Clientes Sekron
  Esqueci a Senha
Conheça nosso site Institucional ›

Posts Tagged ‘ Transporte

Grupo furta bagagens no aeroporto de Cumbica

Fabiano Nunes – JT
A Polícia Civil do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, na região metropolitana, montou uma operação para investigar o furto de bagagens na chegada dos voos ao aeroporto. É apurada a participação de funcionários de companhias aéreas e de empresas terceirizadas que prestam serviço de transporte de malas entre a pista e o setor de desembarque.

Só no ano passado foram registrados 1.249 furtos em Cumbica. Uma média de 113 casos por mês, que inclui todos os crimes dessa natureza ocorridos no terminal. A polícia não forneceu os números específicos dos furtos no desembarque. Em julho de 2011 quatro funcionários de empresas terceirizadas foram presos acusados de participar do esquema. Na casa deles, segundo a polícia, foram localizadas mercadorias furtadas. Mas a “Operação Bagagem” investiga outros funcionários.

Em dezembro, a delegacia do aeroporto registrou, em só um voo, vindo da Espanha, 25 boletins de ocorrência de malas violadas. “Nossa maior dificuldade é saber onde ocorreu o crime: no embarque ou durante o desembarque”, explicou a delegada Larissa Caldara Prado de Andrade.

Segundo ela, em Cumbica, os grupos agem em pontos onde não há monitoramento por câmeras. “Eles aproveitam para furtar dentro do carrinho que leva a mala da aeronave para o terminal. Mas também agem dentro do porão do avião, onde não há monitoramento.”

O ataque é rápido e conhecido como “cesariana”. O funcionário usa uma caneta para abrir o zíper da mala. “Com essa técnica, eles não deixam vestígios de arrombamento, pois conseguem depois fechar a mala como se nada tivesse acontecido”, detalha a delegada. Um vídeo no site You Tube mostra como o ataque é feito. “O melhor é verificar seus objetos após retirar a bagagem na esteira”, recomenda a delegada. “Mas o passageiro deve fazer de tudo para dificultar a violação. Usar cadeado, lacre da empresa aérea e mesmo envolver a bagagem com um plástico protetor, pode fazer com que o criminoso evite atacar. Pois ele não demora muito para furtar.”

O técnico de alimentos Eder Azevedo, de 28 anos, que trabalha para uma construtora em Angola, decidiu “envelopar” suas bagagens com um plástico, antes de embarcar em Cumbica, para evitar furtos. “Anteontem, quando cheguei de Caracas (Venezuela), recebi minha mala sem o cadeado e uma parte dela danificada. Não tive tempo de abrir. Só vou descobrir se algo foi furtado quando chegar em Angola. Mas nesta mala só tem roupas”, relatou.

Segundo a Polícia Civil, os voos mais visados são os vindos de Miami, nos Estados Unidos, e Buenos Aires, na Argentina. “Os voos com conexão também são bastante atacados. No momento em que os funcionários transferem a bagagem de um avião para outro. E o pior é que o passageiro só vai saber que foi furtado quando chega em seu destino” disse a delegada.

O presidente do sindicato dos aeroviários de São Paulo, Reginaldo Alves de Souza, disse que já houve casos também no Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital. Até novembro foram registrados 299 furtos no local, 27 por mês. “Pedimos para que as empresas façam uma triagem dos antecedentes criminais dos funcionários”, disse o sindicalista. Segundo ele, cerca de 8 mil funcionários trabalham nas pistas dos aeroportos de Cumbica e Congonhas. “O ideal é que as empresas sejam mais rigorosas na saída do funcionário do aeroporto”, pediu Souza.

A Polícia Civil disse que o próximo passo será identificar como os produtos furtados saem do aeroporto. “Os funcionários que trabalham na pista passam por um raio X quando saem do turno. Ainda não temos ideia de como tiram os objetos do aeroporto”, disse a delegada. “Uma possibilidade é que utilizem carros autorizados a entrar na pista para sair do aeroporto com os objetos”, diz.

Passageiro deve verificar malas
A TAM disse que em caso de violação, danos ou extravio com a bagagem, o passageiro deve procurar um de seus funcionários antes de deixar a sala de desembarque. De acordo com a empresa, dessa maneira fica caracterizado que o problema ocorreu dentro do aeroporto.

Segundo o procedimento da companhia, o funcionário deve registrar a ocorrência através de um relatório de irregularidade de bagagem (RIB). A TAM diz que caso a mala ou objeto não sejam encontrados num prazo de 24 horas após a abertura do relatório, a companhia oferece o auxílio emergencial.

O prazo para indenização é de 30 dias, conforme o Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA), para os casos de irregularidades. Para os casos de bagagem extraviada, a companhia tem 30 dias para realizar as buscas e a partir do 31.º dia deve enviar a proposta de indenização para o passageiro.

A indenização da mala ou do objeto do cliente é baseada em legislações vigentes, de acordo com a viagem realizada: nas domésticas, o código vigente é o CBA; nas internacionais, o que vale é a Convenção de Montreal. De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a convenção restringe a responsabilidade da empresa aérea em US$ 20 (cerca de R$ 36) por quilo de bagagem extraviada.

