependo”, afirmou. Na presença do advogado e de policiais, Santiago contou que ele e um “parceiro” participaram do assalto e que o estudante foi baleado porque reagiu.

O aluno foi atingido por um tiro na cabeça em um estacionamento da Faculdade de Economia e Administração (FEA), quando chegava em seu carro, que era blindado. “Se ele pegasse nossa arma, ia atirar em nós”, afirmou o rapaz, acrescentando que quem atirou foi o outro suspeito. Segundo o delegado Maurício Guimarães Soares, divisionário do DHPP, Santiago não revelou o nome do homem que estava com ele. O delegado contou ainda que, antes de atacar o universitário, a dupla tinha feito refém uma mulher dentro do campus.

O advogado do jovem, Jeferson Badan, confirmou que os dois circularam com a vítima dentro de um carro. “Eles circularam por uma hora com ela. A mulher os acalmou e pediu que não fizessem nada porque era deficiente”, disse. “A gente sentiu dó dela”, completou Santiago. Como precisavam fugir, os dois assaltantes escolheram outra pessoa para roubar o veículo. Santiago foi indiciado por latrocínio e, como se apresentou espontaneamente à polícia, responderá em liberdade. Ao final do inquérito, a polícia pedirá a prisão preventiva dele.

‘Bandido tem ética’

Questionado sobre o que levou Santiago a se entregar, o advogado disse: “mostrei a ele que a melhor coisa que faria era se apresentar”. Os jornalistas perguntaram por que o assaltante não entregou o outro suspeito e Badan alegou que “no crime, você não entrega parceiro”. Em seguida, perguntado, dessa vez, se havia ética no crime, não hesitou: “todo bandido tem ética”. Apesar de dizer que o rapaz estava passando por dificuldades financeiras, o defensor afirmou que isso não era justificativa para se cometer um crime.

Denúncias

Os policiais localizaram Santiago depois de “várias denúncias”, como disse o delegado. A polícia chegou a ir até a casa do rapaz, na Favela São Remo, vizinha à USP, a fim de tentar convencer os pais do criminoso a entregá-lo. Soares disse que o assaltante não tinha antecedentes criminais e que os quatro irmãos dele não têm passagem pela polícia.

De acordo com o delegado, o universitário foi escolhido “aleatoriamente”. O advogado do assaltante confirmou a informação, dizendo que “o Felipe foi o alvo fácil” e que a dupla escolheu a USP para cometer o crime porque lá é “grande e tem pouca segurança”.

Diante da imprensa, o delegado fez um apelo para que a mulher que foi vítima dos dois criminosos se apresente e ajude a dar pistas sobre o suspeito foragido.

Outros assaltos

Em entrevista na ocasião do crime, o pai do estudante, Ocimar Paiva, disse que o jovem já havia sido assaltado outras duas vezes dentro do ônibus e, por isso, havia comprado o carro blindado. “Eu falava para ele tomar cuidado, havia muito assalto pela região. Mas ele dizia que ‘não, não tem problema’”, contou o pai.

“Meu filho era um menino muito bom, gostava muito de estudar e trabalhar. Era um filho carinhoso em casa, tranquilo, não gostava de ir para a balada. O negócio dele era trabalhar, estudar e curtir a namorada”, disse a mãe de Felipe, Zélia Ramos. Segundo a família do rapaz, ele pretendia se casar após terminar a faculdade. Felipe tinha acabado de tirar passaporte internacional, e planejava viajar a lazer em breve, de acordo com a mãe do jovem.

Uma semana depois da morte, o estudante recebeu uma homenagem de amigos, professores e familiares. Cerca de cem pessoas se reuniram na Praça do Relógio, que fica próxima à reitoria da universidade. Os pais e a irmã de Paiva acompanharam a celebração.

Homem é baleado ao reagir a assalto na Grande SP

Para a polícia, vitima foi seguida por meia hora após saque em banco.
Câmeras da prefeitura de Barueri registraram o crime.

Do G1 SP
30/05/2011 06h59 – Atualizado em 30/05/2011 06h59

Imagens registradas por câmeras da Prefeitura de Barueri, na Grande São Paulo, divulgadas neste fim de semana mostram quando um homem foi baleado após reagir a uma tentativa de assalto na cidade.

O crime aconteceu na sexta-feira (27). A polícia desconfia que a vítima foi seguida por criminosos por quase meia hora depois de sacar dinheiro em um banco da capital paulista.

A gravação mostra quando a vítima, um corretor de 44 anos, chega em um carro vermelho. Ele desce e fica do lado de fora conversando com um rapaz. Em seguida, um criminoso aparece, aborda o homem e tenta pegar o dinheiro a força.

Os dois brigam. O assaltante consegue se livrar e corre para pegar a arma, que havia caído debaixo do carro, e atira três vezes. Em seguida ele foge na garupa de uma moto.

O corretor levou um tiro na perna, foi socorrido para um pronto-socorro de Barueri e passa bem. De acordo com a polícia, ele teria sacado uma grande quantia de dinheiro em um banco na região do Ibirapuera, Zona Sul de São Paulo, e pode ter sido seguido até a Rua Campos Sales, em Barueri, onde houve a tentativa de assalto.