A TAM ressaltou que qualquer tipo de queixa deve ser feita no ato do desembarque. A empresa não se responsabiliza por reclamações posteriores. A companhia recomenda ao passageiro levar dinheiros, joias, objetos frágeis e artigos eletrônicos como bagagem de mão. A TAM informou ainda que trabalha com as autoridades para minimizar os casos de violação de bagagens.

A Gol também recomendou a verificação da bagagem no desembarque. Segundo a empresa, a não manifestação de irregularidades neste momento pressupõe que a bagagem está em perfeitas condições. A companhia destacou que em caso de indenizações também segue a legislação. As empresas não comentaram casos específicos de furtos.

Bicicleta ajuda PM nas rondas

Aaron Kawai

Policiais ciclistas de São José estão atuando principalmente em áreas comerciais da cidade e começam a ter ganhar confiança da população

Filipe Rodrigues
São José dos Campos

Policiais em bicicletas têm sido a principal arma da Polícia Militar para combater a criminalidade na região central de São José.

Segundo a corporação, os policiais ciclistas são escolhidos para atuar, principalmente em áreas comerciais.

“A bicicleta chega em alguns locais que é impossível chegar com a viatura. Também é mais discreta e mais rápido que o policiamento a pé”, diz o capitão Marcelo de Oliveira Garcia.

No primeiro semestre deste ano, os policiais em bicicletas foram responsáveis por 12 flagrantes de roubo, furto e tráfico de drogas. Cerca de 2.000 pessoas foram abordadas e, entre elas, oito foragidos foram recapturados.

Quando o policial ciclista faz o flagrante, ele chama uma viatura de apoio, que ficará responsável pelo transporte do preso. “É um apoio aos outros policiais”.

Comunidade
A facilidade de comunicação de um ciclista também é um ponto que tem feito a PM investir neste tipo de policiamento.

“A ordem que damos ao policial de bicicleta é que ande sempre bem devagar, no máximo 5km/h e procure descer da bicicleta, conversar com quem está na rua e oferecer o serviço da PM aos cidadãos”.

As bicicletas foram implementadas em 2003. No início, eram dois policiais por dia na região central, agora são 10 e o número pode aumentar.

Atualmente, todas as companhias da PM atuam com ciclistas. Além das áreas comerciais, eles atuam em praças.

“Quando precisamos fazer algum levantamento em praças, eles são a prioridade para fazer este tipo de trabalho devido à mobilidade”.

Escuridão leva perigo a ruas perto do metrô

Passageiros se queixam de falta de iluminação no entorno de estações; Ilume promete mandar equipes aos locais

03 de agosto de 2011
Monique Arantes – O Estado de S.Paulo
JORNAL DA TARDE

Jose Patricio/AE - Rua Capri. Passageiros andam em grupos até estação

Jose Patricio/AE - Rua Capri. Passageiros andam em grupos até estação

A falta de iluminação nos arredores de algumas estações do Metrô de São Paulo tem propiciado a ação de ladrões e causado insegurança entre os usuários. A reportagem constatou o problema no entorno das Estações Pinheiros, da Linha 4-Amarela, Santos-Imigrantes, da 2-Verde, e Tatuapé, da 3-Vermelha.

A advogada Renata Bayer Simões Esteves, por exemplo, foi perseguida por um homem no dia 21 de julho, entre a Estação Santos-Imigrantes e o estacionamento conveniado com o Metrô. Segundo ela, a via por onde tem de passar está completamente às escuras. “Eram 21h30 e vi que estava sendo seguida por um homem assim que saí da estação.

Comecei a correr quando notei que ele se aproximava. Ele foi atrás de mim até o estacionamento e só parou quando viu o funcionário do local”, lembra.

A insegurança causada pela falta de luz também é sentida pela analista Marina Almendro. Ela trabalha a quatro quadras da Estação Pinheiros, a mais recente da Linha 4, e reclama que várias vias vizinhas estão às escuras. “Antes da inauguração (da estação), a empresa onde trabalho oferecia transporte para os funcionários por causa do risco de roubos, mas isso acabou.”

A opção de Marina e seus colegas foi sair em grupo. Para chamar a atenção do Ilume, ela criou uma petição pública na internet, em que pede mais pontos de luz em ruas como Eugênio de Medeiros, Paes Leme, Butantã, Sumidouro e Capri. O mesmo problema é enfrentado pela psicopedagoga Mônica Nardy Marzagão Silva, moradora da Rua Felipe Camarão, perto da Estação Tatuapé. “Há mais de dois anos encaminho pedidos de novos pontos de luz para o Ilume.”

Resposta
O Metrô informa que já pediu ao Ilume reforço na iluminação da Estação Santos-Imigrantes. A empresa diz que, se alguma ocorrência perto dos terminais for identificada, a PM é avisada. A ViaQuatro, concessionária da Linha 4, afirma que encaminhou a reclamação dos usuários da Estação Pinheiros à Prefeitura. O Ilume diz que “programou a visita de equipes de manutenção nas três estações” citadas na reportagem para “verificar a necessidade de intervenções e solucionar possíveis falhas pontuais”.

COLABORARAM GIO MENDES E TIAGO DANTAS

PRESTE ATENÇÃO…
1. Evite expor celulares e notebooks dentro e fora da estação. Não use bolsas e mochilas que demonstrem conter objetos de valor em seu interior.

2. Não use fones de ouvido enquanto estiver caminhando, pois eles podem distraí-lo.

3. Procure vias mais iluminadas e que tenham movimento de veículos e pedestres.

4. Em ruas mal iluminadas, prefira caminhar pela rua ou em grupos. E fique atento a seu redor.

Principal vitrine latino-americana do setor de segurança privada Exposec acontece entre 24 e 26 de maio

Após a solenidade de abertura no dia 24.04, às 13h00, serão divulgados números atualizados do setor de segurança eletrônica no Brasil no ano de 2010.
De acordo com levantamentos da organização a edição de 2010 movimentou aproximadamente R$ 125 milhões em negócios, e em 2011 a expectativa é que o setor vai crescer 14 %.

Realizada pela Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (ABESE) e organizada pelo Grupo Cipa, a 14ª edição da Exposec (Feira Internacional de Segurança) será realizada entre os dias 24 e 26 de maio de 2011 no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo.
Com entrada franca, o evento tem como objetivo apresentar novidades, antecipar tendências, gerar negócios e, principalmente, difundir conhecimentos e atualização para quem atua neste mercado.

“A cada ano, a Exposec consegue superar as expectativas atuando como o ponto de encontro e de fortalecimento do mercado. Este é um segmento que reserva grandes oportunidades de negócios e muitas possibilidades de crescimento e nesta ocasião, o setor consegue reafirmar ainda mais seu potencial, principalmente por conta dos eventos esportivos inéditos que serão realizados no Brasil e demandarão um olhar muito mais atento à questão da segurança preventiva, por meio de dispositivos eletrônicos e monitoramento urbano inteligente”, afirma Carlos Alberto Progianti, presidente nacional da ABESE. Já em 2010 observamos um incremento de 10% no setor, principalmente pela necessidade cada vez maior de apoiar estrategicamente o combate da criminalidade e auxílio na identificação de crimes e suspeitos, tanto privado, em eventos públicos de grandes dimensões, ligados também à infraestrutura geral como em aeroportos, rodoviárias e vias públicas, complementa.

Na feira deste ano, estarão presentes mais de 600 empresas de mais de 15 países que serão visitadas por mais de 34 mil pessoas durante os três dias. A expectativa é superar o número de visitantes e também os negócios gerados em 2010, que foram de cerca de R$ 125 milhões. A edição 2011 será a maior de todas, ressalta José Roberto Sevieri, presidente do Grupo CIPA.

Com mais de 600 expositores, a feira espera movimentar aproximadamente R$ 135 milhões em negócios. Segundo o presidente do Grupo CIPA, José Roberto Sevieri, o evento reafirmou a importância de reunir em um único local empresas especializadas dos mais variados países. Essa edição comprova que o mercado está aquecido e mostra também que o público está interessado em inovações. Para a edição 2011 certamente esperamos resultados ainda melhores, conclui.

Os números da Exposec acompanham o aquecido mercado de Sistemas Eletrônicos de Segurança. Nos últimos dez anos, o mercado vem crescendo com taxas médias de 13% anualmente, embora o potencial seja ainda maior. De um total de 6,18 milhões de imóveis com possibilidade de receber sistemas de alarmes monitorados, apenas pouco mais de 11% desse total ou 710 mil imóveis são monitorados no país, número distribuído entre as grandes e pequenas empresas de monitoramento do mercado que vem registrando significativo crescimento nos últimos três anos.

Abrangente e completa, a 14ª Exposec reunirá em seu espaço empresas que atuam com diversos gêneros da segurança eletrônica, como: centrais de monitoramento, centrais perimétricas, circuitos fechados, controle de acessos, detecção de incêndio, fechaduras de segurança, portas de segurança, dentre outras. Além disso, a feira também contemplará entidades e companhias que atuam com segurança pessoal e patrimonial, cofres, transporte de valores e veículos blindados.

SERVIÇO
Exposec – XVI Feira Internacional de Segurança Eletrônica
Local:
Centro de Exposições Imigrantes – Rodovia dos Imigrantes Km 1,5 – São Paulo (SP)
Dias: 24 a 26 de maio
Horário: das 13h às 20h
OBS: Também será oferecido diariamente transporte gratuito (ida e volta), saindo da Estação Jabaquara do Metrô (Rua Nelson Fernandes, 400 – ao lado do terminal de ônibus)

* Mais informações pelo telefone: (11) 3294-8033 e (11) 5585-4355 ou pelo site:  www.exposec.tmp.br